Nº 731

 

PERGUNTAS E RESPOSTAS PARA ENTENDER A QUARESMA
1. O que é a Quaresma?
A Quaresma é um tempo de aperfeiçoamento pessoal e comunitário, que o crente tem para reorientar (centrar) a sua relação com o Senhor. É um tempo de graça que Deus nos dá. É preparado com dedicação e generosidade por quarenta dias para celebrar a Semana Santa, a festa da Páscoa e da Ressurreição.

 

 2. Porquê 40 dias?
O primeiro a viver uma Quaresma foi Jesus porque passou 40 dias no deserto. Aí rezou, jejuou e venceu a tentação, para preparar a nossa salvação na cruz. Também o povo de Israel passou 40 anos no deserto antes de chegar à Terra Prometida.

 

 3. Os domingos fazem parte da Quaresma?
Celebrando a Quaresma, devemos procurar estar mais perto de Deus e o domingo é o dia do Senhor. Uma coisa a melhorar na Quaresma é cuidar, viver a eucaristia todos os domingos, conforme a proposta da Igreja

 

 4. Porque se recebem as cinzas na Quarta Feira de Cinzas?
A imposição das cinzas lembra-nos que a nossa vida na terra é passageira e que a vida definitiva é no Céu (O padre diz aos fiéis: "Lembra-te que és pó e em pó te tornarás"). A cinza recorda que é Deus quem engrandece a nossa pequenez.

 

5. Porque faz abstinência nas sextas-feiras?
 Na Quaresma procuramos imitar Jesus, que jejuou no deserto para redimir os nossos pecados. Portanto, a Igreja estabeleceu que nos privemos à sexta-feira de comer algo mais dispendioso, em memória da morte do Senhor (que celebramos na Sexta-feira Santa), como um sinal de sacrifício.

 

 6. Que outros atos de penitência se podem fazer?
 A Igreja recomenda a oração, a esmola, a dedicar o nosso tempo aqueles que precisam e viver com especial preparação e devoção a confissão.

 

 7. Porque não se prenunciam o Aleluia e o Glória durante a Quaresma?
 A omissão do Aleluia e Glória nas celebrações litúrgicas da Quaresma é uma forma simbólica de nos lembrar,  com espírito de penitência e de recolhimento espiritual, que ainda não experimentamos o Reino na sua plenitude; a glória que procede da cruz.

 

 8. Que significa a cor roxa?
A diversidade de cores nas vestes sagradas tem como finalidade expressar de forma mais eficaz as características dos mistérios celebrados. As Escrituras dizem-nos que um manto de púrpura foi colocado sobre Jesus durante a sua paixão como um gesto de escárnio pelos romanos. O uso de vestes roxas evoca esse momento. O roxo dará lugar ao branco na Páscoa, que é um símbolo de pureza e glória.

 

iMissio (Adaptado)

 

 
 
V DOMINGO COMUM
Mais além
Naquele tempo Jesus subiu para o barco de Simão Pedro e pediu-lhe que se afastasse um pouco da terra e, do barco, começou a ensinar a multidão. Depois disse a Simão:

 

- Faz-te ao largo.

 

A vida ou a vocação de um homem é como um rio que se faz ao mar. Ao nascer é débil, dá uns trambolhões, passa por lugares estreitos e escuros mas pouco a pouco vai-se acalmando e encontra o seu lugar próprio, torna-se meio de comunicação, por onde passa faz surgir esperança, partilha o que é mas nunca se esgota.

 

Diz-se que, mesmo ao entrar no oceano, o rio treme de medo. Olha para trás, para toda a jornada, os cumes, as montanhas, os vales, o caminho caprichoso pela planície e vê à sua frente um oceano, tão vasto que entrar nele nada mais é do que desaparecer para sempre. Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar. Tem de ir em frente. O rio precisa de arriscar e entrar no oceano. E somente quando entra no oceano é que o medo desaparece. Porque só então o rio saberá que não se trata de desaparecer no oceano, mas tornar-se oceano. Será apenas um renascimento.

 

Assim somos nós. Voltar atrás é impossível. Temos que ir em frente, arriscar e navegar mais além.

 

Faz-te ao largo tu também.

 

Coragem, torna-te oceano.
Pe. José David Quintal Vieira, scj
 
 
 

MEDITAR

 

TROPEÇAR

abre o nosso coração ao acolhimento
que não aliena
e os nossos olhos ao Evangelho
que não se muda em ídolo

pedimos-Te, Deus,
que não nos tornemos obstáculos 
uns para os outros,
nem o saber violento da violência
seja a palha no olho do irmão que julgamos sempre,
nós que vivemos debaixo da Tua cruz
esperando que se cumpram em nossa vida
os dias da Tua criação contínua
e o dom do Teu amor no Cristo
que venceu a morte
e no Espírito que nos faz rezar-Te
hoje e nos dias todos da nossa esperança.

S. N. Pastoral da Cultura

tu que conheces as pedras
em que tropeçamos
ou em que fazemos os outros tropeçar
porque  é essa e a lógica do desejo
que nos cega os olhos
e  nos  traz acorrentados à ambição e ao ressentimento,

 

Nem medo nem orgulho: quem se aceita habitado por Deus, aceita-se, antes de tudo, como participante privilegiado do Bem infinito.
J. Delicado
A fé está sempre a dizer à esperança: «não desistas». E a esperança não pára de segredar ao amor: «não pares».
 theosfera

 

INFORMAÇÕES
 
ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO
MANADAS - Quinta-feira, dia 11 de fevereiro das 17 às 18 horas.
 
NOSSA SENHORA de FÁTIMA na RIBEIRA SECA
Sexta-feira, dia 12 de fevereiros, adoração do Santíssimo das 17 às 18 horas, seguida de Eucaristia e procissão no interior da Igreja.
 
QUARTA-FEIRA DE CINZAS - CALHETA
Este ano, a imposição das cinzas, habitual na quarta-feira, será feita no domingo para facilitar os trabalhos de preparação da Igreja Matriz para a Visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima.
 
 

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 731

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 731

Pensamento da Semana

 

Nem medo nem orgulho: quem se aceita habitado por Deus, aceita-se, antes de tudo, como participante privilegiado do Bem infinito.
J. Delicado
A fé está sempre a dizer à esperança: «não desistas». E a esperança não pára de segredar ao amor: «não pares».
 theosfera

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas