Nº 1131

 

VEIO PARA NOS CONQUISTAR

 

O Amor é criativo, e são tais as meigas invenções do Seu Amor por nós, que Ele mesmo dá o salto que atravessa o abismo de qualquer distância para se tornar próximo, tão próximo e amável como pode ser um rapazote acabado de nascer, procurando aconchego e leite.

É maravilha já repetida pelos antigos:

fez-Se pequeno para nos engrandecer.

Quis aparecer-nos todo ligado com faixas,

para nos libertar das ataduras que nos prendiam.

Desceu à terra para que nós possamos escalar por Ele até ao Céu.

Eis o Imenso em forma de Menino.

Eis alguém de quem se diz "tudo pode!",

ali enfaixado sem poder mover-se.

Eis alguém de quem se diz "tudo sabe!",

ali sem ter ainda aprendido a proferir uma só palavra.

Eis alguém de quem se diz "tudo governa, céu e terra!",

a precisar que lhe peguem ao colo.

Eis alguém de quem se diz "tudo sustenta, homens, animais e plantas!",

ali a choramingar por um bocadinho de leite.

Se o nosso Redentor, com a sua vinda, estivesse à espera de ser temido ou bajulado como gostam os grandes dos Homens, bem depressa nos teria visitado já homem pronto e feito, como o primeiro Adão, e todo engalanado de pompas reais e coisas de fazer tremer.

Mas o nosso Redentor

veio para conquistar o nosso amor

usando unicamente as armas que tem um Menino

há pouco nascido para nós.

 

in O VERBO DE DEUS - Novena de Natal com Sto. Afonso de Ligório

 

MEDITAR

 

TESTEMUNHAS DA LUZ

 

«Apareceu um homem enviado por Deus, chamado João. Veio como testemunha, para dar testemunho da luz.» Notemos isto: não da grandeza, nem da majestade, da eternidade, do juízo de Deus, mas da luz.

E o carácter positivo do Evangelho floresce de imediato. João é testemunha, não da fragilidade do homem, mas da capacidade de cada um acumular dentro de si a luz e, depois, de a libertar gota a gota.

A mim, crente, é confiada a missão de ser testemunha, não da degradação, da destruição, do pecado, que também morde as nossas vidas, mas de esperança e de futuro, testemunha de um Deus enamorado e presente no meio de nós, anunciador de um sol possível, de um Deus que cura as vidas, que fará germinar uma primavera de justiça, uma primavera que julgávamos impossível.

E isto graças a João, testemunha de Jesus que, como diz São Paulo, «irradiou vida» (2 Tim 1,10). Que belo nome a atribuir a Cristo: Aquele que irradia vida!

Por três vezes perguntam a João: «Quem és tu?», e ele responde por três vezes: «Eu não sou.» João deixa cair, uma a uma, todas as aparências, para reencontrar o núcleo profundo da sua identidade.

«Quem és tu?» Esta pergunta decisiva também dirigida a cada um de nós. E a resposta é como a de João: retirar máscaras, deixar cair aparências e ilusões. Eu não sou o gigante dos meus sonhos nem a criança dos meus medos.

Eu não sou o(a) homem/mulher prestigioso(a) que gostaria de ser nem o(a) fracassado(a) que receio ser; eu não sou aquilo que os outros dizem de mim, não sou um(a) santo(a), nem apenas um(a) pecador(a). Não sou aquilo que pareço.

João responde à pergunta, com três “nãos”, que, no entanto, introduzem o seu sim final: «Eu sou a voz.» João encontra a sua própria identidade em relação a Deus: eu sou voz, a palavra é um Outro.

Só Deus é a Palavra; eu sou voz, instrumento, transparência de algo que me ultrapassa, eco de palavras que vêm antes de mim e que permanecerão depois de mim. Sou testemunha de outro Sol.

A nossa identidade profunda remete-nos para além de nós. Eu sou eu próprio quando, tal como João, sou profeta, ou seja, irradio à minha volta luz e palavra, sou voz que grita no deserto da cidade ou que sussurra ao coração ferido.

Cada pessoa é como o leito de um rio, mas não é a água do rio. Sem a água não sou rio, não sou mais nada. Deus é a corrente de vida, e a minha missão é retirar os detritos, desobstruir o canal, para que corra a água viva de Deus.

“Apareceu um homem enviado por Deus, chamado João.” Também eu sou um homem enviado, uma mulher enviada por Deus. Também o meu nome foi pronunciado, também eu sou testemunha da luz.»

Ermes Ronchi (adaptado)

 

MARIA

 

Maria tem esta capacidade de escutar e acolher a vida, de ser visitada, de não viver com a porta fechada.

Maria deixa-se visitar. Tem esta honestidade muito grande, esta exposição, e depois esta compreensão de que a vida não é apenas a realização da felicidade que eu pensei para mim próprio, mas que é a compreensão de que estou ao serviço de uma história maior, de uma história que me ultrapassa, e na qual o Espírito Santo me vai dar a força de participar, vai-me dar a competência de ser, colocando-me inteiramente ao serviço. (...)

E num “Sim” a história abre-se,

a história reabre-se,

torna-se o rio de Deus,

a torrente por onde a Graça de Deus passa.

Que, do fundo da nossa vida,

nós também possamos dizer “Sim”

a este Deus que vem,

que vem até nós

e vem através de nós.

Jose? Tolentino Mendonc?a

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 Deus desce à terra tão naturalmente como a música de Mozart sobe ao céu,

mas falta-nos o ouvido para o ouvir.

Christian Bobin


 

INFORMAÇÕES

 

Cortejo de Oferendas

Dia 25 de dezembro - Fajã dos Vimes.

Dia 31 de dezembro - Portal.

Dia 1 de janeiro - Biscoitos - Loural.

Dia 7 de janeiro - Manadas - Calheta - Urzelina - Ribeira Seca.

Dia 14 de janeiro - Ermida de Santo António.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 1131

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 1143

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

Desci do Tabor.

Não estás lá…

Estás na Palavra Viva que escuto com amor.

Estás no Pão que me fortalece a Alma.

Estás no irmão doente e só, que apenas anseia que eu o escute.

 

E eu… apenas preciso de me prostrar perante Ti!

O Sacrário! A Custódia …

O Pão Eucarístico… migalhas de Ti, Meu Jesus…

 

Hoje, dou-Te graças pelo conselho bom, meu Deus.

Que eu saiba sempre escutar o Teu Filho muito Amado...

e levar Jesus a todos e trazer todos a Jesus.

Liliana Dinis

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas