Nº 783

 

De olhos no chão
 
«Houve um tempo em que eu não estava presente, e Tu criaste-me.
Eu não tinha orado, e Tu, Tu fizeste-me.
Eu não tinha ainda vindo à luz, e no entanto viste-me.
Eu não tinha aparecido, e no entanto tiveste piedade de mim.
Eu não Te tinha invocado, e no entanto tomaste-me ao Teu cuidado.
Eu não Te tinha feito qualquer sinal, e no entanto olhaste para mim.
Eu não Te tinha dirigido qualquer súplica, e no entanto tiveste misericórdia para comigo.
Eu não tinha articulado o mínimo som, e no entanto ouviste-me.
Eu não tinha sequer suspirado, e no entanto a tudo estiveste atento.»

 

S. Gregório de Narek, Livro de Orações, n.18

 

 

 

Hoje puseste à minha frente este poema maravilhoso,

 

Para que eu pudesse ver ordenadas as palavras que traduzem o que tenho sentido nos últimos dias...

 

Quem sou eu Senhor, para que assim te importes tanto comigo?

 

Não importa o meu nome, de onde venho, para onde vou,

 

A cor da minha pele, o que faço, quem sou.

 

Estás atento a cada suspiro, não perdes um qualquer sinal,

 

Não se esfumam as minhas súplicas sem que antes as guardes no Teu coração!

 

 

 

Mesmo se estou ausente, absorta,

 

alienada de tudo o que não sejam as imposições dos meus trabalhos,

 

ou das desculpas que encontro para as minhas ausências de Ti,

 

Irremediavelmente, e irresistivelmente,

 

Abalas as minhas defesas e surges de novo,

 

A pedir o que é Teu, Senhor...

 

A destrancar a porta do quarto onde guardo as minhas canções para Ti,

 

E a vontade de cantar.

 

A esticar, o que os dias de trovoada vão enrugando cá dentro.

 

A resgatar de novo a capacidade de Te encontrar a caminho do trabalho,

 

de Te reconhecer entre buzinadelas e caras carrancudas,

 

de Te esperar antes de adormecer.

 

A inundar este pequeno poço sedento de Água que sou eu.

 

 

 

Perante a certeza da Tua presença constante nos meus dias

 

Só posso ficar como o publicano da Escritura,

 

de olhos no chão, no canto mais distante da sala.

 

Não mereço, sequer, um milésimo do Amor que me dás!

 

Mas rendo-me à doçura da tua misericórdia,

 

Meu Senhor e Meu Deus!

 

Catarina Gregório Martins
 
V DOMINGO DO TEMPO COMUM
A Palavra de Deus deste 5º Domingo do Tempo Comum convida-nos a refletir sobre o compromisso cristão. Aqueles que foram interpelados pelo desafio do “Reino” não podem remeter-se a uma vida cómoda e instalada, nem refugiar-se numa religião ritual e feita de gestos vazios; mas têm de viver de tal forma comprometidos com a transformação do mundo que se tornem uma luz que brilha na noite do mundo e que aponta no sentido desse mundo de plenitude que Deus prometeu aos homens – o mundo do “Reino”.
No Evangelho, Jesus exorta os seus discípulos a não se instalarem na mediocridade, no comodismo, no “deixa andar”; e pede-lhes que sejam o sal que dá sabor ao mundo e que testemunha a perenidade e a eternidade do projeto salvador de Deus; também os exorta a serem uma luz que aponta no sentido das realidades eternas, que vence a escuridão do sofrimento, do egoísmo, do medo e que conduz ao encontro de um “Reino” de liberdade e de esperança.
A primeira leitura apresenta as condições necessárias para “ser luz”: é uma “luz” que ilumina o mundo, não quem cumpre ritos religiosos estéreis e vazios, mas quem se compromete verdadeiramente com a justiça, com a paz, com a partilha, com a fraternidade. A verdadeira religião não se fundamenta numa relação “platónica” com Deus, mas num compromisso concreto que leva o homem a ser um sinal vivo do amor de Deus no meio dos seus irmãos.
A segunda leitura avisa que ser “luz” não é colocar a sua esperança de salvação em esquemas humanos de sabedoria, mas é identificar-se com Cristo e interiorizar a “loucura da cruz” que é dom da vida. Pode-se esperar uma revelação da salvação no escândalo de um Deus que morre na cruz? Sim. É na fragilidade e na debilidade que Deus Se manifesta: o exemplo de Paulo – um homem frágil e pouco brilhante – demonstra-o.
Dehonianos

 

 
MEDITAR
 
SILÊNCIO

 

 

 

Para caminhar sobre

 

a delicada ponte que leva

 

aos olhos do outro,

 

todo silêncio é pouco.

 

 

 

Para ouvir a música

 

que se desprende

 

de todas as coisas belas,

 

todo silêncio é pouco.

 

 

 

Para sentir na pele

 

o veludo de um jardim,

 

quando a noite

 

envolve o mundo em sua

 

rede de estrelas,

 

todo silêncio é ouro...

 

 

 

Para entender,

 

palavra por palavra,

 

a voz que vem do coração,

 

todo o silêncio.

 

 

 

Roseana Murray

 

 
CONTO (640)
 
À SUA IMAGEM
Um dia, reuniram-se todos os deuses e decidiram criar o homem e a mulher à sua imagem e semelhança.
Um deles disse:
- Devemos fazê-los à nossa imagem e semelhança, mas temos de pensar em algo que os diferencie de nós. Que lhes iremos tirar?
Depois de muito pensarem, um deles disse:
- Vamos tirar-lhes a felicidade. Mas onde é que a iremos esconder?
Surgiram várias propostas. Um deles sugeriu:
- Vamos escondê-la no cimo da montanha mais alta do mundo.
Um outro disse:
- Talvez seja melhor esconde-la no planeta mais distante da Terra.
O último deles, que tinha permanecido em silêncio durante todo o tempo, disse:
- Acho que deveríamos esconder a felicidade num lugar onde nunca a pudessem buscar.
Todos, a uma só voz, perguntaram:
- Onde?
Respondeu ele:
- Dentro deles próprios. Estarão tão ocupados em encontrá-la fora deles, que nunca se lembrarão que pode estar no seu íntimo.
Todos concordaram. Desde então as pessoas passam a vida à procura da felicidade, sem saber que a trazem consigo.
In TOMA E LÊ  de Pedrosa Ferreira
 

 

Conversas com fevereiro
Que mantenha na nossa vida aqueles que nos fazem bem. Que guarde bem perto de nós os que nos estendem a mão, os que nos oferecem colo e abrigo, os que dividem connosco os seus braços em abraços apertados, os que são presença firme na hora de falar alto e na hora do silêncio.
Que faça brilhar sempre e muito as nossas-pessoas-luz. Porque todas as hipóteses que temos de sermos muito felizes começam no dia em que sabemos escolher, guardar e cuidar os que nesta vida fazem (só) o Bem do nosso mundo girar.
Às 9 no meu blogue
 

 

INFORMAÇÕES
Manadas - sexta-feira, 10 de fevereiro, das 17 às 18 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

 

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 783

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas