Nº 1083

 

Batismo: Mergulhar num oceano de amor

A cena grandiosa do Batismo de Jesus (Mateus 3,13-17), com o céu rasgado, com o voo de asas abertas do Espírito sobre as águas do Jordão, com a declaração de amor de Deus, aconteceu também no meu Batismo, e acontece ainda a cada reinício.

A Voz, a única que soa dentro da alma, repete a cada um: tu és meu filho, o amado, em ti pus o meu comprazimento. Palavras que ardem e queimam: filho meu, amor meu, alegria minha.

Filho é a primeira palavra. Filho é um termo poderoso sobre a Terra, poderoso para o coração do ser humano. E para a fé. Deus gera filhos segundo a sua espécie, e eu e tu, nós todos temos o cromossoma do pai nas nossas células, o ADN divino em nós.

Amado é a segunda palavra. Antes que tu ajas, antes que tu digas «sim», que tu o saibas ou não, a cada dia, a cada despertar, o teu nome para Deus é «amado». De um amor que te antecede, que te antecipa, que te envolve prescindindo daquilo que hoje serás e farás.

Amado, sem se e sem mas. A salvação deriva do facto de Deus me amar, não do facto de eu o amar. E que eu seja amado depende de Deus, não depende de mim!

A terceira palavra: meu comprazimento. Termo desusado, inusual, todavia belíssimo, que no seu núcleo contém a ideia de prazer. A Voz grita do alto do Céu, grita sobre o mundo e dentro do coração, a alegria de Deus: é belo contigo, filho meu; tu dás-me prazer; estar contigo enche-me de alegria.

O poder do Batismo é dito com o símbolo vasto das águas que limpam, dessedentam, refrescam, curam, fazem germinar as sementes; com o Espírito que, juntamente com a água, é a primeira de todas as presenças na Bíblia, em ação já desde o segundo versículo do Génesis: «O Espírito de Deus pairava sobre as águas».

Uma dança do Espírito sobre as águas é o primeiro movimento da história. Desde então o Espírito e a água estão ligados a cada génese, a cada nascimento, a cada Batismo, a cada vida que brota.

Pensamos no rito do Batismo como em algumas gotas de água derramadas sobre a cabeça da criança. A realidade é grandiosa: na sua raiz, batizar significa mergulhar: «Estamos imergidos num oceano de amor, e não nos damos conta» (G. Vannucci).

Eu sou mergulhado em Deus, e Deus é mergulhado em mim; eu na sua vida, Ele na minha vida; «aperta-me a ti, aperta-te em mim» (G. Testori). Sou dentro de Deus, como dentro do ar que respiro, dentro da luz que me beija os olhos; mergulhado numa fonte que nunca se esgotará, submergido num ventre vivo que alimenta, faz crescer e protege: batizado.

Ermes Ronchi

  

 

MEDITAR

Cativados por uma estrela

Jesus não nasce em Jerusalém, centro de poder político e religioso, mas na periferia, num lugar pobre, cujo único orgulho possível era ser a terra natal de Davi, algo que se perdia no tempo e jazia quase esquecido.

É de perguntar porque Deus escolheu nascer entre os pobres, que a irrupção de Deus na história da humanidade tenha acontecido no silêncio e solidão de uma gruta, sendo testemunhas o céu e os pequenos da terra.

Deus deseja que o procuremos, que saiamos ao Seu encontro... Ele não impõe a sua Presença, só se apresenta de diferentes maneiras; a mais humilde, plena e terna é em seu Filho Jesus.

Deus criou-nos para Si, toda pessoa humana leva dentro de si o desejo de Deus, de conhecê-lo, de se encontrar com Ele, de uma vida em plenitude, de um amor infinito. Todo ser humano leva a marca da eternidade que o impulsiona a sair de si em busca dela.

Essa sede de eternidade, essa busca, muitas vezes sem saber, de Deus, é a estrela que cada um de nós leva dentro de si. É a presença do Espírito que nos movimenta, que nos põe em caminho para Deus, como aqueles magos do Oriente que Mateus cita no seu evangelho.

O importante não é saber se eles existiram ou não, e sim descobrir a riqueza de mensagens que este episódio quer transmitir.

Deus ama-nos, vem ao nosso encontro na pessoa de Jesus e infunde o Seu Espírito em nós para que, iluminados pela sua presença, possamos livremente sair à Sua procura e viver a alegria de ser encontrados por Ele!

Podemos perguntar-nos: como é possível reconhecer a presença do Espírito?

Uma das maneiras mais simples é através dos presentes que Ele nos dá, e um deles é a alegria (Gl 5,22). Por isso é que o evangelho nos diz que “ao verem de novo a estrela, os magos ficaram radiantes de alegria”.

É importante reconhecer a ação do Espírito, para poder colaborar com Ele.

Os magos são fiéis ao caminho que sinaliza a estrela e descem de Jerusalém a Belém. Finalmente a estrela parou e eles são envolvidos no mistério de Deus que se fez presente numa criança: “viram o menino com Maria, sua mãe”.

Reconhecem nele o Messias esperado de todos os tempos, o Salvador de toda a humanidade. Ao vê-Lo, ajoelham-se, adoram-no, amam-no!

Depois, não voltam para Jerusalém, senão que partem para as suas terras para comunicar o que tinham visto, encontrado o Salvador.

O encontro com Jesus leva-nos a partir para uma nova vida, no lugar onde cada um e cada uma vive, trabalha, estuda... ali ser comunicadores da ternura e do Amor de Deus que se faz presente na fragilidade de uma criança!

Ana Maria Casarotti

 

NÃO É FÉ

Se a nossa fé

não nos fizer acreditar que o dia de hoje pode ser melhor do que o

de ontem;

se não nos arrancar da mesquinhez egoísta que nos esmaga de soli-

dão e morte;

se não nos puxar os braços para os outros, na gratuidade natural

de quem respira;

se não fizer com que a poesia desça ao nosso peito e as crianças e

velhos bebam luz dos nossos olhos;

se formos secos de ternura e apenas e só prudentes como as serpentes;
e não passarmos de atarefados medricas a fugir, dias fora, da própria sombra;
se faz tremer a verdade e não rói os alicerces à mentira;
se não estrangula o desespero e incendeia a alegria;
se não nos fizer pôr na vida a beleza das palavras que engendramos,
então não é fé, pelo menos não é cristã.

Agarra-nos pelos ombros e diz-nos outra vez: «se a tua fé fosse sequer do tamanho de um grão de mostarda, dirias a esta montanha: vai daqui para ali, e ela iria e nada te seria impossível.»

 

Henrique Manuel, in Mas Há Sinais...

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 "O Senhor quer que também nós cheguemos a ser estrelas; que também em nós aconteça esta explosão transformadora da fé, por meio da qual é irradiada a luz que Ele depositou em nós para que encontremos o caminho e cheguemos a ser indicadores do caminho para os outros."

 

Bento XVI


 

INFORMAÇÕES

NOSSA SENHORA de FÁTIMA na RIBEIRA SECA

Sexta-feira, dia 13 de janeiro, às 17h30 haverá recitação do terço, seguida de Eucaristia e procissão no interior da Igreja.

 

MISSA NO SANTUÁRIO DA CALDEIRA

No próximo domingo, 15 de janeiro, às 15h30 horas.

 

RECEITAS

Cortejo de oferendas - Fajã dos Vimes 1.164,00€.

 

CURSO PARA CATEQUISTAS

De 23 a 26 de janeiro, vamos ter na nossa ilha um Curso para Catequistas feito pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã (SNEC).

Virá a Ir. Mª Arminda Faustino, Coordenadora do Departamento da Catequese, Pe. Pedro Manuel do Secretariado do Algarve e Prof. Fernando Moita Diretor do SNEC. É bom que os catequistas da Ilha reservem, desde já, a referida semana para poderem participar neste curso muito importante para a Pastoral e Catequese da nossa Ilha.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 1083

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 1087

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

“Não importa o quanto às vezes seja difícil, o quanto às vezes eu me atrapalhe, o quanto às vezes eu seja a densa nuvem que esconde o meu próprio sol, quantas vezes seja preciso recomeçar: combinei comigo não desistir de mim.

Quanto mais o tempo passa, mais amorosamente, mais contente, mais compassiva, eu cumpro esse trato.”

Ana Jácome

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas