Nº 798

O AMOR não se sabe revelar...

«O AMOR, quando se revela,

Não se sabe revelar.» - Fernando Pessoa

Somos feitos de amor e por amor, mas temos imensa dificuldade em explicá-lo.

Não o sabemos revelar, nem demonstrar.

Torna-se, muitas vezes, difícil de fazer chegar esse amor a alguém.

É difícil reproduzi-lo através das palavras e dos atos.

No meio de tamanho sentimento, as palavras tornam-se quase nada e chegam até a ser chatas.

No meio de tamanho sentimento, os atos tornam-se gestos sem qualquer ordem e significado.

O amor reflete-se mais facilmente no olhar de cada um de nós.

E no meio de tanta desordem de atos e palavras, apenas desejamos que esse amor faça o seu caminho, mesmo que caminhe através de palavras malditas, de gestos incompreendidos ou de revoltas sem sentido.

É esta a forma mais vulgar do ser humano...

Tem tanto, mas tanto amor guardado em si que, na maioria das vezes, não sabe como pô-lo a "render".

Quando há tamanho sentimento o ser humano não sabe como falar:

"Quem quer dizer quanto sente

Fica sem alma nem fala,

Fica só, inteiramente!".

E este é o segredo de todo e qualquer tipo de amor.

O amor não precisa de muitos gestos, nem de muitas palavras.

O amor para se revelar exige, unicamente, presença.

O amor para se revelar precisa que fiquemos inteiramente.

O amor para se revelar necessita que fique a originalidade e, para isso, é obrigatório demonstrar o bom e o mau.

Procuramos, tantas vezes, fórmulas para amar e sermos amados e esquecemos necessitamos de nos entregarmos inteiramente sem que compliquemos aquilo que é tão simples.

Como verdadeiros seres de relação temos de perceber, de uma vez por todas, que essa união só existe se o amor estiver presente. E esse amor só se pode manifestar se nos fizermos verdadeira presença. Se nos deixarmos viver em verdadeira comunhão.

Não deixemos que o amor fique escondido.

Não deixemos que o amor não seja revelado.

Façamo-nos presentes. Façamo-nos portadores de amor.

Deixemo-nos estar inteiramente!

Emanuel António Dias

 

VI DOMINGO DE PÁSCOA

A liturgia do 6º Domingo da Páscoa convida-nos a descobrir a presença – discreta, mas eficaz e tranquilizadora – de Deus na caminhada histórica da Igreja. A promessa de Jesus – “não vos deixarei órfãos” – pode ser uma boa síntese do tema.

O Evangelho apresenta-nos parte do “testamento” de Jesus, na ceia de despedida, em Quinta-feira Santa. Aos discípulos, inquietos e assustados, Jesus promete o “Paráclito”: Ele conduzirá a comunidade cristã em direção à verdade; e levá-la-á a uma comunhão cada vez mais íntima com Jesus e com o Pai. Dessa forma, a comunidade será a “morada de Deus” no mundo e dará testemunho da salvação que Deus quer oferecer aos homens.

A primeira leitura mostra exatamente a comunidade cristã a dar testemunho da Boa Nova de Jesus e a ser uma presença libertadora e salvadora na vida dos homens. Avisa, no entanto, que o Espírito só se manifestará e só atuará quando a comunidade aceitar viver a sua fé integrada numa família universal de irmãos, reunidos à volta do Pai e de Jesus.

A segunda leitura exorta os crentes – confrontados com a hostilidade do mundo – a terem confiança, a darem um testemunho sereno da sua fé, a mostrarem o seu amor a todos os homens, mesmo aos perseguidores. Cristo, que fez da sua vida um dom de amor a todos, deve ser o modelo que os cristãos têm sempre diante dos olhos.

Dehonianos

 

MEDITAR

VIDA

Já perdoei erros quase imperdoáveis,

tentei substituir pessoas insubstituíveis

e esquecer pessoas inesquecíveis.

 

Já fiz coisas por impulso,

já me dececionei com pessoas

que eu nunca pensei que iriam me dececionar,

mas também já dececionei alguém.

Já abracei pra proteger,

já dei risada quando não podia,

fiz amigos eternos,

e amigos que eu nunca mais vi.

Amei e fui amado,

mas também já fui rejeitado,

fui amado e não amei.

Já gritei e pulei de tanta felicidade,

já vivi de amor e fiz juras eternas,

e quebrei a cara muitas vezes!

Já chorei ouvindo música e vendo fotos,

já liguei só para escutar uma voz,

Já me apaixonei por um sorriso,

já pensei que fosse morrer de tanta saudade

e tive medo de perder alguém especial (e acabei por perder).

Mas vivi!

E ainda vivo!

Não passo pela vida.

E você também não deveria passar!

Viva!!

Bom mesmo é ir à luta com determinação,

abraçar a vida com paixão,

perder com classe

e vencer com ousadia,

porque o mundo pertence a quem se atreve

e a vida é muito para ser insignificante.

 Augusto Branco

 

CONTO (652)

 

A ROSA

 

Uma rosa sonhava dia e noite com a companhia das abelhas, mas nenhuma vinha pousar nas suas pétalas.

A flor, contudo, continuava a sonhar: durante as longas noites, imaginava um céu onde voavam muitas abelhas, que vinham carinhosamente beijá-la. Desta maneira, conseguia resistir até ao dia seguinte, quando voltava a abrir-se com a luz do Sol.

Uma noite, apercebendo-se da solidão da rosa, a Lua perguntou-lhe:

- Não estás cansada de esperar?

- Talvez. Mas preciso de continuar a lutar.

- Porquê?

- Porque, se não me abrir, murcho.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os orgulhosos ensinaram-me a humildade,

os impacientes a lentidão,

os perversos ensinaram-me a retidão

e, quanto aos raros que possuíam uma alma simples, ensinaram-me a ler no seu coração

os enigmas do universo visível e invisível,

tão facilmente como um recém-nascido lê na face da sua mãe.

 

Christian Bobin, in Ressuscitar

 


INFORMAÇÕES

ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO

Ribeira Seca - quinta-feira, 25 de maio, das 18 às 19 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

Manadas - sexta-feira, 26 de maio, das 18 às 19 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

FESTAS DA CATEQUESE

MANADAS - Domingo, 28 de maio:

 7º ano - Festa das Bem aventuranças; 8º ano - Festa da Vida;  9º ano - Festa do Compromisso.

RBEIRA SECA - Domingo, 28 de maio:

 7º ano - Festa das Bem aventuranças; 8º ano - Festa da Vida;  9º ano - Festa do Compromisso

 

AVISO

A Escola Básica e Secundária de Velas e um grupo de professoras voluntárias, entre eles as professoras Ana Almeida e Luísa Matos, estão a organizar uma segunda edição da feira, para ajudar as vítimas da guerra do Sudão, com diversos produtos doados por toda a comunidade. Quem quiser colaborar com bens ou dinheiro, pode entregar na Escola ao cuidado das professoras Ana Almeida ou Luísa.

Cada produto será vendido a 1€ e a verba resultante desta venda será enviada diretamente para a Missão.

A feira decorrerá no dia 24 de maio na entrada da Escola, das 8h30 às 19h.00!

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 798

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 827

Pensamento da Semana

Dá-nos um coração claro que veja o céu aberto
e o mundo como os olhos de uma criança,
olhos de confiança e de descoberta
que nos salvem dos hábitos.

 

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas