Nº 854

 

Santo António 

Fernando António de Bulhões nasceu 1195, em Lisboa, Portugal.

Aos 19 anos, tornou-se frade na Ordem de Santo Agostinho, no Convento de São Vicente de Fora, em Lisboa, indo posteriormente para o Convento de Santa Cruz, em Coimbra. Ingressou na Ordem dos Franciscanos, em 1222, tornando-se Frei António.

Morreu na cidade de Pádua, na Itália, em 1231.

A imagem de Santo António e os seus símbolos

1. O hábito  Na imagem de Santo António, o hábito representa sua pertença à Ordem Franciscana. O hábito é um símbolo de consagração a Deus e de humildade.

O hábito castanho simboliza a certeza da sua fé em Jesus Cristo e a sua morte para a vida mundana.

2. O livro é o símbolo mais antigo. Representa o Evangelho, a sabedoria do Santo e o facto de ele ser Doutor da Igreja. Representa, também, o pregador extraordinário que congregava multidões para o ouvir. Em atenção aos seus conhecimentos e sabedoria bíblica, o Papa Gregório IX chamava-o "Arca do Testamento".

3. O menino Jesus representa a intimidade de Santo António com Cristo. Ele é mostrado de três modos diferentes:

3.1. Sobre o livro. O Menino em cima da Bíblia significa que Santo António anunciava Jesus Cristo, o Verbo encarnado, com numerosas citações do Evangelho.

3.2. Ao colo de Santo António. Representa a extraordinária intimidade do santo com Jesus. Em algumas representações o menino acaricia-lhe o rosto. O caráter sublime da pregação de santo António vem da sua intimidade com Jesus na oração profunda e na Eucaristia. Daí vinha toda a sabedoria e os dons que se manifestavam em Santo António.

3.3. Mostrado ao santo pela Virgem Maria. Revela a devoção de Santo António para com a virgem Maria. Nesta representação, Santo António aparece em estado de profunda adoração a Jesus.

4. O lírio na imagem de Santo António representa sua castidade e pureza de coração. Simboliza também a estação do ano na qual o santo morreu, o verão no hemisfério norte.

5. O pão na imagem de Santo António também é comum. Representa um dos seus vários milagres feitos em vida. Em algumas obras vimos o santo a distribuir o "pão dos pobres".

6. O Terço na imagem de Santo António representa a sua entrega e devoção à Mãe de Deus. Santo António começou por ser representado com o Terço à cintura, no século xvi, para mostrar que ele era homem de oração. 7. O cordão faz parte do hábito franciscano. É um cinto de corda que contém três nós, que representam os votos perpétuos de castidade, pobreza e obediência.

iMissio (Adaptado)

 

X DOMINGO COMUM

A liturgia do 11º Domingo do Tempo Comum convida-nos a olhar para a vida e para o mundo com confiança e esperança. Deus, fiel ao seu plano de salvação, continua, hoje como sempre, a conduzir a história humana para uma meta de vida plena e de felicidade sem fim.

Na primeira leitura, o profeta Ezequiel assegura ao Povo de Deus, exilado na Babilónia, que Deus não esqueceu a Aliança, nem as promessas que fez no passado. Apesar das vicissitudes, dos desastres e das crises que as voltas da história comportam, Israel deve continuar a confiar nesse Deus que é fiel e que não desistirá nunca de oferecer ao seu Povo um futuro de tranquilidade, de justiça e de paz sem fim.

O Evangelho apresenta uma catequese sobre o Reino de Deus – essa realidade nova que Jesus veio anunciar e propor. Trata-se de um projeto que, avaliado à luz da lógica humana, pode parecer condenado ao fracasso; mas ele encerra em si o dinamismo de Deus e acabará por chegar a todo o mundo e a todos os corações. Sem alarde, sem pressa, sem publicidade, a semente lançada por Jesus fará com que esta realidade velha que conhecemos vá, aos poucos, dando lugar ao novo céu e à nova terra que Deus quer oferecer a todos.

A segunda leitura recorda-nos que a vida nesta terra, marcada pela finitude e pela transitoriedade, deve ser vivida como uma peregrinação ao encontro de Deus, da vida definitiva. O cristão deve estar consciente de que o Reino de Deus (de que fala o Evangelho de hoje), embora já presente na nossa atual caminhada pela história, só atingirá a sua plena maturação no final dos tempos, quando todos os homens e mulheres se sentarem à mesa de Deus e receberem de Deus a vida que não acaba. É para aí que devemos tender, é essa a visão que deve animar a nossa caminhada.

Dehonianos

.

 

MEDITAR

Carta a Santo António

Meu Padre Santo António, meu Padrinho:
Faz que floresçam no papel
Versos meus em louvor do ninho de carinho
Com que me abriga o teu burel.
Sabes bem quem eu sou: nasci no Minho,
Chamo-me António Manuel.

Há setenta e três anos que abençoa
O corpo e alma frágeis do afilhado
A tua mão tão generosa e boa.
E tenho-te traído! E amado
Menos do que mereces! Meu Padrinho, perdoa.
Posso ser perdoado?

Meu coração repeso escreve agora
Os versos em que lembro o coração amigo
Que me tem protegido vida fora,
Que me tem salvo das ciladas e do perigo.
Para dizer-tos (sei que nem sequer demora),
Quero estar
, contigo.

Quero estar , frente a frente,
De olhos baixos. Mas tu a vigiar-me o voo.
E ao escutares-me o verbo, arrependido e crente,
Na tua língua, a língua em que me sou.
Afastando uma nuvem, dizes-me sorridente:
- Vem!
E eu vou.

António Manuel Couto Viana (1923-2010)

 

CONTO (655)

 

TUDO DE GRAÇA

O filho estava sentado em frente da TV, quando a mãe o chamou para fazer as obrigações de casa… O filho, já cansado de tanta insistência, fez tudo sem reclamar, mas no final, fez um tipo de recibo com preços:

Por lavar a louça: 8€;

Por enxugar a mesma: 10€;

Por passear o cão: 4€;

Por cuidar do meu irmão: 15€;

Total: 37€.

No outro dia, quando todos foram almoçar, o filho viu que debaixo do seu prato havia 37€. Estava ainda um outro bilhete, que dizia:

Por te carregar na barriga nove meses: NADA

Por  te ter numa dor infernal: NADA;

Por te amamentar: NADA.

Por te carregar ao colo: NADA.

Por ter dado amor, carinho e compreensão: NADA.

Por esconder a tua nota de matemática para te livrar da repreensão do teu pai: NADA.

Por te ajudar nos TPC: NADA.

Por fazer a comida que comes todos o dia: NADA.

Por pagar os teus caprichos no centro comercial e outros lugares: NADA.

Toatl: NADA.

Olhando para a mãe, o filho descobriu-lhe uma lágrima a rolar pelo rosto. Pegou no dinheiro  e devolveu-lho, dizendo:

- Amo-te!

 

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

QUE SEJAS TU MESMO...

Que o caminho te seja suave e que o vento sopre brando e que leve aquilo que não te serve.

Que os teus passos se orientem pelo farol da tua vontade e que os teus pés nunca pisem ninguém.

Que os teus olhos se virem para o bem e nunca ceguem para a beleza do mundo.
Que nenhuma culpa te pese nem nenhum sonho se lembre de ficar por sonhar e que nenhuma palavra de raiva ou despeito tenha poder sobre ti.

Que a música, seja riso ou som de água, nunca deixe de fluir e que nunca os teus braços deixem de ser ninho ou berço.

Que o teu amor construa pontes e faça jorrar as fontes e toda a paz do mundo venha florir à entrada da tua casa.

Que nenhum gesto cortante ou pedra atirada possam ferir-te e que de tudo o que sofreres não nasça amargura nem outra vingança que não seja a de viver com fúria até ao fim.

Que nada, nem beijos sequer ou auroras de orvalho ou poentes dourados, que nada te mate a sede de seres aquilo que a pessoa que és quiser.

in lado.a.lado

 

 


 

INFORMAÇÕES

 

FESTA DO CRUZEIRO  NA CALHETA

Haverá preparação nos dias 20, 21 e 22 de junho às 19 horas, com missa.

A festa será no dia 25 de junho, com missa às 20 horas seguida de procissão ao Cruzeiro

 

PREPARAÇÃO PARA AS FESTAS DA 1ª COMUNHÃO E PROFISSÃO DE FÉ

A preparação para as festas da 1ª Comunhão e Profissão de Fé que se realizam no próximo domingo,  dia 24 de junho, na Calheta, será nos dias 21 e 22 pelas 18 horas. Os pais que quiserem acompanhar os seus filhos durante as preparações podem fazê-lo.

 

FESTAS DE SÃO JOÃO

Velas - dia 23 de junho, às 20h30 procissão da Igreja Matriz  para a Ermida onde haverá missa campal.

Fajã do Ouvidor - dia 23 de junho, com missa às 11horas seguida de procissão

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 854

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 1033

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 «Deus espera por nós em tudo o que encontramos. 

Não se trata de reentrar na esfera íntima e esquecer tudo o resto. 

O desafio é estar em si e experimentar com todos os sentidos a realidade daquilo e daquele que vem.

O desafio é atirar-se para os braços da vida e ouvir aí o bater do coração de Deus. 

Sem fugas. Sem idealizações. Os braços da vida como ela é.»

D. José Tolentino Mendonça

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas