Nº 471

 

DIA DE AMIGOS (AS)
Acontece que tenho o Dia de Amigos em cheio. É mesmo hoje, o dia em que escrevo algumas palavras aos leitores desta “Carta”.
Procurei coisas sobre os amigos. Depois procurei sobre a amizade. Mas nada me preencheu a curiosidade, nem o coração.
Não sei bem como será isto… É uma novidade, assim como na amizade, às vezes vem em jeito de querer estar, outras para falar nem que seja no silêncio, aquele falar “cá dentro”.
Amizade é caminhar lado a lado, como quem não sabe fazer caminho sozinho, ou não se sente bem e segreda-lhe o coração que um “outro” pode estar a seu lado e percorrer caminhos em que se descobrem novos horizontes, em que a cada passo há uma novidade a descobrir e a contemplar. Assim como ter paisagens sempre novas, belas e apetecidas de percorrer para vislumbrar outros encantos.
Amizade é assim como, não se deixar ficar preso na fragilidade de um momento, mas dar a mão e puxar, se necessário for, para se perder medos e angústias porque se sabe que não se está sozinho para um canto, sem ninguém que olhe, dê um sorriso ou, simplesmente, um leve bater com as mãos, como quem quer ajudar a levar por diante o que se mostra pesado e difícil
A amizade é assim como um desejo de se estar a contar as histórias de um tempo passado que nos deu uma imensa felicidade e que vem ao nosso encontro mesmo quando o amigo não está presente, ou quando ele se torna para sempre ausente. É assim um ficar meditativo, sorrindo de vez em quando com aquela parte que nos tornou mais alegre e mais feliz e, de vez em quando, deixar bailar uma lágrima até cair no infinito com a saudade que fica do amigo que está “cá dentro”.
A amizade é fazer dos meus caminhos os que também tornam felizes os outros e percorrê-los lado a lado porque o desejo que eu tenho não magoa o coração do amigo. Sei que esses caminhos podem ser feitos de muitas dificuldades, sacrifícios, alguns murmúrios, mas valem a pena porque constroem algo que é bom e transborda de alegria porque contei com a presença de alguém que quer o meu bem e a minha felicidade.
Sei de um amigo que não falha. Um amigo que olha com doçura, que sorri até das desconfianças que podem surgir no meu íntimo. Um amigo que vai a meu lado e também sabe ir à frente para apontar a beleza da vida. Um amigo que, por vezes, queria que fosse mais atrás e não visse a minha atrapalhação de vida.
Nessas alturas Ele deita um sorriso de compreensão e sabe que em pouco tempo O procurarei porque sei da segurança do Seu amor e compreensão.
Esse amigo é Jesus.
Pe. Manuel António
 
VI DOMINGO DO TEMPO COMUM
Tema:
A liturgia de hoje garante-nos que Deus tem um projecto de salvação para que o homem possa chegar à vida plena e propõe-nos uma reflexão sobre a atitude que devemos assumir diante desse projecto.
Na segunda leitura, Paulo apresenta o projecto salvador de Deus (aquilo que ele chama “sabedoria de Deus” ou “o mistério”). É um projecto que Deus preparou desde sempre “para aqueles que o amam”, que esteve oculto aos olhos dos homens, mas que Jesus Cristo revelou com a sua pessoa, as suas palavras, os seus gestos e, sobretudo, com a sua morte na cruz (pois aí, no dom total da vida, revelou-se aos homens a medida do amor de Deus e mostrou-se ao homem o caminho que leva à realização plena).
A primeira leitura recorda, no entanto, que o homem é livre de escolher entre a proposta de Deus (que conduz à vida e à felicidade) e a auto-suficiência do próprio homem (que conduz, quase sempre, à morte e à desgraça). Para ajudar o homem que escolhe a vida, Deus propõe “mandamentos”: são os “sinais” com que Deus delimita o caminho que conduz à salvação.
O Evangelho completa a reflexão, propondo a atitude de base com que o homem deve abordar esse caminho balizado pelos “mandamentos”: não se trata apenas de cumprir regras externas, no respeito estrito pela letra da lei; mas trata-se de assumir uma verdadeira atitude interior de adesão a Deus e às suas propostas, que tenha, depois, correspondência em todos os passos da vida.
(Dehonianos)
 
MEDITAR
 
VERDADE E SANTIDADE
 «A verdade nada deve à suposta grandeza das nossas fortunas ou dos nossos espíritos.
A verdade alberga a sua luz em si mesma e não naquele que a diz.
Não é grande, quando o é, senão pela sua proximidade com a vida pobre e fraca...
A verdade nunca é tão grande como na humilhação daquele que a anuncia. (...)
 
De resto, não há santos.
Só há santidade.
A santidade é o júbilo. Ela é o fundo de tudo.
A maternidade é a fadiga superada,
a morte tragada sem a qual nenhuma alegria viria.
Dizer de alguém que é santo, é simplesmente dizer que ele se revelou,
pela sua vida,
um maravilhoso condutor de júbilo - tal como se diz de um metal que é bom condutor
quando deixa passar o calor sem perda ou quase,
tal como se diz de uma mãe que é uma boa mãe quando deixa a fadiga devorá-la,
sem sobras ou quase.»
Christian Bobin
 
CONTO (339)
 
O GRÃO DE TRIGO
Um grão de trigo, perdido no campo, esperava pela chuva para se esconder debaixo da terra.
Passou uma formiga e preparou-se para o carregar. O grão de trigo pediu-lhe:
- Deixa-me no meu campo!
A formiga respondeu:
- Se cada uma de nós não leva um pouco de comida para a despensa, não teremos provisões para o Inverno.
- Mas eu não sirvo apenas para ser comida. Sou uma semente cheia de vida. Porque não fazemos um pacto?
- Que pacto?
- Se me deixares no meu campo, dentro de um ano comprometo-me a devolver-te cem grãos iguais a mim.
- E como farás?
- Pois, olha, isso é um mistério. O mistério da vida. Escava um pequeno buraco na terra, mete-me lá dentro e regressa daqui a um ano.
A formiga confiou nele. Fez o que lhe indicou o grão de trigo e esperou pacientemente.
No ano seguinte, lá estava ela no campo. Verificou com alegria, que o grão de trigo tinha cumprido a sua promessa.
in, ALEGRE MANHÃ de Pedrosa Ferreira
 

 

O OLHAR DO AMOR
«Amar não significa apenas ter sentimentos amorosos.
É preciso o crer, o ver bem, para poder amar, tratar bem.
O amor necessita primeiro de uma nova forma de ver.
Pede ao anjo do amor que te dê novos olhos,
para que possas ver as pessoas ao redor de ti mesmo sob uma nova luz,
para que possas descobrir o núcleo bom em ti e nos outros.»
Anselm Grün, em O Pequeno livro da verdadeira felicidade
 

 

INFORMAÇÕES
RETIRO PARA OS QUE SE VÃO CRISMAR
A Pastoral Juvenil está a preparar um retiro para todos os que se vão crismar este ano. Terá início no dia 11 de Março às 19h30 e terminará no dia 13 de Março às 15 horas. Será no Salão do Emigrante em Rosais. As inscrições devem ser feitas junto dos párocos até ao dia 6 de Março. O encerramento é aberto a todos os que quiserem participar.
 
CONFRARIA DO SANTÍSSIMO NA RIBEIRA DA AREIA
No próximo Domingo, dia 20 de Fevereiro, pelas 20 horas agradecia que comparecessem na Igreja da Ribeira da Areia para eleger a nova direcção para a Confraria do Santíssimo. Devido às dificuldades e à carência de população, proponho que seja seguido os estatutos dos conselhos administrativos das paróquias em que pode votar qualquer pessoa em idade reconhecida para tal e ser votada qualquer pessoa que tenha idoneidade para o serviço que se pede. Ou seja, as senhoras podem votar e ser votadas.
 
RECEITAS DA RIBEIRA SECA
A oferta para o culto na paróquia da Ribeira Seca rendeu 3.585,00€.
 
RECEITAS DO PORTAL
O Cortejo de Oferendas do Portal rendeu 635,00€.
 

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 471

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas