nº 848

 Ser mãe é aceitar. Tudo.

 

Longe da nossa mãe, não serão tanto as carícias e ternuras que nos fazem falta, mas a sua generosa e bondosa forma de nos aceitar assim, tal como somos...

 Ser mãe é receber em si um outro que lhe vem de fora e acolhê-lo em vista de um futuro que pressente mas que, de maneira nenhuma, sabe explicar. Ser mãe é, antes de mais, aceitar. Tudo. Tudo.

É aceitar em si um outro para o qual ela se torna o mundo: gerando-o, alimentando-o, comendo, bebendo e respirando com ele... ele dentro de si, ela em volta dele.

Ser mãe é acolher o que o outro lhe dá. Ser é mãe é dar-se como alimento, transformando-se na vida daquele a quem se dá para depois... voltar depois ao mundo, gasta, apenas com o que lhe sobra.

Ser mãe é dar-se. Aceitando sempre qualquer resultado e resposta.

Uma mãe, mais do que dar um filho ao mundo, deve dar um mundo ao filho. Um melhor que este, cheio de esperança e sonhos, com formas e forças para o concretizar. Dando-se. Abdicando de si. Amando da forma mais sublime e real, pura e concreta. Humana e divina. Acolhendo como sua esta obrigação absoluta de amar quem nem sempre se dá conta do seu valor.

É experimentar uma vida em que a alegria se conjuga com a tristeza, a graça com a desgraça, a esperança com o desespero. Como se as emoções tivessem uma amplitude gigantesca mas onde, ainda assim, importa garantir que todas as tempestades interiores não se vêem do exterior... uma mãe dá a paz que tantas vezes não tem.

Talvez a família seja uma casa com paredes duplas. A mãe é a parede interior que inspira e orienta a interioridade. O pai é a parede exterior que protege e garante a sobrevivência... no entanto, perante a falta do outro, uma mãe é capaz de quase tudo; um pai, também.

Uma boa mãe é um mistério com três dons: a simplicidade, a presença e o silêncio.

Está sempre presente, quase sempre atenta e em silêncio, e é a partir daí que nos chegam as mais sábias perguntas e respostas. De forma simples: ama-nos.

Nenhuma mãe tem em si todas as qualidades humanas e, menos ainda, viva sem erros, mas, apesar de tudo, abraça os filhos tal como são, por poucas qualidades que tenham, por maiores que sejam os seus erros... ser mãe, assim, é quanto basta para ser perfeito.

Uma mãe perdoa sempre. Ainda que de coração sacrificado, prefere pensar que a culpa é sua e não de quem assim a crucifica. Aceita tudo. Sem exigir nada. Afinal, uma mãe é Deus connosco.

Ensina-nos a ser mais fortes que os medos, não através discursos inspirados, mas pela grandeza e humildade do seu exemplo. É capaz de nos oferecer o mar com um só sorriso e a vida inteira com uma só lágrima... que não será mais que uma gota do imenso mar do seu amor.

Longe da nossa mãe, não serão tanto as carícias e ternuras que nos fazem falta, mas a sua generosa e bondosa forma de nos aceitar assim, tal como somos...

Uma mãe vê-nos a alma só de nos admirar o olhar.

Ser mãe é viver em pleno entre dois corações. É ser mais... por ser menos.

José Luís Nunes Martins (adaptado)

 

VI DOMINGO DE PÁSCOA

Tal pai, tal filho

Um miúdo foi ao barbeiro e, ao ser interrogado como queria que lhe cortassem o cabelo, respondeu prontamente:

– Careca, como o meu pai.

E todos os presentes disseram em coro:

– Tal pai tal filho…

Este garoto revia-se no pai e não tinha dificuldade em fazer dele o seu melhor amigo e o modelo a imitar.

Quem ama, copia os gestos da pessoa amada, assume os seus critérios de vida, imita-lhe as expressões. O amor leva sempre à identificação com o outro. Cada um é aquilo que ama. Se ama a terra será terra também, mas se ama a Deus torna-se divino. É por isso que Jesus Cristo diz no Evangelho de hoje:

– Assim como o Pai Me amou, também Eu vos amei…É este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei.

Em primeiro lugar Ele assume a dinâmico do amor do Pai, identificando-se com Ele. Depois convida os seus discípulos a fazerem o mesmo.

Segundo a nossa lógica humana, Jesus devia dizer: Eu amei-vos, agora deveis amar-Me na mesma medida. Mas a lógica de Deus é diferente: eu amei-vos, agora fazei o mesmo aos outros. Só assim provareis que me tendes amor, se vos amardes tal como vos amei.

Pe. José David Quintal Vieira, scj

 

MEDITAR

Hino ao Senhor Santo Cristo dos Milagres

O Hino do Santo Cristo foi composto, nos anos setenta do século XIX, pelo músico Candeias, da Banda Militar de Ponta Delgada.

“Glória a Cristo, Jesus, glória eterna,
Nosso Rei, nossa firme esperança,
Soberano que os mundos governa
E as nações recebem por herança.
Com o manto e o cetro irrisório,
Sois de espinhos cruéis coroado,
Rei da dor, uma vez, no Pretório,
Rei de amor, para sempre adorado.

Combatendo, por vossa Bandeira
Que, no peito, trazemos erguida,
Alcançamos a paz verdadeira
E a vitória nas lutas da vida.

Só a vós, com inteira obediência
Serviremos com firme vontade,
Porque em Vós há justiça e clemência
Porque em Vós resplandece a verdade.

Concedei-nos, por graça divina,
Que sejamos um povo de eleitos,
Firmes crentes na Vossa doutrina,
Cumpridores dos Vossos preceitos”.

 

CONTO (649)

 

AS MÃES E SEUS FILHOS

Um dia, três mulheres foram ao poço buscar água.

Junto ao poço, um velho sábio escutava o que as mulheres diziam.

Uma delas disse:

- O meu filho é o mais ágil e rápido de todos os alunos da escola. Com toda a certeza que ele será um grande atleta e desportista quando for grande. Vai ganhar muitas medalhas e dinheiro. Vai ser rico como desportista.

Outra mãe disse:

- O meu filho tem a voz mais melodiosa de todos os alunos da escola. Com certeza será um grande cantor quando for grande. Vai gravar muitos discos, vai ganhar muito dinheiro e será muito rico.

Por fim, a última mulher disse baixinho:

- O meu filho não faz nada de especial.

Depois destas conversas, as três mulheres, pegaram cada uma nos seus pesados baldes para regressarem a casa. Nesse momento, vieram ao seu encontro a correr os três filhos.

O primeiro fazia piruetas uma atrás das outras. O segundo cantava como um rouxinol. O terceiro pegou no balde pesado de sua mãe e levou-o para casa.

Neste momento a primeira mulher reparou no velho sábio e perguntou-lhe:

- Velho sábio, o que achou dos nossos filhos?

O velho sábio respondeu:

- Eu só vi um filho.

Autor desconhecido

 

O QUE É «SER BOM»?

O que é? Oh! Reparai numa mãe. O seu filho está a sofrer? Neste caso, ela não tem mais descanso; durante o dia, durante a noite, ela vai, ela luta, ela quer fazer tudo, até morrer ela própria, se for necessário, feliz até por morrer para que ele não sofra mais. Uma verdadeira mãe, isso é a bondade. Então, para sermos bons, lutemos por chegarmos a ser cada um como se fôssemos a mãe de todos os seres humanos que vivem nesta aldeia, na aldeia inteira da terra inteira.

Abbé Pierre


 

INFORMAÇÕES

 

FESTAS DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

 

FAJÃ DA RIBEIRA D’AREIA

Dia 13 de maio - Missa às 15 horas seguida de procissão.

 

 

VELAS

Dia 13 de maio  procissão de velas às 21h00 com saída

 da Ermida de Nª Senhora do Livramento  para a Igreja Matriz de São Jorge.

 

 

PEREGRINAÇÕES A FÁTIMA

Para crianças - de 8 a 11 de junho 190,00€.

Para doentes - de 9 a 14 de agosto 295,00€.

Nacional - de 13 a 19 de julho 590,00€.

Quem quiser participar em alguma desta Peregrinações deve contactar o seu pároco.

 

AUTORIDADE TRIBUTÁRIA e ADUANEIRA

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai proceder à eliminação de todos os prédios Rústicos e Urbanos identificados nas respetivas matrizes prediais  por verbete. Solicita-se assim a todos os contribuintes que consultem a relação de prédios e seus proprietários afixada nas Juntas de Freguesia e Casas do Povo.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: nº 848

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

nº 1015

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

Educar é produzir um homem feliz e sábio. Educar é produzir um homem que ama o espetáculo da vida. Desse amor, emana a fonte da inteligência. Educar é produzir uma sinfonia em que rimam dois mundos: o das ideias e o das emoções.

 

Há dois tipos de educação: a que informa e a que forma. A educação que informa ensina o homem a conhecer o mundo em que habita; a educação que forma vai além, ensina-o também a conhecer o mundo que ele é.

Augusto Cury

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas