Nº 768

 

IGREJA MISSIONÁRIA E MISERICORDIOSA

O Papa Francisco escreveu, como é já habitual, uma mensagem para o Dia Mundial das Missões, que este ano se celebra a 23 de outubro. Diz o Papa que a finalidade deste dia é renovar a convocação de «todos os cristãos a “sair”, como discípulos missionários, podo cada um a render os seus talentos, a sua criatividade, a sua sabedoria e experiência para levar a mensagem da ternura e compaixão de Deus à família humana inteira. Em particular, a Igreja pensa preferencialmente  naqueles que «não conhecem o Evangelho, pois deseja que todos sejam salvos e cheguem a experimentar o amor do Senhor».

Missão faz-se com fé e caridade

Escreve Francisco que a misericórdia gera alegria íntima no coração do Pai, sempre que encontra cada mulher, homem, idoso, jovem e criança. Ele, «Deus benigno, solícito, fiel; aproxima-Se de quem passa necessidade para estar perto de todos, sobretudo dos pobres; envolve-Se com ternura na realidade humana, tal como faria um pai e uma mãe na vida dos seus filhos». De facto, «é ao ventre materno que alude o termo utilizado na Bíblia hebraica para dizer misericórdia: trata-se, pois, do amor de uma mãe pelos seus filhos; filhos que ela amará sempre, em todas as circunstâncias suceda o que suceder, porque são fruto do seu ventre. Este é um aspeto  essencial também do amor que Deus nutre por todos os seus filhos, especialmente pelos membros do povo que gerou e deseja criar e educar; perante as suas fragilidades e infidelidades, o seu íntimo comove-se e estremece de compaixão».

Naturalmente, os cristãos, «aceitando e seguindo Jesus por meio do Evangelho e dos Sacramentos, com a ação do Espírito Santo, tornamo-nos misericordiosos como o nosso Pai celestial, aprendendo a amar como Ele nos ama e fazendo da nossa vida um dom gratuito, um sinal da sua bondade».

Em seguida, Francisco expressa com satisfação, como, por todo o mundo, «há tantos homens e mulheres de todas as idades e condições que dão testemunho deste amor de misericórdia. Sinal eloquente do amor materno de Deus é uma considerável e crescente presença feminina no mundo missionário, ao lado da presença masculina. As mulheres, leigas ou consagradas - e hoje também numerosas famílias - realizam a sua vocação missionária nas mais variadas formas: desde o anúncio direto do Evangelho ao serviço socio-caritativo. Em muitos lugares, a evangelização parte da atividade educativa», que ele apelida de «serviço materno da misericórdia».

O número dos discípulos «cresce graças à fé e à caridade dos evangelizadores, que são testemunhas de Cristo», e o fruto da sua ação é a renovação da sociedade.

Por fim, à maioria dos cristãos que não vão pelo mundo, o Papa pede «gestos missionários de comunhão eclesial»: orações, donativos e/ou a oferta da vida.

 

XXX DOMINGO TEMPO COMUM

A liturgia deste domingo ensina-nos que Deus tem um “fraco” pelos humildes e pelos pobres, pelos marginalizados; e que são estes, no seu despojamento, na sua humildade, na sua finitude (e até no seu pecado), que estão mais perto da salvação, pois são os mais disponíveis para acolher o dom de Deus.

 

A primeira leitura define Deus como um “juiz justo”, que não se deixa subornar pelas ofertas desses poderosos que praticam injustiças na comunidade; em contrapartida, esse Deus justo ama os humildes e escuta as suas súplicas.

 

O Evangelho define a atitude correta que o crente deve assumir diante de Deus. Recusa a atitude dos orgulhosos e autossuficientes, convencidos de que a salvação é o resultado natural dos seus méritos; e propõe a atitude humilde de um pecador, que se apresenta diante de Deus de mãos vazias, mas disposto a acolher o dom de Deus. É essa atitude de “pobre” que Lucas propõe aos crentes do seu tempo e de todos os tempos.

 

Na segunda leitura, temos um convite a viver o caminho cristão com entusiasmo, com entrega, com ânimo – a exemplo de Paulo. A leitura foge, um pouco, ao tema geral deste domingo; contudo, podemos dizer que Paulo foi um bom exemplo dessa atitude que o Evangelho propõe: ele confiou, não nos seus méritos, mas na misericórdia de Deus, que justifica e salva todos os homens que a acolhem.

 

Dehonianos

 

 

MEDITAR

 

Pai Nosso

 

 

 

Oração Missionária

 

Senhora da Anunciação,

 

que corres ligeira sobre os montes,

 

vela por nós,

 

fica à nossa beira.

 

É bom ter a esperança como companheira.

 

Contigo rezamos ao Senhor:

 

Dá-nos, Senhor,

 

um coração sensível e fraterno,

 

capaz de escutar e de recomeçar.

 

Mantém-nos reunidos, Senhor,

 

à volta do pão e da palavra.

 

Ajuda-nos a discernir os rumos a seguir

 

nos caminhos sinuosos deste tempo,

 

por Ti semeado e por Ti redimido.

 

Ensina-nos a tornar a tua Igreja toda missionária,

 

e a fazer de cada paróquia,

 

que é a Igreja a residir no meio das casas dos teus filhos e filhas,

 

uma Casa grande, aberta e feliz,

 

átrio de fraternidade,

 

de onde se possa sempre ver o céu,

 

e o céu nos possa sempre ver a nós.

 

 

CONTO (625)

 

O MENINO E OS PATINS

Era uma vez um menino que tinha adoração por patins. Era tudo o que ele queria na vida. Pediu, pediu tanto, que um belo dia os conseguiu. E ficou muito feliz. Não os abandonava nem por um minuto. De dia e de noite, o menino levava consigo os seus patins.

Todavia, na primeira queda, o menino ficou com medo de estragar os patins e resolveu guardá-los. Eles continuavam a ser a coisa que ele mais queria. Aquilo de que mais gostava de fazer era estar com os seus patins. Mas preferia ficar a olhar para eles e nunca mais os usou, para não os estragar.

O tempo foi passando e os patins continuaram guardados.

Passaram-se anos. O garoto esqueceu os patins.

Um dia, lembrou-se deles, sentiu saudades e resolveu recuperar o tempo perdido. Foi ao armário, revirou tudo e, finalmente, encontrou os patins. Correu para o pátio, disposto a calçá-los. Porém, teve uma terrível surpresa: já não serviam nos pés.

Então o menino chorou e lamentou os anos perdidos e que não podia recuperar. Poderia comprar outro par de patins, mas nunca seriam iguais àquele.

in  Estórias de Vida e Sabedoria  de Osvino Toillier

 

A vida de todos os dias
é o vosso templo e a vossa religião
Ao entrardes nele
levai convosco todo o vosso ser.
Khalil Gibran, in O Profeta
 

 

INFORMAÇÕES
MUDANÇA DE HORA

 

No próximo fim de semana muda a hora. À uma hora da manhã de sábado para domingo os relógios devem ser atrasados em sessenta minutos.

 

 

 

ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO
 RIBEIRA SECA - Quinta-feira, 27 de outubro, das 18 às 19 horas, seguida de Eucaristia.
MANADAS - Sexta-feira, 28 de outubro, das 17 às 18 horas, seguida de Eucaristia.
 
MUSEU FRANCISCO LACERDA
Está aberta ao público uma exposição no museu Francisco Lacerda com o tema “Trabalho em Basalto”, de terça-feira a domingo, das 9h30 às 17 horas.

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 768

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 827

Pensamento da Semana

Dá-nos um coração claro que veja o céu aberto
e o mundo como os olhos de uma criança,
olhos de confiança e de descoberta
que nos salvem dos hábitos.

 

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas