Nº 830

PERGUNTAS DE ANO NOVO

 

Começa um «ano novo». Como será? Que espero eu do novo ano? Que desejo de verdade? O que é que eu necessito? A que dedicarei o meu tempo mais precioso e importante? Que seria para mim algo realmente novo e bom neste ano que hoje começa?

Viverei de qualquer maneira, passando de uma ocupação a outra, sem saber exatamente o que quero nem para que vivo, ou aprenderei a distinguir o importante e essencial daquilo que é secundário?

Viverei de forma rotineira e aborrecida, ou aprenderei a viver com espírito mais criativo?

Seguirei este ano afastando-me um pouco mais de Deus ou começarei a procurá-Lo com mais confiança e sinceridade?

Seguirei um ano mais mudo ante Ele, sem abrir os meus lábios nem o meu coração, ou brotará por fim da minha alma maltratada uma invocação pequena, humilde mas sincera?

Viverei também este ano preocupado só com o meu bem-estar ou saberei preocupar-me alguma vez em fazer felizes os outros?

De que pessoas me aproximarei?

Semearei nelas alegria, ou contagiarei desalento e tristeza?

Por onde eu passe, será a vida mais suave e menos dura?

Será um ano mais, dedicado a fazer coisas e mais coisas, acumulando egoísmo, tensão e nervosismo ou terei tempo para o silêncio, o descanso, a oração e o encontro com Deus?

Irei fechar-me apenas com os meus problemas ou viverei procurando fazer um mundo mais humano e habitável?

Seguirei com indiferença as notícias que dia a dia me chegaram desde os países da fome?

Contemplarei impassível, os corpos destroçados das pessoas do Iraque ou os afogados das barcas?

Continuarei a olhar com frialdade aos que veem até nós procurando trabalho e pão?

Quando aprenderei a olhar os que sofrem com coração responsável e solidário?

O «novo» deste ano não nos chegará de fora. A novidade só pode brotar do nosso interior. Este ano será novo se aprendo a acreditar de forma nova e mais confiada, se encontro gestos novos e mais amáveis para conviver com os meus, se desperto no meu coração uma compaixão nova para com os que sofrem.

José António Pagola

 

 

SAGRADA FAMÍLIA

A liturgia deste domingo propõe-nos a família de Jesus como exemplo e modelo das nossas comunidades familiares… Como a família de Jesus – diz-nos a liturgia deste dia – as nossas famílias devem viver numa atenção constante aos desafios de Deus e às necessidades dos irmãos. O Evangelho põe-nos diante da Sagrada Família de Nazaré apresentando Jesus no Templo de Jerusalém. A cena mostra uma família que escuta a Palavra de Deus, que procura concretizá-la na vida e que consagra a Deus a vida dos seus membros. Nas figuras de Ana e Simeão, Lucas propõe-nos também o exemplo de dois anciãos de olhos postos no futuro, capazes de perceber os sinais de Deus e de testemunhar a presença libertadora de Deus no meio dos homens. A segunda leitura sublinha a dimensão do amor que deve brotar dos gestos dos que vivem “em Cristo” e aceitaram ser “Homem Novo”. Esse amor deve atingir, de forma muito especial, todos os que connosco partilham o espaço familiar e deve traduzir-se em determinadas atitudes de compreensão, de bondade, de respeito, de partilha, de serviço A primeira leitura apresenta, de forma muito prática, algumas atitudes que os filhos devem ter para com os pais… É uma forma de concretizar esse amor de que fala a segunda leitura.

Dehonianos

 

MEDITAR

 

365 dias por estrear

 

O mundo gira e volta a girar:

Mas por detrás de tudo isto, está a sabedoria do nosso Deus.

O sol nasce e põe-se,

As águas dos rios e riachos correm para o mar,

As aves fazem o seu ninho em cada primavera,

As árvores despem-se em cada outono na humildade de quem é chamado a uma renovação,

Caem as chuvas, as neves e sopram os ventos no inverno:

Mas por detrás de tudo isto, está a sabedoria do nosso Deus.

Acordamos em cada manhã e a vida segue a sua rotina habitual,

Somos surpreendidos pela morte e pela vida, pela alegria e pela tristeza,

Pela labuta diária de quem procura um sentido para a vida,

E quer crescer com um coração agradecido por tudo aquilo que ela dá:

Mas por detrás de tudo isto, está a sabedoria do nosso Deus.

Não rodamos ao ritmo do tempo do relógio, das horas, dos dias, dos meses e dos anos,

Mas rodamos ao ritmo do sentido que a vida nos trás. Do sabor que ela nos dá.

E ainda, por detrás de tudo isto, está a sabedoria do nosso Deus.

 

Chegados quase ao fim de um ciclo cronológico,

E é-nos oferecida a possibilidade de estrear, de novo, 365 dias.

Que faremos com a nossa vida em 2018? Ou, o que 2018 fará com a nossa vida?

O que quer que seja, nos projetos que definimos e sonhamos, saibamos que

Por detrás de tudo isto, está a sabedoria do nosso Deus.

Uma sabedoria que renova todas as coisas,

Que torna possível termos princípios nos nossos fins.

E só por isso se entende que em cada ano nos seja oferecida esta possibilidade

De estrear cada dia.

Com a sabedoria do nosso Deus presente em cada ciclo,

Que faz girar o mundo e a nossa vida também.

Cristina Duarte

CONTO

O QUARTO REI

Era uma vez três reis Magos que se chamavam Gaspar, Melchior e Baltazar. Vieram do Oriente para adorar o Menino Jesus e  oferecer-lhe presentes.

Conta-se, porém, que havia um quarto rei mago que não quis seguir a estrela com os outros três, preferindo caminhar por sua conta. Por isso, perdeu-se várias vezes no caminho e viajou durante trinta e três anos, com muitas peripécias à mistura.

Encontrou uma família muito pobre, sem pão para comer. Vendeu o presente que levava para oferecer ao Menino, e com o dinheiro sustentou essa família. Só depois seguiu o seu caminho.

Encontrou um camponês já idoso a trabalhar sozinho no campo. Vendo-o tão cansado, teve compaixão dele e ajudou-o no seu trabalho. Só depois seguiu o seu caminho.

Só passados trinta e três anos, ele viu a estrela. Ficou feliz pois tinha chegado até junto do Salvador. Reparou, contudo, que não estava em Belém, onde Jesus nasceu, mas em Jerusalém. Era uma sexta-feira. Viu que levavam um homem com uma cruz às costas para ser crucificado. As trevas cobriam a terra e a estrela brilhava na escuridão a indicar onde estava Jesus.

Jesus estava de facto ali. Olhou com ternura para o quarto rei mago. Este aproximou-se dele e ajudou-O a levar a cruz.

Uns dizem que esse que ajudou a levar a cruz se chamava Simão de Cirene. Mas a lenda diz que era um quarto rei mago.

 

Começar, estamos sempre a começar. Temos um Ano Novo pela frente, mas começar de novo não é começar outra vez, não é repetir alguma coisa, é começar de outro modo, com novidade. E o primeiro gesto devia ser o de agradecer esta imensa oportunidade.

Este ano será aquilo que fizermos dele: se cultivarmos uma atitude de egoísmo e individualismo, será assim; mas se nos comprometermos com a construção da paz e da justiça no mundo, então teremos um bom Ano Novo.

Não esqueçamos ao longo do ano que começa hoje que há uma imensa sabedoria em viver cada dia como se fosse o primeiro e há imensa felicidade em viver cada dia como se fosse o último. As duas coisas são possíveis ao mesmo tempo.

Vasco Pinto de Magalhães

 


INFORMAÇÕES

 

ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO

Manadas - quinta-feira, 4 de janeiro, das 16 às 17 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

Ribeira Seca - sexta-feira, 5 de janeiro, das 17 às 18 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

Er.da de Santo António - sábado, 6 de janeiro, das 16h00 às 17h00, seguindo-se a celebrarão da Eucaristia.

 

CURSO PARA CATEQUISTAS

De 15 a  19 de janeiro vamos realizar um Curso de Iniciação para Catequistas. Nos dias 15 e 16 será no Salão Paroquial de Boa-Hora e nos dias 17, 18 e 19 será na Cáritas de Santa Catarina, na Rua Nova, Calheta. Este Curso vai ser ministrado pela Irmã Isilda Soares e pelo Pe. Dr. Dinis Silveira e será sempre às 19:30 horas.

Para sabermos quantos vão participar e prepararmos os materiais é necessário cada um inscrever-se. As fichas de inscrição estão com os párocos.

 

CURSOS DE CRISTANDADE

Ficou marcada Ultreia para o dia 12 de Janeiro de 2018, pelas 20:00 horas, na Sede da Cáritas, Rua Nova, Calheta.

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 830

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 868

Pensamento da Semana

 PENSAMENTO DA SEMANA

 

Deus talvez goste mais de habitar na paixão do coração do que nas certezas da razão.

Tomás Halík

 

 

Vai chegar o tempo, e não vai demorar muito, que nós teremos 
especial predileção pelos que 
preferirão a discrição, o silêncio, 
o anonimato.

Pe. Fábio de Melo

 

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas