Nº 1028

 

SANTO e FELIZ NATAL

São os Votos dos Padres:

 

Manuel António Santos

António Duarte Azevedo

Alexandre Medeiros

João Paulo Faria

 

Que este Natal possa ser “uma oportunidade de olharmos para o essencial, sem nos perdermos na correria das compras, na azáfama da mesa exagerada. Um Natal de silêncio e serenidade, de encontro mais íntimo e intenso com Aquele que nasceu e que tantas vezes é precisamente O que fica esquecido...

Neste Natal convidamos-vos a terem a coragem de olhar o Menino e de te deixares olhar por Ele”.

 

MEDITAR

Acreditar é outra coisa

Estamos a viver uns tempos em que cada vez mais o único modo de poder acreditar verdadeiramente vai ser, para muitos, aprender a acreditar de outra forma. Já o grande convertido John Henry Newman anunciou esta situação quando advertia que uma fé passiva, herdada e não repensada acabaria entre pessoas educadas em «indiferença», e entre pessoas simples em «superstição». É bom lembrar alguns aspetos essenciais da fé.

A fé é sempre uma experiência pessoal. Não basta acreditar no que os outros nos pregam sobre Deus. Cada um só acredita, em suma, no que realmente acredita no fundo do seu coração ante Deus, e não no que ouve dizer a outros. Para acreditar em Deus é necessário passar de uma fé passiva, infantil e herdada para uma fé mais responsável e pessoal. Esta é a primeira pergunta: acredito em Deus ou naqueles que me falam Dele?

Na fé, nem tudo é igual. Temos de saber diferenciar o que é essencial e o que é acessório, e, depois de vinte séculos, há muito de acessório no nosso cristianismo. A fé daquele que confia em Deus está para além das palavras, das discussões teológicas e das normas eclesiásticas. O que define um cristão não é ser virtuoso ou cumpridor, mas viver confiando num Deus próximo pelo que se sente amado sem condições. Esta pode ser a segunda questão: confio em Deus ou fico preso noutras questões secundárias?

Na fé, o importante não é afirmar que se acredita em Deus, mas sim saber em que Deus se acredita. Nada é mais decisivo do que a ideia que cada um faz de Deus. Se acredito num Deus autoritário e justiceiro, acabarei por tentar dominar e julgar todos. Se acredito num Deus que é amor e perdão, viverei amando e perdoando. Esta pode ser a pergunta: em que Deus acredito? Num Deus que responde às minhas ambições e interesses ou no Deus vivo revelado em Jesus?

A fé, por outro lado, não é uma espécie de «capital» que recebemos no batismo e de que podemos dispor para o resto das nossas vidas. A fé é uma atitude viva que nos mantém atentos a Deus, abertos todos os dias ao seu mistério de proximidade e amor por cada ser humano.

Maria é o melhor modelo desta fé viva e confiada. A mulher que sabe ouvir Deus no fundo do seu coração e vive aberta aos seus desígnios de salvação. A sua prima Isabel louva-a com estas palavras memoráveis: «Bem-aventurada és tu, porque acreditaste!» Feliz também és tu se aprenderes a acreditar. É o melhor que te pode acontecer na vida.

José António Pagola

 

A CASA DE DEUS ESTÁ ASSENTE NO CHÃO

Naquele dia, colocaram-No numa manjedoura, perto do chão.

Mas, desde então, a Sua morada passou a ser o nosso coração!

 

É por isso que o Natal é o dia que não tem fim. (...)

O silêncio de Deus, que gemeu em Belém,

continua a crepitar nos pobres também.

Quem não os ouve a eles, como pode ouvi-Lo, a Ele?

 

Aquele Menino é tão divino que até quis ser humano.

Aquele Menino é tão humano que só pode ser divino.

O Deus que está naquele Menino humaniza-Se e diviniza-nos.

Ele não nos retira humanidade. Pelo contrário, é a Sua divindade que deposita em nós humanidade.

 

O Menino está na rua, na minha história e também na tua.

Está no sofredor, naquele que estende a mão e mendiga amor.

Está no pobre, no que não tem pão.

Está em quantos vão penando na solidão.

 

O Seu tempo nunca é distante

pois a Sua presença é constante.

O Seu lugar não é só em Belém,

é na nossa vida também.

Ouçamos sempre a Sua voz.

E nunca deixemos de O acolher em cada um de nós.(...)

 

Deus veio ao mundo.

Veio em forma de criança.

Haverá quem fique indiferente a tanta esperança?

P. João António Pinheiro Teixeira

 

A Salvação de Deus não é um raio que nos cai em cima cheio de poder e estrondo, mas um Menino que nos vem parar ao colo.

Rui Santiago Cssr


 

INFORMAÇÕES

 VISITA AOS DOENTES

Portal - 3ª feira, 21 de dezembro, a partir das 10 horas.

Ribeira Seca - 4ª feira, 22 de dezembro, a partir das 10 horas.

 

Cortejo de Oferendas

Dia 25 de dezembro - Fajã dos Vimes.

Dia 26 de dezembro - Portal.

Dia 1 de janeiro - Biscoitos - Loural.

Dia 2 de janeiro - Manadas - Calheta - Urzelina - Ribeira Seca.

Dia 9 de janeiro - Ermida de Santo António.

 

CONFISSÕES

Norte Grande - quarta-feira, 22 de dezembro a partir das 18 horas.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 1028

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 1033

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 «Deus espera por nós em tudo o que encontramos. 

Não se trata de reentrar na esfera íntima e esquecer tudo o resto. 

O desafio é estar em si e experimentar com todos os sentidos a realidade daquilo e daquele que vem.

O desafio é atirar-se para os braços da vida e ouvir aí o bater do coração de Deus. 

Sem fugas. Sem idealizações. Os braços da vida como ela é.»

D. José Tolentino Mendonça

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas