Nº 182

 

ANO NOVO

 

A celebração do “Ano novo”, prática vivida em todas as culturas e religiões, parece responder a um desejo humano de “começar de novo”.

“O homem foi criado para que no mundo houvesse um começo”. Este pensamento de Sto. Agostinho deveria iluminar a nossa vida ao longo deste novo ano que se inicia.

Desde que o ser humano surgiu da terra e sobre a terra, o mundo criado ganhou um “novo início”.

Nós estamos reconstruindo-o incessantemente. “O ser humano é criado e é criativo”; pois é exatamente o dom de recomeçar, sempre, que nos caracteriza como humanos.

Caminhamos hoje para algo novo; somos convocados pelo futuro a realizar projetos diferentes, possibilidades novas, “coisas” que nos acenam lá de longe e nos fazem uma proposta: “re-criem-nos”; coisas que surgem sob a forma de um desejo, de uma esperança... mas que sempre dependem de nós para se tornarem concretas. Elas exigem empenho, dedicação e criatividade.

É inevitável que na existência humana se façam presentes a dor, o cansaço, a frustração, a repetição mecânica..., que ameaçam afogar as melhores expectativas. Frente a essa constatação, compreende-se a voz que brota das nossas entranhas e diz: “comecemos de novo”. A celebração do “ano novo”, neste sentido, significa a oferta de uma nova oportunidade à vida, para que ela tenha um novo sentido.

Este ano será novo se aprendermos a crer na vida de maneira nova e mais confiada, se encontrarmos gestos novos e mais amáveis para conviver com os outros, se despertarmos em nosso coração uma compaixão nova para com aqueles que sofrem.

 

Adroaldo Palaoro (adaptado )

 

MEDITAR

MARIA, A MÃE DE JESUS

 

Depois de um certo eclipse da devoção mariana, causado em parte por notórios abusos e desvios, os cristãos interessam-se por Maria para descobrir o seu verdadeiro lugar na experiência cristã.

Não se trata de ir a Maria para ouvir “mensagens apocalípticas” que ameaçam com castigos terríveis um mundo fundado na impiedade e na crença, pois ela oferece a sua proteção materna a quem faz penitência ou reza certas orações.

Também não se trata de fomentar uma piedade que alimenta secretamente uma relação infantil de dependência e fusão com uma mãe idealizada. Já há algum tempo a psicologia alertava-nos contra os riscos de uma devoção que falsamente exalta Maria como "Virgem e Mãe", favorecendo, não fundando ou desprezando a "mulher real" como a eterna sedutora do homem.

O primeiro critério para verificar o "cristão verdadeiro" de toda a devoção a Maria é ver se ele se volta para si mesmo ou se se abre ao plano de Deus; Se fores forçado a voltar a ter um relacionamento infantil com uma "mãe imaginária" ou se fores levado a viver a tua fé de forma adulta e responsável, seguindo fielmente a Jesus Cristo.

Os melhores esforços da mariologia atual pretendem levar os cristãos a uma visão de Maria como Mãe de Jesus Cristo, a primeira discípula de seu filho e modelo de vida autenticamente cristã.

Mais especificamente, Maria é para nós um modelo de apoio fiel de Deus a partir de uma postura de fé obediente; exemplo de atitude solícita para com o filho e de preocupação solidária com todos os que sofrem; mulher comprometida com o "reino de Deus" pregado e conduzido por seu filho.

Nestes tempos de fadiga e de declínio do pessimismo, Maria, com a sua obediência radical a Deus e a sua esperança confiante, pode conduzir-nos a uma vida cristã mais profunda e fiel a Deus.

A devoção a Maria não é, portanto, um elemento secundário para alimentar a religião de pessoas "simples", inclinadas a práticas e ritos quase "folclóricos". Aproximemo-nos de Maria, pelo contrário, coloquemo-nos no melhor lugar para descobrir o mistério de Cristo e acolhê-lo. O Evangelista Mateus recorda-nos Maria como mãe do «Emmanuel», ou seja, uma mulher que nos pode aproximar de Jesus, «o Deus connosco».

 José António Pagola

 

Dia Mundial da Paz 2023: «Mudar o coração», o caminho do Papa para o mundo pós-Covid

O Papa Francisco convida, na sua mensagem para o 56.º Dia Mundial da Paz (1 de janeiro de 2023) a “mudar o coração”, no pós-pandemia, destacando que o impacto da Covid-19 deve reforçar o “sentido comunitário” e de fraternidade, na humanidade.

“Deixarmos mudar o coração pela emergência que estivemos a viver, ou seja, permitir que, através deste momento histórico, Deus transforme os nossos critérios habituais de interpretação do mundo e da realidade”.

A mensagem para a celebração do primeiro dia do novo ano tem como tema ‘Ninguém pode salvar-se sozinho. Juntos, recomecemos a partir da Covid-19 para traçar sendas de paz.

“Não podemos continuar a pensar apenas em salvaguardar o espaço dos nossos interesses pessoais ou nacionais, mas devemos repensar-nos à luz do bem comum, com um sentido comunitário, como um ‘nós’ abertos à fraternidade universal”, indica o Papa.

Francisco elogia a resposta do mundo da saúde e das autoridades políticas à crise provocada pela Covid-19, “empenho, nalguns casos verdadeiramente heroico, de muitas pessoas que se deram para que todos conseguissem superar do melhor modo possível o drama da emergência”.

A mensagem alude à falta de segurança laboral, solidão e um “um mal-estar geral, que se concentrou no coração de tantas pessoas e famílias”, com a pandemia, que pôs a descoberto “contradições e desigualdades” da humanidade atual.

“Hoje somos chamados a questionar-nos: o que é que aprendemos com esta situação de pandemia?”, apela o Papa.

“Não podemos ter em vista apenas a nossa própria proteção, mas é hora de nos comprometermos todos em prol da cura de nossa sociedade e do nosso planeta, criando as bases para um mundo mais justo e pacífico, seriamente empenhado na busca dum bem que seja verdadeiramente comum”, sustenta Francisco.

A mensagem conclui-se com votos de que todos possam aprender, no novo ano, a “caminhar juntos, valorizando tudo o que a história pode ensinar.

Desejo a todos os homens e mulheres de boa vontade que possam, como artesãos de paz, construir dia após dia um ano feliz”, refere o Papa.

in Agência Ecclesia

 

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

Acredita no teu SOL!
Põe a sua Luz no que fazes,
e confia o teu presente e o teu futuro a Deus...
Deixa o teu SOL brilhar no teu interior
e serás o primeiro a ser iluminado (a)!

Autor desconhecido


 

INFORMAÇÕES

 

CURSO PARA CATEQUISTAS

De 23 a 27 de janeiro, vamos ter na nossa ilha um Curso para Catequistas feito pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã (SNEC).

Virá a Ir. Mª Arminda Faustino, Coordenadora do Departamento da Catequese, Pe. Pedro Manuel do Secretariado do Algarve e Prof. Fernando Moita Diretor do SNEC. É bom que os catequistas da Ilha reservem, desde já, a referida semana para poderem participar neste curso muito importante para a Pastoral e Catequese da nossa Ilha.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 182

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 1087

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

“Não importa o quanto às vezes seja difícil, o quanto às vezes eu me atrapalhe, o quanto às vezes eu seja a densa nuvem que esconde o meu próprio sol, quantas vezes seja preciso recomeçar: combinei comigo não desistir de mim.

Quanto mais o tempo passa, mais amorosamente, mais contente, mais compassiva, eu cumpro esse trato.”

Ana Jácome

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas