Nº 994

 

A Semana das Vocações

Na mensagem do Papa Francisco para o 58.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, somos interpelados a “sonhar a vocação, segundo os sonhos de Deus”. O Papa aponta para a vida e exemplo de São José.

 “Não sobressaía, não estava dotado de particulares carismas, não se apresentava especial… não era famoso, nem se fazia notar”, mas Deus vê o coração, como lugar a que mais nos devemos ocupar e tomar cuidado.

No Principezinho de Antoine de Saint Exupéry, vemos a sua relação com a sua amiga, a rosa. Depois de muito peregrinar e de muito ver, o nosso viajante acaba por perceber a importância verdadeiramente única da sua amiga. É com ela que está bem, é ela que o completa, é ela que é o necessário complemento seu. É para ela que tem de retornar, mesmo a custo do mais terrível preço. A certa altura entende: “foi o tempo que dedicaste à tua rosa que a tornou tão importante”. A rosa requer cuidado, proteção, paciência, muito tempo. É no tempo dedicado à tua “rosa” que descobres a tua missão. Mas se não te dedicares nunca a descobres.

O cuidado das vocações é lento e feito com muito amor e paciência, cheio de avanços e recuos, expectativas defraudadas e surpresas de Deus. Um caminho feito em silêncio, como chuva miudinha que vai fertilizando a terra, no meio de tempestades e reveses inauditos. No fundo, a obra é de Deus.

O Papa pede que os corações vocacionados sejam “abertos, capazes de grandes ímpetos, generosos na doação, compassivos para consolar as angústias e firmes para fortalecer as esperanças”. O coração tem de ser dedicado, generoso.

Francisco indica três palavras chave nesta história: o sonho, o serviço e a fidelidade. O sonho pode identificar-se com as aspirações de cada um, mas é essencialmente o amor. Foi por causa destes sonhos que José teve de alterar planos

Não é fácil escutar, discernir e decidir no meio de tantos afazeres, tantos ruídos externos, apelos e confusões internas. Significa seguir a vontade de Deus, “coragem para sair, dar-se e ir mais além”.

O serviço significa em José o nada reservar para si próprio. É o dom de si mesmo que faz amadurecer o caminho vocacional, não um simples e frio sacrifício.

Finalmente, pela fidelidade, José, homem justo, persevera na adesão a Deus e aos seus desígnios. Medita, pondera e tudo repassa com paciência. Finalmente Francisco convida a reavivar o “primeiro amor que nos fez decidir.

É essa fidelidade que gera alegria, na atmosfera simples e radiosa, sóbria e esperançosa, que deve permear os nossos seminários, institutos religiosos e residências paroquiais.

Hélder Miranda Alexandre (Adaptado)

 

MEDITAR

A NECESSIDADE DE UM GUIA

Para os primeiros crentes, Jesus não é apenas um pastor, mas o verdadeiro e autêntico pastor. O único líder capaz de guiar e dar vida verdadeira ao ser humano. Esta fé em Jesus como verdadeiro pastor e guia adquire uma nova relevância numa sociedade populosa como a nossa, onde as pessoas correm o risco de perder a própria identidade e serem surpreendidas por tantas vozes e reivindicações.

A publicidade e as redes sociais impõem ao indivíduo não apenas a roupa que vestir, a bebida para beber ou a música para ouvir. Hábitos, costumes, ideias, valores, estilo de vida e condutas que devemos adotar também nos são impostos.

Os resultados são palpáveis. Existem muitas vítimas desta "sociedade aranha". Pessoas que vivem "de acordo com a moda". Pessoas que já não agem por iniciativa própria. Homens e mulheres que procuram a sua pequena felicidade, esforçando-se para ter aqueles objetos, ideias e comportamentos que lhes são ditados de fora.

Expostos a tantos telefonemas e reclamações, corremos o risco de deixar de escutar a voz da própria interioridade. É triste ver pessoas que se esforçam para viver um estilo de vida “imposto” de fora, que simboliza para elas bem-estar e verdadeira felicidade.

Os cristãos acreditam que só Jesus pode ser o guia definitivo para o ser humano. Só com Ele podemos aprender a viver. Precisamente, o cristão é aquele que, a partir de Jesus, vai descobrindo dia a dia qual é a forma de vida mais humana.

Seguir Jesus como Bom Pastor é interiorizar as atitudes fundamentais que Ele viveu e esforçar-se por vivê-las hoje a partir da nossa originalidade, continuando a tarefa de construir o reino de Deus por ele iniciado.

Mas enquanto a meditação for substituída pela televisão, o silêncio interior pelo ruído e o seguimento da nossa própria consciência pela submissão cega à moda, dificilmente ouviremos a voz do Bom Pastor, que nos pode ajudar a viver numa “Sociedade de consumo” que consome os seus consumidores.

 José António Pagola

 

ESTILO, MEDIDA, PROJECTO

 

Amar ao jeito de Deus significa tornar-se capaz de uma entrega que ultrapassa a “distância de segurança” e a fronteira da autoproteção. Amar ao jeito de Deus é - foi Jesus que ensinou! - fazer da vida toda o gesto de Partir o Pão e de Brindar com o Vinho da Esperança: “Em verdade vos digo que não voltarei a beber do fruto da videira até que chegue o Reino de Deus” (Lc 22, 18) Amar ao jeito de Deus é querer bem a todos sem distinção.

Porque Deus nos sonha e nos cria à Sua Imagem e Semelhança, a nossa vida tem o dinamismo de uma Vocação. A Vocação é a de amarmos assim desta maneira, como somos amados. Deus é um Criador Bom e Leal, por isso cria a pessoa humana com esta capacidade maravilhosa de amar assim, e com este desejo vital de ser amada. Estamos feitos para querer bem aos outros e ajudá-los a ser felizes. Por isso é que, quando isto não funciona por algum motivo, nos sentimos tristes e deprimidos.

Ser cristão lança-nos um novo desafio, que nasce do privilégio enorme que é ter a possibilidade de conhecer Jesus. Este desafio/privilégio é amar como Jesus. Foi o único mandamento que nos deixou, e é o referencial para entrarmos no espírito de todo o Evangelho: “Amai-vos uns aos outros COMO EU vos amei” (Jo 15).

Deste mandamento nasce tudo o resto que houver a dizer e a fazer para pôr mãos à obra do Reino de Deus. Aquele “como eu” marca um estilo, uma medida e um projeto. 

Calmeiro Matias

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

O AMOR É SEMPRE UMA APOSTA PESSOAL

“Cada um tem uma vocação de amor particular. O amor não é uniforme, cada um o encarna à sua maneira, nas condições determinadas da sua vida pessoal. A vida não possui um sentido único, geral e válido para todo mundo. Não existe receita. O amor é sempre uma aposta pessoal” 

 

Soeur Emmanuelle


 

INFORMAÇÕES

ORAÇÃO DO TERÇO - CATEQUESE DA RIBEIRA SECA

A Catequese da Ribeira Seca convida as famílias dos catequizandos e toda a Comunidade a rezar o Terço em louvor de Nossa Senhora de Fátima nos domingos do mês de maio.

O Terço será rezado às 11h 30 na Igreja de São Tiago Maior, da Ribeira Seca.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 994

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 1075

Pensamento da Semana

 PENSAMENTO DA SEMANA

 

«Quando jovem eu pedia às pessoas 

mais do que elas me podiam dar: 

- uma amizade contínua,

- uma emoção permanente. 

Hoje sei pedir-lhes menos do que podem dar: 

- uma companhia sem palavras.

- e as suas emoções, 

- a sua amizade, 

Os seus gestos nobres mantêm a meus olhos 

o seu autêntico valor de milagre:

um absoluto resultado da graça».

 

Albert Camus 

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas