Nº 1076

 

Esperar na esperança

Iniciamos neste domingo um novo tempo. Um tempo para se ter tempo.

Inicia-se o Advento e entraremos, assim, num tempo de espera. Num tempo em que andaremos de esperanças sobre aquela que é a nossa maior esperança. Estaremos em espera para que possamos entrar no verdadeiro Natal. 

Esperamos com essas luzes cintilantes e com toda a magia Aquele que irá incarnar. O divino que sendo O Verbo entrará na humanidade para se fazer presente em tudo e em todos, mas para isso temos de esperar. 

Necessitamos deste tempo de espera para que possamos perceber de que forma é que Ele pode entrar nas nossas vidas. Precisamos deste tempo de espera para percebermos a Sua importância nas nossas vidas. Temos, efetivamente, de esperar, para que contra a corrente do instantâneo, imposta pelos dias de hoje, possamos dar o que somos e o que temos Àquele que será a Luz do Mundo. 

Esperar pelo Natal é ter a capacidade de, no meio de tanta azáfama, colocar o verdadeiro sentido de todo este tempo no centro das nossas vidas. Saber esperar e apreciar cada dia do advento é sabermo-nos colocar no meio de uma história que foi tudo menos um conto de fadas. Saber esperar para perceber que Deus cumpriu, uma vez mais, com a Sua promessa. Saber esperar para que nos possamos sentir verdadeiramente amados por um Deus que nunca se cansa de esperar. 

Agora é o nosso tempo. Agora é a nossa vez de esperarmos pelo Deus que está! 

Esperemos por Ele e esperemos também uns pelos outros para que a mensagem do Natal seja passada na partilha, na comunhão e na simplicidade da nossa humanidade. 

Tenhamos a audácia de neste novo tempo andarmos efetivamente de esperanças, para que em toda esta espera surja em nós uma nova vida. Uma vida renovada pela paz e pelo amor que nos será revelado por este menino Jesus. 

Dirijamos as nossas forças e os nossos olhares para o que verdadeiramente conta e, assim, não deixarmos que este tempo seja só mais um, mas seja, isso sim, o tempo de uma tão grande esperança!

Emanuel António Dias

 

MEDITAR

Advento: Um brado de esperança

“Vigiai”, “estai despertos”, “ficai atentos”: são apelos que ressoarão no nosso interior durante a travessia do Advento. Para ver, é preciso não só ter os olhos abertos, mas também luz. Não se trata de contra-atacar o repentino e nefasto ataque de um ladrão. É preciso estar desperto para assumir a vida com uma consciência lúcida. Trata-se de viver intensamente, para que a vida não transcorra na esterilidade e no vazio.

O Advento é tempo para dispor-nos a algo surpreendente. O que estamos esperando é alucinante, imenso, fora do nosso tempo rotineiro. Intuímos que os nossos olhos foram criados para uma visão mais profunda, mais humana, mais plena; desejamos ser um pouco mais lúcidos, mais sensíveis, muito mais corajosos para descobrir a profundidade e a riqueza de tudo o que acontece ao nosso redor e dentro de nós.

Tudo na vida requer preparação, e toda a preparação exige empenho e mudança..., envolve uma espera.

Somos feitos disso: desejo, súplica, anseio, busca, esperança... No mais profundo de cada um brota um desejo que nos faz bradar ao Eterno, pedindo ajuda: “Vem, Senhor, vem salvar-nos! Vem sem demora dar-nos a paz!” Tudo aponta para o vazio infinito dentro de nós, ressoando uma certeza: Ele vem!

Para acolher Aquele que vem ao nosso encontro é preciso romper os espaços estreitos da nossa vida, alargar o coração, expandir os sentimentos...

Para além das imagens utilizadas, a intenção parece clara: é uma chamada a “despertar”, “a estar vigilantes”, “a estar preparados”...

Dentro do mal-estar social persistente que estamos a viver, há algo muito saudável: o nosso desejo de viver de uma maneira mais propositiva e menos deprimida, mais digna e menos superficial. O que precisamos é re-orientar a nossa vida. Não se trata de corrigir um aspeto ou outro de nossa pessoa. Agora o importante é ir ao essencial, encontrar a fonte de vida e salvação.

Não podemos deixar que o desespero e o desânimo destruam em nós o dinamismo e o desejo de continuar a caminhar dia-a-dia, cheios de vida; não podemos deixar que a esperança se vá diluindo em nós quase sempre de maneira silenciosa e impercetível; não podemos deixar que, sem nos dar conta, a nossa vida vá perdendo cor e intensidade; quando parece que tudo começa a ser pesado e cansativo, a verdadeira alegria vai desaparecendo do nosso coração e já não somos capazes de saborear o bom, o belo e o verdadeiro que há na nossa vida.

Apesar das sombras e sofrimentos causados pela violência social, política e religiosa que estamos a viver, o Advento vem “des-velar” (tirar o véu) e ativar os dinamismos de solidariedade, compaixão, gratuidade... presentes no coração de cada um. O bem e o amor em nós, são mais fortes que o mal e o ódio. O que de Deus há em nós é maior que nossa miséria e limites.

 

Adroaldo Palaoro (adaptado)

 

ADVENTO

"Advento, tempo de espera. Não apenas de um dia, mas daquilo que os dias, todos os dias, de forma silenciosa, transportam: a Vida, o mistério apaixonante da Vida que em Jesus de Nazaré principiou.

Advento, tempo de redescobrir a novidade escondida em palavras tão frágeis como "nascimento", "criança", "rebento".

Advento, tempo de preparar, mais do que consumir. Tempo de repartir a vida, mais do que distribuir embrulhos.

Advento, tempo de procura, de inconformismo, até de imaginação para que o amor, o bem, a beleza possam ser realidades e não apenas desejos para escrever num cartão.

Advento, tempo de dar tempo a coisas, talvez, esquecidas: acender uma vela; sorrir a um anjo; dizer o quanto precisamos dos outros, sem vergonha de parecermos piegas.

Advento, tempo de se perguntar: "há quantos anos, há quantos longos meses desisti de renascer?"

Advento, tempo de rezarmos à maneira de um regato que, em vez de correr, escorre limpidamente.

Advento, tempo de abrir janelas na noite do sofrimento, da solidão, das dificuldades e sentir-se prometido às estrelas, não ao escuro.

Advento, tempo para contemplar o infinito na história, o inesperado no rotineiro, o divino no humano, porque o rosto de um Homem nos devolveu o rosto de Deus."

Card. José Tolentino Mendonça

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

NO PRINCÍPIO ERA O SILÊNCIO

A palavra emerge do silêncio e devolve-nos ao silêncio. O silêncio, por sua vez, é o ventre da palavra; o silêncio faz nascer a palavra.

A palavra é a presença do nosso coração, é a doação, o presente do nosso coração.

A verdadeira palavra que emerge do silêncio da eternidade é sempre uma palavra que salva, liberta e deixa em liberdade. A palavra que brota do silêncio nunca se impõe, nunca atropela, nunca oprime.

A Palavra vale o que vale o coração, é uma revelação do coração, vale o que vale o silêncio de quem a proclama. No coração, há tudo o que é necessário para viver.

José Fernández Moratiel, in Desde el silencio


 

INFORMAÇÕES

.

 

FESTA DE SANTA BÁRBARA - MANADAS

TRÍDUO - 30 de novembro 1 e 2 de dezembro - Eucaristia às 19 horas.

                     Dia 3 de dezembro - Confissões entre as 18h e as 19 horas.

Visita do pároco aos doentes, sexta-feira, 2 de dezembro, a partir das 16h30.

 

Adoração do Santíssimo - sexta-feira, 2 de dezembro, entre as 18 e as 19 horas.

Confissões - sexta-feira, 2 de dezembro, entre as 18 e as 19 horas.

 

FESTA dia 4 de dezembro - Eucaristia  de  festa às  15 horas seguida de Procissão.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 1076

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 1087

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

“Não importa o quanto às vezes seja difícil, o quanto às vezes eu me atrapalhe, o quanto às vezes eu seja a densa nuvem que esconde o meu próprio sol, quantas vezes seja preciso recomeçar: combinei comigo não desistir de mim.

Quanto mais o tempo passa, mais amorosamente, mais contente, mais compassiva, eu cumpro esse trato.”

Ana Jácome

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas