Nº 768

 

IGREJA MISSIONÁRIA E MISERICORDIOSA

O Papa Francisco escreveu, como é já habitual, uma mensagem para o Dia Mundial das Missões, que este ano se celebra a 23 de outubro. Diz o Papa que a finalidade deste dia é renovar a convocação de «todos os cristãos a “sair”, como discípulos missionários, podo cada um a render os seus talentos, a sua criatividade, a sua sabedoria e experiência para levar a mensagem da ternura e compaixão de Deus à família humana inteira. Em particular, a Igreja pensa preferencialmente  naqueles que «não conhecem o Evangelho, pois deseja que todos sejam salvos e cheguem a experimentar o amor do Senhor».

Missão faz-se com fé e caridade

Escreve Francisco que a misericórdia gera alegria íntima no coração do Pai, sempre que encontra cada mulher, homem, idoso, jovem e criança. Ele, «Deus benigno, solícito, fiel; aproxima-Se de quem passa necessidade para estar perto de todos, sobretudo dos pobres; envolve-Se com ternura na realidade humana, tal como faria um pai e uma mãe na vida dos seus filhos». De facto, «é ao ventre materno que alude o termo utilizado na Bíblia hebraica para dizer misericórdia: trata-se, pois, do amor de uma mãe pelos seus filhos; filhos que ela amará sempre, em todas as circunstâncias suceda o que suceder, porque são fruto do seu ventre. Este é um aspeto  essencial também do amor que Deus nutre por todos os seus filhos, especialmente pelos membros do povo que gerou e deseja criar e educar; perante as suas fragilidades e infidelidades, o seu íntimo comove-se e estremece de compaixão».

Naturalmente, os cristãos, «aceitando e seguindo Jesus por meio do Evangelho e dos Sacramentos, com a ação do Espírito Santo, tornamo-nos misericordiosos como o nosso Pai celestial, aprendendo a amar como Ele nos ama e fazendo da nossa vida um dom gratuito, um sinal da sua bondade».

Em seguida, Francisco expressa com satisfação, como, por todo o mundo, «há tantos homens e mulheres de todas as idades e condições que dão testemunho deste amor de misericórdia. Sinal eloquente do amor materno de Deus é uma considerável e crescente presença feminina no mundo missionário, ao lado da presença masculina. As mulheres, leigas ou consagradas - e hoje também numerosas famílias - realizam a sua vocação missionária nas mais variadas formas: desde o anúncio direto do Evangelho ao serviço socio-caritativo. Em muitos lugares, a evangelização parte da atividade educativa», que ele apelida de «serviço materno da misericórdia».

O número dos discípulos «cresce graças à fé e à caridade dos evangelizadores, que são testemunhas de Cristo», e o fruto da sua ação é a renovação da sociedade.

Por fim, à maioria dos cristãos que não vão pelo mundo, o Papa pede «gestos missionários de comunhão eclesial»: orações, donativos e/ou a oferta da vida.

 

XXX DOMINGO TEMPO COMUM

A liturgia deste domingo ensina-nos que Deus tem um “fraco” pelos humildes e pelos pobres, pelos marginalizados; e que são estes, no seu despojamento, na sua humildade, na sua finitude (e até no seu pecado), que estão mais perto da salvação, pois são os mais disponíveis para acolher o dom de Deus.

 

A primeira leitura define Deus como um “juiz justo”, que não se deixa subornar pelas ofertas desses poderosos que praticam injustiças na comunidade; em contrapartida, esse Deus justo ama os humildes e escuta as suas súplicas.

 

O Evangelho define a atitude correta que o crente deve assumir diante de Deus. Recusa a atitude dos orgulhosos e autossuficientes, convencidos de que a salvação é o resultado natural dos seus méritos; e propõe a atitude humilde de um pecador, que se apresenta diante de Deus de mãos vazias, mas disposto a acolher o dom de Deus. É essa atitude de “pobre” que Lucas propõe aos crentes do seu tempo e de todos os tempos.

 

Na segunda leitura, temos um convite a viver o caminho cristão com entusiasmo, com entrega, com ânimo – a exemplo de Paulo. A leitura foge, um pouco, ao tema geral deste domingo; contudo, podemos dizer que Paulo foi um bom exemplo dessa atitude que o Evangelho propõe: ele confiou, não nos seus méritos, mas na misericórdia de Deus, que justifica e salva todos os homens que a acolhem.

 

Dehonianos

 

 

MEDITAR

 

Pai Nosso

 

 

 

Oração Missionária

 

Senhora da Anunciação,

 

que corres ligeira sobre os montes,

 

vela por nós,

 

fica à nossa beira.

 

É bom ter a esperança como companheira.

 

Contigo rezamos ao Senhor:

 

Dá-nos, Senhor,

 

um coração sensível e fraterno,

 

capaz de escutar e de recomeçar.

 

Mantém-nos reunidos, Senhor,

 

à volta do pão e da palavra.

 

Ajuda-nos a discernir os rumos a seguir

 

nos caminhos sinuosos deste tempo,

 

por Ti semeado e por Ti redimido.

 

Ensina-nos a tornar a tua Igreja toda missionária,

 

e a fazer de cada paróquia,

 

que é a Igreja a residir no meio das casas dos teus filhos e filhas,

 

uma Casa grande, aberta e feliz,

 

átrio de fraternidade,

 

de onde se possa sempre ver o céu,

 

e o céu nos possa sempre ver a nós.

 

 

CONTO (625)

 

O MENINO E OS PATINS

Era uma vez um menino que tinha adoração por patins. Era tudo o que ele queria na vida. Pediu, pediu tanto, que um belo dia os conseguiu. E ficou muito feliz. Não os abandonava nem por um minuto. De dia e de noite, o menino levava consigo os seus patins.

Todavia, na primeira queda, o menino ficou com medo de estragar os patins e resolveu guardá-los. Eles continuavam a ser a coisa que ele mais queria. Aquilo de que mais gostava de fazer era estar com os seus patins. Mas preferia ficar a olhar para eles e nunca mais os usou, para não os estragar.

O tempo foi passando e os patins continuaram guardados.

Passaram-se anos. O garoto esqueceu os patins.

Um dia, lembrou-se deles, sentiu saudades e resolveu recuperar o tempo perdido. Foi ao armário, revirou tudo e, finalmente, encontrou os patins. Correu para o pátio, disposto a calçá-los. Porém, teve uma terrível surpresa: já não serviam nos pés.

Então o menino chorou e lamentou os anos perdidos e que não podia recuperar. Poderia comprar outro par de patins, mas nunca seriam iguais àquele.

in  Estórias de Vida e Sabedoria  de Osvino Toillier

 

A vida de todos os dias
é o vosso templo e a vossa religião
Ao entrardes nele
levai convosco todo o vosso ser.
Khalil Gibran, in O Profeta
 

 

INFORMAÇÕES
MUDANÇA DE HORA

 

No próximo fim de semana muda a hora. À uma hora da manhã de sábado para domingo os relógios devem ser atrasados em sessenta minutos.

 

 

 

ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO
 RIBEIRA SECA - Quinta-feira, 27 de outubro, das 18 às 19 horas, seguida de Eucaristia.
MANADAS - Sexta-feira, 28 de outubro, das 17 às 18 horas, seguida de Eucaristia.
 
MUSEU FRANCISCO LACERDA
Está aberta ao público uma exposição no museu Francisco Lacerda com o tema “Trabalho em Basalto”, de terça-feira a domingo, das 9h30 às 17 horas.

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 768

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas