Nº 910

 

O mar que invade a terra adormecida

 

O mar

O mar, na maior parte dos casos, acompanha os nossos tempos de férias, servindo de pano de fundo a momentos de convívio, descanso, leitura e, também, oração. Na sua imensidão, profundidade e mistério é muitas vezes usado como imagem de Deus. Convite a adentrarmo-nos nele, a vencermos o medo do desconhecido, a mergulharmos cada vez mais profundamente, o mar é, simultaneamente, paz e frémito, estabilidade e movimento, brandura e força, surpresa e susto.

 A terra adormecida

O que pode ser esta terra adormecida? A “terra árida, sequiosa, sem água” de que nos fala o autor do salmo 63 ao referir-se à sua alma? A terra pisada e endurecida da beira do caminho, a que Jesus se refere na sua parábola do semeador? É uma imagem muito rica para falar do nosso coração, por vezes seco, indigente, desajeitado, distraído, ferido, fechado, mantido à superfície, protegido por muralhas, represas e sistemas de descarga que nós, ilusoriamente, julgamos controlar.

A terra adormecida é o lugar do silêncio desabitado, não desperto para uma presença. Do ruído que cala a Palavra. Da dispersão que desfoca o olhar e baralha as escolhas.

A terra adormecida é o leito da figueira que não dá frutos, da vida que não se eleva do chão, da pressa que não se detém para ajudar o homem caído à beira do caminho ou a contemplar a paisagem.

Tanto como a terra adormecida precisa de ser inundada pelo mar, assim o mar deseja a terra onde as suas ondas se possam espraiar. Quanto mais o coração humano está sedento de Deus, tanto mais Deus deseja invadi-lo com o Seu amor.

Os rochedos da alma

Já todos vimos inúmeras vezes como mesmo as ondas mais poderosas se desfazem quando embatem na dura rocha. Às vezes estamos também nós tão endurecidos que nos tornamos pedra dura, esclerosados pelo medo de arriscar, incapazes de acolher Deus, o Seu Amor e os Seus projetos para nós com abertura. Ou então cristalizamos o nosso processo espiritual num patamar de conforto e não investimos para ir mais longe na oração, na vida da comunidade ou no serviço. Outras vezes, também, amuralhamo-nos diante de algumas pessoas com quem temos relações desafiantes, questões mal resolvidas, ou situações de conflito. Nem sempre nos lembramos que os cercos protegem, mas também isolam. Deus disse a Ezequiel que havia de substituir o nosso coração de pedra por um de carne. Um coração capaz de sentir e de deixar-se sentir.

 Pe. Hugo Gonçalves

 

Quem sou EU para ti», pergunta Jesus Cristo

 

Quem sou EU para ti 

quando abres mais uma página da tua vida 

corres apressado 

porque te esperam os donos do tempo?

 

Quem sou EU para ti 

quando no trabalho palpitas 

o calor da necessária atividade 

escrita no caderno do teu haver?

 

Quem sou EU para ti 

quando passas na rua e olhas um sem-abrigo 

um ser que perdeu a dignidade que trazia consigo 

agora um objeto atirado para o poço?

 

Quem sou EU para ti 

quando cansado chegas a casa 

onde te esperam mulher e filhos 

a quem ainda vais doar o teu sangue?

 

Quem sou EU para ti 

quando esqueces os teus deveres 

mergulhado no jardim dos falsos prazeres 

fechado no labirinto do teu egoísmo?

 

Quem sou EU para ti 

quando apressado entras na Igreja 

para cumprir o ritual dominical 

e olhas mais o relógio que a Palavra de Deus?

 

Quem sou EU para ti 

um estranho, um desconhecido 

alguém que a história criou para seu recreio 

ou o teu Salvador, o teu Senhor?

 

O Senhor continua a bater à porta, 

nunca desiste, a todo o momento insiste a bradar:

Eu sou Aquele que te abençoa com carinho 

como uma mãe abraça seu filho querido 

e te oferece o maná que procuras sem encontrar.

Dá-me a tua mão 

e iremos juntos no caminho da salvação.

 

Ámen!

J. Guerra

 

 MEDITAR

Quem me traz uma vida nova?!

Tragam-me a honestidade de quem não tem medo de dizer o que pensa.

Tragam-me a transparência de quem diz sempre o que pensa da mesma maneira, à frente de quem for.

Tragam-me a capacidade de preferir dizer tudo em voz baixa. Principalmente as verdades mais difíceis ou as palavras-pedras que, às vezes, teimam em trepar pela garganta.

Tragam-me água fresca para apagar todas as raivas que o mundo quis acender e atear dentro das minhas veias.

Tragam-me a força para não me conformar. Para não fazer como dizem os livros. As notícias. Ou os outros.

Tragam-me a coragem para olhar dentro dos olhos de quem fala comigo.

Tragam-me a destreza para escapar das guerras que existem à minha volta e não façam do meu coração uma trincheira.

Tragam-me a paciência para esperar pelo que há-de ser novo.

Tragam-me vontade de ser página inaugurada.

Tragam-me desse brilho que vi nos olhos das crianças que não tinham nada e, ainda assim, tinham tudo.

Tragam-me a força que têm as ondas quando nos fazem estremecer as pernas e a vida.

Tragam-me só o que eu precisar para ser melhor e para fazer mais.

Preciso tanto do que ainda não tenho.

Tragam-me uma vida nova. Ou duas. Para eu poder escolher com qual quero ficar.

Tragam-me tudo ao mesmo tempo. Eu depois logo vivo. Devagarinho. Como quem ainda tem tudo para aprender.

Marta Arrais

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

AMAR (trans)FORMA…

 

Quem ama vive a vida intensamente.
Quem ama extrai sabedoria do caos.
Quem ama tem prazer em se doar.
Quem ama aprecia a tolerância.
Quem ama não conhece a solidão.
Quem ama supera as dores da existência.
Quem ama produz um oásis no deserto.
Quem ama não envelhece, ainda que o tempo sulque o rosto.
O amor transforma miseráveis em ricos.
A ausência do amor transforma ricos em miseráveis.
O amor é uma fonte de saúde psíquica.
O amor é a expressão máxima do prazer e do sentido existencial.
O amor é a experiência mais bela, poética e ilógica da vida... 

Augusto Cury


 

INFORMAÇÕES

 

ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO

MANADAS - 5ª feira, 18 de julho, das 10 horas  às 11 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

RIBEIRA SECA - 6ª feira, 19 de julho, das 18 horas  às 19 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

MISSA NO SANTUÁRIO DA CALDEIRA

No próximo domingo, 21 de julho, às 16:30 horas.

 

Comissão para a Elaboração do Tapete para a Festa de São Tiago – Ano 2019

Alberto Homem; Ruben Rodrigues; Emiliano Rodrigues; Fernando Dias; José Ricardo Lourenço; José Alvarino Macedo; Delmar Valente; Agostinho Tomás; Pedro Azevedo; Carlos Cabral; Luciano Pereira.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 910

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 910

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

AMAR (trans)FORMA…

 

Quem ama vive a vida intensamente.
Quem ama extrai sabedoria do caos.
Quem ama tem prazer em se doar.
Quem ama aprecia a tolerância.
Quem ama não conhece a solidão.
Quem ama supera as dores da existência.
Quem ama produz um oásis no deserto.
Quem ama não envelhece, ainda que o tempo sulque o rosto.
O amor transforma miseráveis em ricos.
A ausência do amor transforma ricos em miseráveis.
O amor é uma fonte de saúde psíquica.
O amor é a expressão máxima do prazer e do sentido existencial.
O amor é a experiência mais bela, poética e ilógica da vida... 

Augusto Cury

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas