Nº 824

 

Com o coração nos pés!
Falta-me o que nunca tive e tenho saudades do que nunca foi meu.
Trago tesouros poisados dentro do peito mas não consigo pousar em lugar algum.
A minha cabeça desenha castelos e árvores gordas mas o meu coração não tem casa nem sombra para sossegar.
A minha voz apregoa lutas e mudanças mas a minha vida secou de novidades e de garra.
As minhas palavras são fortes e velozes mas os meus braços estão caídos e pendurados em tudo o que podia ter sido e não fui.
Falta-me a calma do céu azul e o atrevimento que tem a boca de uma tempestade.
Trago memórias de lugares onde não sei se fui e de pessoas que não sei se conheci.
A minha vontade traça caminhos perfeitos e os meus pés tropeçam nas minhas próprias falhas.
A minha vida quer apregoar bondades mas, muitas vezes, apregoa sustos e distâncias.
As minhas coragens querem passar-me à frente e tomar conta do meu futuro mas eu prefiro as cobardias velhas.
Falta-me cortar os males pela raiz e pisar as sementes que já não vão dar fruto.
Falta-me calçar os sapatos à alma e pô-la a caminho. Falta-me dizer que quem manda sou eu. Que quem leva o leme sou eu. Falta-me apertar os atacadores dos meus dias com a força de quem marca, sem ferir. Falta-me a pressa de chegar ao meu lugar. Falta-me a inconsciência de quem não quer saber o que vem a seguir.
E sabes o que também me falta?!
Falta-me agradecer o que já é meu. O que sempre tive e nunca me foi tirado. O que recebi sem ter dado. O que ganhei sem qualquer esforço. Falta-me dar graças pelas vezes em que a vida bateu certo sem me pedir nada em troca. Pelos dias em que ousei despedir-me do que era velho e (já) não era meu para começar outra vez.
Falta-me ter vergonha das vezes em que não soube olhar para as bênçãos que o Céu me dá para colecionar.
Falta-me levantar a cabeça e deixar de ter o coração nas mãos a cada passo. A cada dia. Falta-me dividir o coração ao meio e colocar uma metade em cada pé. Para que o meu coração ande comigo para onde eu for.
Marta Arrais
 
XXXIII DOMINGO DO TEMPO COMUM
Amar o que se faz
Numa reflexão sobre a Parábola dos Talentos, pedi que me identificassem as suas personagens indicando o que cada uma tinha e com que ficou fazendo as contas aritméticas.

 

Eis uma resposta:

 

3 x 2 = 6 + 1 = 7

 

2 x 2 = 4

 

1 x 0 = 0

 

Perguntei então qual o valor do coeficiente ou multiplicando.

 

– É a quantidade do amor – respondeu um miúdo – Duas pessoas tinham amor de grau dois, a outra não tinha amor e por isso ficou sem nada. Sem amor nada se consegue.

 

De facto há duas maneiras de fazer as coisas: por obrigação, e então são cansativas, aborrecidas e maçadoras e por amor, e então são suaves, alegres e fecundantes. Um estudante que trabalha naquilo que tem vocação torna-se criativo e produtivo. Um profissional que tem o seu trabalho no coração realiza-se e cria um mundo novo. Fazer as coisas com temor e por obrigação, por muito que alguém se esforce, será sempre um peso doloroso e estéril. O importante é amar o que se faz quando não se pode fazer o que se ama. Só assim desaparece o esforço e surge a alegria. Pelo contrário, quando algo nos custa demasiado não é por ser difícil, o que nos falta é essa força interior que é o amor. Tarefa que não redunda em prazer é porque é feita por obrigação.

 

Pe. José David Quintal Vieira, scj
 
MEDITAR
 
ORAÇÃO PELOS SEMINÁRIOS
 
Senhor Jesus,

 

pela Tua bondade e misericórdia,

 

eis-me diante de Ti.

 

 

 

Quero pedir-Te pelas escolas,

 

por onde passam os nossos adolescentes e jovens,

 

potenciais candidatos ao seminário.

 

 

 

Que as nossas escolas, a todos os níveis,

 

sejam espaços humanos onde uma sã convivência

 

possa proporcionar aos formandos uma formação completa.

 

 

 

Que as nossas escolas sejam comunidades humanas onde 

 

o respeito, a tolerância, o amor à verdade, o bem comum,

 

o sentido do outro, a defesa e promoção dos mais desfavorecidos, sejam valores a propor continuamente à vivência de toda a comunidade escolar.

 

 

 

Que cada um seja respeitado nas suas opções religiosas e

 

possa livremente, sem discriminações nem recriminações, expressar os sues princípios religiosos.

 

 

 

Senhor, que todas as escolas, nos vários níveis de formação possam contribuir para a descoberta da dimensão espiritual dos nossos adolescentes e jovens.

 

José Granja

 

 
CONTO (673)
 
O CÃO SÁBIO
Certo dia um cão sábio passou por um grupo de gatos.
E vendo que os gatos pareciam preocupados, falando entre si, e nem sequer caíam na conta da sua presença, parou para ouvir o que diziam.
Precisamente nesse momento levantou-se um gato grande, grave e sisudo que, dirigindo-se aos companheiros, disse:
- Meus irmãos, rezai, porque se rezardes muitas vezes, por certo choverão ratazanas do céu.
Ao ouvir estas palavras, o cão riu-se para os seus botões e seguindo caminho, disse:
- Gatos cegos e insensatos. Por acaso não está escrito, e não o soube desde sempre, e os meus antepassados antes de mim, que o que chove quando rezamos, uma e outra vez, não são ratazanas, mas ossos?

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

A vida é mais que uma carreira, viver é mais que existir e o amor vale mais do que o sucesso. Porque tenha a certeza absoluta que a Plenitude da Vida é o Regaço de Deus, onde ninguém vale pelo que tem, pelo que sabe ou pelo que manda.
No regaço de Deus cada um é aquilo que ama!

Rui Santiago Cssr

 


INFORMAÇÕES

ÍSSIMO SACRAMENTO

Manadas - terça-feira, 21 de novembro, das 17 às 18 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

Ribeira Seca - sexta-feira, 24 de novembro, das 17 às 18 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

FEIRA

A Escola Básica e Secundária de Velas e um grupo de professores voluntários, entre eles as professoras Ana Almeida, Luísa Matos, Susana Nobre e Maria São José Silveira estão a organizar uma Feira, para ajudar as vítimas da guerra do Sudão, com diversos produtos doados por toda a comunidade. Quem quiser colaborar com bens ou dinheiro, pode entregar na Escola ao cuidado das professoras referidas.

Cada produto será vendido a 1€ e a verba resultante desta venda será enviada diretamente para a Missão.

A Feira decorrerá de 27 a 30 de novembro, na entrada da Escola, das 8h30 às 18h.00.

 

CLÍNICA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DA CALHETA

A Direção da Associação de Bombeiros Voluntários da Calheta informa que estará na Clínica da Instituição a Dr.ª Renata Gomes, Cardiologista, 20 de novembro; Dr.ª Paula Pires, neurologista e neuro-pediatra, no dia 1 de dezembro; Os interessados podem fazer as suas marcações para os números 295 460 110/ 295460111.

 

RESTAURO

A fim de angariar fundos para o restauro do altar-mor da Igreja da Boa Hora, a comissão vai fazer massa sovada para ser vendida. Aceitam-se encomendas até ao dia 22 de novembro  para o nº 911125466

 

FESTA DE SANTA CATARINA

TRÍDUO - 21, 22 e 23 de novembro.

                  Dia 22 - confissões às 19 horas seguidas de missa.  missa às 19 horas.       

                  Dias 21 e 23 - missa às 19 horas

 

 DIA 25 - EUCARISTIA DE FESTA às 11 horas seguida de arrematações e procissão.

 

ADORAÇÃO DO SANT


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 824

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 868

Pensamento da Semana

 PENSAMENTO DA SEMANA

 

Deus talvez goste mais de habitar na paixão do coração do que nas certezas da razão.

Tomás Halík

 

 

Vai chegar o tempo, e não vai demorar muito, que nós teremos 
especial predileção pelos que 
preferirão a discrição, o silêncio, 
o anonimato.

Pe. Fábio de Melo

 

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas