Nº 785

C(oração)

«Pedir (rezar), uns pelos os outros,

é missão dos cristãos.»

Pe. Rui Miguel

 Existem momentos em que não sabemos o que dizer ou fazer.

Somos, constantemente, colocados em diversas situações em que não temos uma palavra, um gesto ou um olhar, para aliviar o sofrimento e a dor daqueles que se sentem perdidos.

Nada disto é possível nesta realidade a que todos temos acesso… mas é aqui que surge a oração.

É aqui que aparece a necessidade de usarmos o silêncio perturbador para torná-lo num silêncio de entrega.

É a entrega total a um Pai, que não serve de S.O.S, mas que espera e anseia que lhe peçamos sem cessar.

Pedir, uns pelos os outros, é ter a certeza de que este amor é tão certo que não deve ficar apenas em mim.

Pedir, uns pelos os outros, não é esperar que os milagres aconteçam, mas que ninguém se sinta desamparado ou experimente a solidão.

Pedir, uns pelos os outros, é desejar que este Deus seja presença viva na vida de todos aqueles que se cruzam na nossa caminhada.

A oração tem consigo a beleza de uma ação que foi originada pelo coração.

A oração será, sempre, muito mais do que duas mãos juntas. 

A oração é a prova de que esta vida é muito mais do que aquilo que conseguimos ver ou compreender.

A oração será a única solução para que a ação deste Deus seja visível em nós e nos outros.

Se a oração é uma missão então precisamos de verdadeiros missionários...

Ao rezarmos, uns pelos outros, estamos a dar a maior prova de amor, porque entregamos as nossas vidas nas mãos do Seu criador.

Ao rezarmos, uns pelos outros, estamos a segurar as lágrimas que escorrem na cara do nosso irmão.

Ao rezarmos, uns pelos outros, estamos a suportar o coração angustiado e ferido de cada um de nós.

Ao rezarmos, uns pelos outros, estamos, uma vez mais, a demonstrar que este Deus revelar-se-á, sempre, naquele que se cruza connosco.

Emanuel António Dias (Adaptado)

 

VII DOMINGO DO TEMPO COMUM

A liturgia do sétimo Domingo do Tempo Comum convida-nos à santidade, à perfeição. Sugere que o “caminho cristão” é um caminho nunca acabado, que exige de cada homem ou mulher, em cada dia, um compromisso sério e radical (feito de gestos concretos de amor e de partilha) com a dinâmica do “Reino”. Somos, assim, convidados a percorrer o nosso caminho de olhos postos nesse Deus santo que nos espera no final da viagem.

A primeira leitura que nos é proposta apresenta um apelo veemente à santidade: viver na comunhão com o Deus santo, exige o ser santo. Na perspetiva do autor do nosso texto, a santidade passa também pelo amor ao próximo.

No Evangelho, Jesus continua a propor aos discípulos, de forma muito concreta, a sua Lei da santidade (no contexto do “sermão da montanha”). Hoje, Ele pede aos seus que aceitem inverter a lógica da violência e do ódio, pois esse “caminho” só gera egoísmo, sofrimento e morte; e pede-lhes, também, o amor que não marginaliza nem discrimina ninguém (nem mesmo os inimigos). É nesse caminho de santidade que se constrói o “Reino”.

Na segunda leitura, Paulo convida os cristãos de Corinto – e os cristãos de todos os tempos e lugares – a serem o lugar onde Deus reside e Se revela aos homens. Para que isso aconteça, eles devem renunciar definitivamente à “sabedoria do mundo” e devem optar pela “sabedoria de Deus” (que é dom da vida, amor gratuito e total).

Dehonianos

 

MEDITAR

 

 

POST SCRIPTUM

Que a tua vida

seja natural como o respirar,

que o teu peso para os outros

seja apenas o das pétalas,

que a tua gratidão seja ilimitada

e as tuas palavras favos de ternura.

 

Que todos os que se aproximem de ti

tenham vontade de cantar

e de encher de luz e canções

as suas noites,

de despir os lutos do coração

e compor as jarras da alegria.

 

Procura a lucidez

que afasta os medos,

e a humildade para permaneceres

profundo em ti,

livre na vida,

eterno no momento,

fiel ao que permanece.

Henrique Manuel, in Mas Há Sinais...

 

CONTO (642)

 

A COISA MAIS BELA

Três amigos tinham concluído os seus estudos. Decidiram então percorrer o mundo em busca daquilo que existe de mais belo no mundo. Passado um ano, encontraram-se de novo. O primeiro disse:

- Atravessei mares e desertos, visitei grandes cidades. Vi muitas coisas belas, mas a melhor de todas, que trouxe, foi esta pedra preciosa, de valor inestimável. É a coisa mais bela que existe debaixo do sol. Gastei toda a minha fortuna para a adquirir.

O segundo disse:

- Trouxe esta jovem cheia de beleza. Apaixonei-me por ela e ela por mim. Nasceu entre nós os dois um grande amor. E o que é que existe de mais belo sob o sol do que o amor humano?

O terceiro, que tardou a chegar, disse:

- Eu percorri muitas terras e, de olhos bem abertos, deixei-me encantar pelo nascer do sol, fiquei horas a contemplar a beleza das flores dos jardins, a água serena dos lagos onde deslizam patos, a imensidão do mar, a grandeza das montanhas, as aves do céu a cantar, o sorriso das crianças de todas as cores… Venho de mãos vazias, mas de coração a transbordar de felicidade.

Este terceiro descobriu a beleza sobretudo na natureza, obra de Deus. Deixou-se maravilhar contemplando tudo o que é pré-esboço do Paraíso.

in, Bom dia, alegria de Pedrosa Ferreira

 

 

É sempre pela mão do outro que somos conduzidos à visão de Deus. (...) 

Sem o inesperado que o outro é para mim, facilmente transformo Deus num ídolo moldado pela minha estreita expectativa. (...) No olhar do outro adivinha-se um caminho a percorrer.»

 

Carlos Maria Antunes, in Só o Pobre se faz Pão

 


INFORMAÇÕES

 

ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO

Ribeira Seca - quinta-feira, 23 de fevereiro, das 17 às 18 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

Manadas - sexta-feira, 24 de fevereiro, das 17 às 18 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

CLÍNICA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DA CALHETA

A Direção da Associação de Bombeiros Voluntários da Calheta informa que estará na Clínica da Instituição o Dr. Rui Amaral, imagiologia e radiologia, em fevereiro; a Dr.ª Maria Graça Almeida, Ginecologista e obstetra, início de março; a Dr.ª Renata Gomes, Cardiologista, no início de março; Dr. Brasil Toste, otorrinolaringologista, em março ou abril;  Paula Pires, neurologista e neuro-pediatra, em abril; Dr.ª Alexandra Dias, Pediatra, em abril ou maio; Dr.ª Lourdes Sousa, Dermatologista, em agosto; Dr. Carlos Aguilar, oftalmologista, data por estabelecer. Os interessados podem fazer as suas marcações para os números 295 460 110/ 295460111.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 785

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 832

Pensamento da Semana

Se Deus é luz, e tantas religiões usam esta imagem para falar do divino, então Ele é o que não se vê mas faz ver. A luz não é para ser vista, é para iluminar tudo o resto. Se vejo as coisas, e as vejo em profundidade e com o seu verdadeiro sentido, escondido aos olhos comuns, então é porque algo, alguém, me faz ver. Procuras Deus? Olha para o mundo com olhos de ver.

Vasco Pinto de Magalhães, s.j.

 

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas