Nº 474

 

MÁSCARAS
 
Nestes dias de carnaval há muitas formas de se divertir e, a maior parte dos divertimentos passa pelo uso de máscaras e fantasias.
Estas não fazem mal, desde que sejam levadas dentro de um equilíbrio são e harmonioso. É uma forma de expandir em alegria e divertimento.
Há máscaras diferentes que são usadas por rostos de todos os dias. Caras destapadas. Caras que nos habituamos a ver e a conviver. Caras que estão marcadas pelo viver do dia-a-dia. Às vezes mostram alegria e beleza nos sorrisos que dão, nas palavras cheias de esperança que dirigem, no olhar límpido e feliz que parece penetrar no mais íntimo do seu próximo.
Às vezes elas vêm marcadas com a dor, o sofrimento, a falta de sentido para a vida. Estas são mais difíceis de olhar e fixar. Rostos que desviam imediatamente os olhos e que se prefere não se encontrar ao longo do dia. Muitas vezes vêm marcados pela solidão. Não há um sorriso e nem esperança. Parece que tudo está longe. Que já ninguém se interessa por aquele rosto.
Às vezes são rostos que parecem dizer que não há em quem acreditar. O próprio céu parece ter desabado sobre ele. Deus está longe e, muitas vezes, talvez ausente.
Custa ver estas ausências de alegria e felicidade em tantos rostos. Então pode- -se cair na tentação de usar máscaras para não se ver o estado de solidão em que se caminha. Procura-se a razão do ânimo abatido. Pode ser que seja procurado nos outros e esqueçamos o dom que trazemos dentro de nós. Saber que a transformação depende mais da vontade e da força que temos em nós.
Saber que os dons que se possuem não são para se viver só. Na solidão. Mas são dádiva para os outros e desta é que transborda a alegria de ser útil para os outros e de ir ao encontro dos outros. É na medida em que se dá a alegria que ela torna-se alegria para o outro. É na medida em que se dá em palavras e tempo ao outro que elas também te falam mais no teu íntimo porque elas foram motivo de esperança.
No dia em que a tristeza e a solidão baterem à tua porta, lembra-te dos rostos que caminham contigo. Procura neles a confiança que esperam de ti. Vê que eles também precisam dum rosto sem máscara. Que seja motivo de alegria e que fale daquilo que vale a pena. Acima de tudo que seja um rosto transparente que revele Alguém que ama de verdade. Esse Alguém só pode ser Deus que é bondoso e misericordioso para com todos.
Pe. Manuel António
IX DOMINGO DO TEMPO COMUM
Tema:
A liturgia do 9º Domingo Comum é um convite a construir a vida sobre o alicerce firme da Palavra de Deus. Quando a Palavra de Deus está no centro da vida e dá forma aos pensamentos, sentimentos e acções, o homem caminha, com segurança, ao encontro da realização plena, da vida definitiva.
No Evangelho Mateus convida a sua comunidade – e as comunidades cristãs de todos os tempos e lugares – a enraizar a sua vida na Palavra de Jesus e a traduzir essa adesão em acções concretas. Para ser cristão, não chega dizer palavras bonitas de adesão ao Senhor; mas é preciso esforçar-se por cumprir, em cada instante, a vontade de Deus e viver de acordo com os valores propostos por Jesus nas bem-aventuranças.
A primeira leitura, na mesma linha, convida os crentes a deixarem que a Palavra de Deus envolva e penetre toda a sua vida, marque os seus pensamentos, sentimentos e acções. Garante-nos que construir a vida à volta da Palavra de Deus é assegurar a felicidade e a vida definitiva.
A segunda leitura não se refere tão directamente ao tema do domingo (a Palavra de Deus); mas garante-nos que a salvação resulta do dom gratuito de Deus, tornado presente em Cristo, a Palavra viva de Deus, que veio ao encontro dos homens para os subtrair ao caminho da escravidão, do pecado e da morte.
(Dehonianos)
 
MEDITAR
 
Ó MEU MESTRE!
Não sei como cantas, ó mestre!
Escuto sempre em silencioso deslumbramento.
A luz da tua música ilumina o mundo.
O sopro de vida da tua música voa de céu em céu.
A torrente santa da tua música rompe qualquer obstáculo de pedra - e jorra.
O meu coração anseia por juntar-se ao teu cântico, mas em vão se esforça por ter voz.
Eu poderia falar, mas a linguagem não se transforma em cântico, e, confundindo, choro em voz alta.
Ah! Tu fizeste o meu coração prisioneiro nas malhas sem fim da tua música, ó meu mestre!

Vida da minha vida, eu tratarei de trazer sempre puro o meu corpo, sabendo que o teu tacto pousa sobre todos os meus membros.
Eu tratarei de trazer sempre longe dos meus pensamentos qualquer falsidade, sabendo que tu és essa verdade que acende a luz da razão no meu espírito.
Eu tratarei de afastar sempre do meu coração qualquer maldade e de conservar sempre em flor o meu amor, sabendo que tens a tua morada no santuário íntimo do meu coração.
E será todo o meu empenho o de revelar-te em minhas acções, sabendo que é o teu poder que me dá a força de agir.
 
Rabindranath Tagore
 
CONTO (342)
 
A OVELHA
Logo depois de criada, a ovelha descobriu que era a mais fraca dos animais. Vivia num continuo sobressalto com medo de ser atacada pelos outros animais, todos mais fortes e agressivos. Não sabia sequer o que fazer para se defender.
Foi ter com o Criador e contou-Lhe os seus sofrimentos.
O Senhor Deus perguntou-lhe amavelmente:
- Queres alguma coisa para te defenderes?
Ela respondeu:
- Sim.
- E que dizes se eu te der um par de aguçadas patas?
A ovelha sacudiu a cabeça para dizer que não:
- Como faria para roer a erva mais tenra?
- Queres poderosas garras?
- Ah, não! Teria vontade de as usar a despropósito…
O Senhor Deus continuou paciente:
- Queres poder injectar veneno com a saliva.
- Nem falar. Seria odiada e rejeitada por todos como uma serpente.
- E dois robustos cornos, que dizes?
- Ah, não! E quem me iria acariciar?
- Mas, para te defenderes, serve qualquer coisa para fazeres mal a quem te ataca…
- Fazer mal a alguém? Não, não posso. Prefiro ficar como sou...
in, ALEGRE MANHÃ de Pedrosa Ferreira
 

 

COMO AMAS?
              "Interessa perceber como amamos. Porque há formas de amar que são negativas, ou até destrutivas, e que, no fundo, não são verdadeiro amor.
Eis a grande diferença: amar para libertar e promover, ou "amar" para possuir e degradar.
              Ser imagem de Deus não é só amar: é também a maneira como se ama.
              Ser imagem de Deus é dar espaço ao outro para que seja ele próprio." 
Vasco Pinto de Magalhães, s.j. in Não há soluções, há caminhos

 


 

INFORMAÇÕES
 
RETIRO DE JOVENS
Houve necessidade de fazer algumas alterações no retiro de jovens e nos encontros de catequese.
Os retiros de jovens vão realizar-se em dois fins-de-semana e como se segue:
Nos dias 11, 12 e 13 de Março, para os jovens de Calheta, Ribeira Seca, Norte Pequeno, Santo Amaro e Velas.
Nos dias 18, 19 e 20 de Março, para os jovens de Beira, Urzelina, Norte Grande, Topo e Rosais.
 
Os encontros de catequese ficaram da seguinte maneira:
25 de Março, para os 3º e 4º anos de catequese
2 de Abril, para os 5º e 6º anos de catequese
9 de Abril, para os 7º e 8º anos de catequese

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 474

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas