Nº 1068

 

A VOCAÇÃO DA NOSSA VIDA

«Quando falamos em pecado entre cristãos devemos falar do que nos falta, não da falta em relação a uma norma, mas do que nos falta para cumprirmos a nossa vocação de nos tornarmos plenamente humanos. Falamos das maneiras em como ficamos em falta face aos apelos do amor. A palavra “pecado” (do original grego hamartia) significa errar o alvo. Pecar é errar o alvo da nossa humanização. O pecado mortal não é um ato isolado, mas uma maneira de viver que conduz à morte, ao ódio, ao egoísmo, à rejeição máxima dos apelos do amor. Uma progressiva habituação a desviar-se do amor. É uma opção gradual e cada vez mais forte contra o Amor e contra o Bem.

Deus não dá prémios que vêm de fora. A “recompensa” na linguagem bíblica é uma confirmação da ordem da fecundidade; significa que valeu a pena viver respondendo aos apelos do amor. Deus dá de graça a Sua Vida e a Sua Graça e dá sem medida, dá sem condições. Quando optamos no sentido do Amor, temos a certeza que seremos eternamente recompensados. Acreditamos que o Amor gera a sua confirmação. Acreditamos que Deus confirma o Amor, Deus confirma a Verdade. Quem se gastou pela lógica do Amor e da Verdade, sabe que Deus assina por baixo esta maneira de viver. Deus confirma o Bem, o Bom e o Belo.

Contudo, quem vive em desacordo com o caminho da Vida não põe Deus contra si. Ninguém consegue fazer de Deus seu inimigo. Mas quem vive em desacordo com o caminho da Vida, do Amor e do Bem, está a desviar-se tragicamente do alvo da sua felicidade e da sua plenitude, está a desviar-se da vocação humana. Rejeitar a proposta amorosa de Deus, a proposta de Vida de Jesus é muito perigoso, mas não é porque Deus se vinga ou castiga, é porque é escolher o caminho do fracasso. É perigoso rejeitar os apelos do amor e das bem-aventuranças, não porque Deus se vai vingar ou castigar, mas porque rejeitar isso é rejeitar o alvo da nossa vida, a vocação da nossa vida.»

Rui Santiago Cssr

 

MEDITAR

Cuidado com o invisível. Aí se refugia o eterno.

História de um homem rico, um mendigo e um "grande abismo" cavado entre as pessoas. O que escava o fosso e nos separa? Como ultrapassá-lo? História da qual emerge o princípio ético e moral decisivo: cuidar do humano contra o inumano.

Primeiro tempo: dois protagonistas que se cruzam e não se falam, um está vestido de chagas, o outro de púrpura; um vive como um nababo, numa casa luxuosa, o outro está doente, mora na rua, disputa algumas migalhas com os cães. É este o mundo que Deus sonhou para os seus filhos? Um Deus que nunca é mencionado na parábola, mas que está lá: não vive na luz, mas nas feridas de um homem pobre; não há lugar para ele dentro do palácio, porque Deus não está presente onde está ausente o coração.

Talvez o rico seja mesmo um devoto e ore: “Ó Deus, inclina o ouvido à minha súplica”, enquanto fica surdo ao lamento dos pobres. Desvia-se deles como se faz com uma poça de água. Aproximar-se, tocá-lo, nem pensar: o pobre é invisível para quem perdeu os olhos do coração. Quantos invisíveis nas nossas cidades, nos nossos países! Atenção aos invisível, aí se refugia o eterno.

O rico não prejudica Lázaro, não lhe faz mal. Faz ainda pior: não o faz existir, redu-lo a uma recusa, a um nada. Matou-o no seu coração. "O verdadeiro inimigo da fé é o narcisismo, não o ateísmo" (K. Doria). Para Narciso ninguém existe. Em vez disso, um samaritano que viajava deu por ele, teve pena, desceu do cavalo, curvou-se sobre aquele homem meio morto.

Ver, emocionar-se, descer, tocar, verbos muito humanos, os primeiros para que nossa terra seja habitada não pela ferocidade, mas pela ternura. Quem não acolhe o outro, na realidade isola-se, é a primeira vítima do “grande abismo”, da exclusão.

Segundo tempo: os pobres e os ricos morrem, e a parábola coloca-os nos antípodas, como já o eram na terra. «Peço-te, Pai Abraão, manda Lázaro com uma gota de água na ponta do dedo». Uma gota para atravessar o abismo.

O que te custa, Pai Abraão, um pequeno milagre! Uma palavra só para os meus cinco irmãos! Mas não, porque não é a volta de um morto que vai converter alguém, é a vida e os vivos.

Não são os milagres que mudam a nossa trajetória, nem as aparições ou os sinais, a terra já está cheia de milagres, cheia de profetas: Eles têm os profetas, escutem-nos; têm o Evangelho, ouçam-no!

Mais ainda: a terra está cheia de pobres Lázaros, escutem-nos, olhem para eles, toquem-nos. "O primeiro milagre é dar-se conta que o outro existe" (S. Weil). Não há acontecimento sobrenatural que valha o clamor dos pobres. Ou o seu silêncio.

O cuidado das criaturas é a única medida da eternidade.

Ermes Ronchi

 

 

NÃO PRECISAS DE CONVENCER DEUS A GOSTAR DE TI

«Estamos dispensados de pôr Deus a nosso favor. É sempre um Deus propício e capaz de perdoar, que não desiste de nós nem abdica de nos fazer bem. Não é possível descermos abaixo da misericórdia de Deus.

Não é possível impedir Deus de nos amar e nos querer bem. É possível, isso sim, impedir Deus de nos fazer bem, porque Deus não nos violenta. O Amor propõe-se, não se impõe. Não desiste, mas não arromba. O Amor de Deus está dado, definitivamente e a todos, na Páscoa de Jesus: "O Amor de Deus foi derramado nos nossos corações, pelo Espírito Santo que nos foi dado”, escreveu o Apóstolo Paulo na carta aos cristãos de Roma. A nossa tarefa é acolher.

Que a simplicidade e familiaridade da tua maneira de rezar se torne uma forma de acolheres a Sua Graça e o Seu Perdão, porque esse é que é o caminho da verdadeira conversão e do culto que Deus gosta. A maior alegria dos pais é que os filhos se deixem amar.»

CER - Os Princípios da Oração ou a Oração dos Princípios

 

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

É ali, bem lá ao fundo, onde o sol se esconde para dormir...

É ali, onde o mar parece acabar, mas não acaba, onde a luz se espalha ao comprido como se estivesse cansada de irradiar...

É ali, naquela linha, vês?

Ali o Céu e a Terra marcaram encontro e trocam segredos, daqueles que são mesmo segredo porque ninguém sabe, só eles...

Ali, ambos se unem no beijo mais longo e apaixonado que algum dia existiu...

Ali, naquela linha, os sonhos nascem e voam até encontrarem corações abertos que os possam acolher e transformar em realidade...

Ali, aquele lugar, chama-se horizonte e eu moro lá muitas vezes...

Eugénia Pereira


 

INFORMAÇÕES

 

VISITA AOS DOENTES

O Pároco da Ribeira Seca, irá visitar os doentes na quarta feira, dia 28 de setembro,  a partir das 10 horas.

 

FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO

RIBEIRA SECA

Tríduo - dias 28, 29 e 30 de setembro, missa às 18 horas.

Adoração do Santíssimo Sacramento - dia 30 de setembro - entre as 17 horas e as 18 horas.

Confissões - sexta-feira, 30 de setembro, das 17h00 às 18 horas.

Festa - dia 2 de outubro com Eucaristia às 11 horas e procissão às 18 horas.

 

FESTA DE SÃO MIGUEL ARCANJO

RIBEIRA D’AREIA

Tríduo - dias 29 e 30 de setembro, e 1 de outubro, missa às 19 horas.

Festa - dia 2 de outubro, Eucaristia às 15 horas.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 1068

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº1078

Pensamento da Semana

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas