Nº 1007

 Decálogo para as férias

Estamos no tempo teórico de férias, mas muitos, não poderão desfrutá-las.

Aqui ficam algumas reflexões para nos ajudar a viver estes dias.

1. Respeito pela natureza

Não a prejudiques, lançando lixo em todo o lado, destruindo a flora ou maltratando a fauna e os seus espaços vitais. Na praia, na montanha, no campo… descobre na natureza a primeira carta de amor que Deus te enviou.

2. Não te envergonhes de ser cristão

Sem necessidade de fazer propaganda disso, sê capaz de dar razão da tua fé e da tua esperança, se a ocasião se proporcionar.

3. Jesus não faz férias e quer acompanhar-te nas tuas

Por isso participa na Eucaristia do domingo, onde quer que estejas. Quando entrares numa igreja, não te limites a contemplar a sua beleza ou o seu património. Procura um momento de oração, de comunicação pessoal com Jesus.

4. As férias ou dias de festa são para toda a família

Dialoga, joga, brinca, passa bem o tempo com a família, sem pressas. Sobretudo, procura momentos para escutar e falar, dado que o ritmo habitual do quotidiano não proporciona muitas vezes oportunidade para isso.

5. Sê cauteloso com a vida dos outros

A vida é um grande dom de Deus. Evita os riscos desnecessários e sê prudente ao escolher atividades.

6. Valoriza a amizade

Tens uma boa ocasião para partilhar pensamentos, opiniões, gostos e distrações com outras pessoas não habituais. Estreita a amizade com os amigos, e se tiveres oportunidade faz novas amizades.

7. Recorda sempre que outros trabalham muito para que tu possas desfrutar

Essas pessoas também têm os seus direitos; respeita-os. E sê agradecido, porque um sorriso, um dizer «obrigado» com sinceridade é, muitas vezes, a melhor recompensa.

8. Descansa, mas deixa que outros também descansem

Pensa durante a noite que tu podes levantar-te tarde, mas outros fá-lo-ão muito cedo e têm direito ao seu descanso, para que possam trabalhar e servir melhor.

9. Não vale tudo

Durante o tempo livre, tempo de férias, não vale tudo. Recorda os teus compromissos, recorda a tua dignidade e a dignidade de toda a pessoa.

10. Vive a caridade e a solidariedade

Pensa em quem não tem férias, porque nem sequer tem o pão de cada dia. A caridade não faz férias.

Boas férias e boas viagens!

A partir de texto de D. Francesc Pardo

 

MEDITAR

Do pouco se faz muito, porque dar é viver

O próximo domingo é o do pão que transborda das mãos, das cestas, que parece nunca ter fim (João 6, 1-15). E enquanto o distribuíam, não faltava; e enquanto passava de mão em mão, ficava em cada mão.

Há um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixes… Um pão de cevada, o primeiro cereal a amadurecer; um rapaz, em quem amadurece um homem. Aquela primícia de humanidade compreendeu tudo, ninguém lhe pediu nada e ele coloca tudo à disposição. É esta a primeira centelha da resposta à fome da multidão.

Mas o que são cinco pães para cinco mil: um por mil. O Evangelho sublinha a desproporção entre o pouco de que se parte e a fome incontável. Desproporção, todavia, é também o nome da esperança, que tem razões que a razão não conhece. E o cristão não pode medir as suas opções apenas sobre o razoável, sobre o possível. Porque teremos de acreditar no Ressuscitado se estamos ligados ao possível?

A mesma desproporção sentimo-la perante os problemas imensos do nosso mundo. Eu só tenho cinco pães, e os pobres são legião. Porém, Jesus não faz caso da quantidade, bastaria menos, muito menos, uma migalha. E a loucura da generosidade. Mal lhe referem a poesia e a coragem daquele rapaz, sente desencadear dentro de si como uma mola: fazei-os sentar. Agora sim, é possível começar a enfrentar a fome.

Jesus toma os pães, e depois de ter dado graças, dá-os… João não menciona como acontece. Como acontecem certos milagres nunca o saberemos. Existem, e basta. Existem quando o que vence é a lei da generosidade: pouco pão partido com os outros é misteriosamente suficiente; o nosso pão conservado ciosamente para nós é o início da fome: «No mundo há pão suficiente para a fome de todos, mas insuficiente para a avidez de poucos» (Gandhi).

Tomou os pães, e depois de ter agradecido, deu-os. Três verbos abençoados: tomar, agradecer, dar. Jesus não é o dono do pão, recebe-o, atravessa-o, simples lugar de passagem. Quando nos consideramos os proprietários das coisas, profanamos-lhe a alma, estragamos o ar, a água, a terra, o pão. Nada é nosso, recebemos e doamos, somos atravessados por uma vida, que vem de antes de nós e continua para além de nós.

Dar graças: ao Pai e ao rapaz sem nome, ao solo e à chuva de outono, à mó e ao fogo, mãe e pai do pão. Tudo nos vem ao encontro, é vida que nos hospeda, dom que vem «de um divino labirinto de causas e efeitos» (M. Gualteri). Que faz da vida um sacramento de comunhão.

E deu-o. Porque a vida é como a respiração, que não se pode deter ou acumular; é como um maná que não dura para amanhã. Dar é viver.

 

Ermes Ronchi

 

Talvez o amor seja tudo o que importe

Talvez um abraço te seja casa. E o mundo fique mais bonito.

Talvez uma mão te abrace os sentidos. E o mundo fique mais bonito.

Talvez um olhar te olhe dentro da alma. E o mundo fique mais bonito.

Talvez um sorriso te cative o coração. E o mundo fique mais bonito.

Talvez um beijo te cure de tudo. E o mundo fique mais bonito.

Talvez um colo te mostre a forma do amor. E o mundo fique mais bonito.

Talvez um silêncio te conte o segredo da vida. E o mundo fique mais bonito.

Talvez uma cumplicidade te tire a respiração e te salve ao mesmo tempo. E o mundo fique mais bonito.

Talvez um coração te sinta de verdade. E o mundo fique mais bonito.

Talvez alguém te tatue para sempre o coração. E o mundo fique mais bonito.

Talvez o amor, um só segundo de amor. E o mundo fique mais bonito.

Talvez o amor importe.

Ou, deixa-me dizer-te, talvez o amor seja tudo o que importe.

E, assim e só assim, o mundo fique mais bonito.

 Daniela Barreira

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 Os orgulhosos ensinaram-me a humildade,

os impacientes a lentidão,

os perversos ensinaram-me a retidão e,

quanto aos raros que possuíam uma alma simples,

ensinaram-me a ler no seu coração os enigmas do universo visível e invisível, tão facilmente como um recém-nascido lê na face da sua mãe.

 

Christian Bobin, in Ressuscitar


 

INFORMAÇÕES

 FESTA DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM

PORTAL

Tríduo - Dias 28, 29 e 30 de julho - Missa às 20 horas.

              

Festa- Dia 1 de agosto - Missa às 10h30 - Procissão às 20 horas.

 

FESTA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES

NORTE GRANDE

Tríduo- Dias 28, 29 e 30 de julho - Missa às 20 horas

 

Festa- dia 1 de agosto

         - Missa de festa às 14 horas seguida de Procissão.

 

FESTA DE SANTA ANA - BEIRA

Dia 1 de agosto - Missa de festa às 18h00 seguida de  Procissão.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 1007

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº1078

Pensamento da Semana

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas