Nº 752

 

PARA SEMPRE
(Porque só o Amor inscreve Eternidade no Tempo…)´
Era uma vez uma concha…Linda! Enorme! Sabia de cor o ritmo das marés e o aconchego da areia molhada.

 

Do "marulho" das ondas e do seu vai e vem aprendera as permanentes mudanças da vida, os seus ritmos e, também, que o “para sempre” não é conjugável por uma concha…

 

(Só o coração do homem está vocacionado para o Eterno; só a ele é possível conjugar o Amor num Tempo Presente/Futuro/Infinito…)
Ondas como mãos a trouxeram à praia… Mãos de viajantes em férias a recolheram, esquecida na areia, como casca vazia e inútil… “Que linda concha!”

 

E começaram a nascer histórias: - De pão partido e repartido em comunhão de mãos…

 

De tela, que outras mãos desenharam e pintaram…

 

Num belo entardecer, a concha linda e enorme veio parar às nossas mãos - uma espécie de Herança. Sagrada! E foi a Gratidão, massada em silêncio e ternura…

 

Aprendemos a rezar junto dela como se fora um ícone escrito para nós.

 

Tornou-se janela de onde podemos olhar e ler uma História de quase 300 anos de rostos, de (a)venturas, de vidas gastas com aqueles que, de tão pequenos, não interessam a ninguém - os últimos da sociedade, de qualquer sociedade, em qualquer país do nosso Mapa Mundi.

 

É que, na nossa concha está desenhado o rosto de um Homem tão fecundo que, ainda hoje, continua a gerar “filhos”…mas, filhos dAquele Amor Eterno que não se cansa de moldar e olhar, encantado, a Obra das Suas mãos… em pedaços… desFigurada… desFeita… tão desFeita como esta nossa Humanidade tantas vezes se apresenta -,desFeita porque se FAZ a um jeito contrário ao Amor Criador que, se a sonhou inteira e linda, não desiste de quere-la ao Seu jeito - inteira e linda!

 

Então teve início uma outra História escrita pelas mãos cuidadosas de alguém que, de um modo genesíaco, moldou, compôs, refez, restituiu ao desfigurado rosto da concha a sua beleza antiga, acrescentando-lhe a graça de outras mãos, a doçura de outros cuidados, o riso de outros olhos e… “Deus viu que era bom”!

 

A nossa concha… linda como um ícone, traz agora es(ins)crita no seu corpo de concha uma História de Cicatrizes… como a nossa…

 

Quando a olhamos, vemos desenrolar-se à nossa frente um fio de ouro que começou lá atrás, num Princípio sem tempo, que percorre toda a História da Criação e, escreve em todas as línguas ”EU NUNCA desistirei de te amar”!...

 

Quando deixamos que nos olhe, impossível não nos sentirmos a fazer parte de uma História imensa de quedas e (in)fidelidades, inquestionavelmente amada por um Amor Criador que continua a moldar-nos por suas mãos e a querer-nos inteiros… ESSE Amor, que nos FAZ BEM FEITOS é FIEL e é PARA SEMPRE.

 

Glória Marques (Adaptado)

 

 
XIV DOMINGO TEMPO COMUM
Carga leve
A seara é grande mas os trabalhadores são poucos. Porquê? Os trabalhadores são poucos porque a seara é grande? Não! Talvez seja porque nem todos estão dispostos a trabalhar nestas condições: como ovelhas entre os lobos, num total desprendimento, sem bolsa, nem alforge, nem sandálias... e sem demoras. Estas exigências do trabalho serão muito pesadas ou essa bagagem toda seria ainda mais incomodativa e pesada? E desculpamo-nos dizendo que se a vida dos servidores do Evangelho fosse menos exigente haveria mais vocações ou se os padres pudessem casar haveria mais candidatos.

 

Não é bem assim porque a sabedoria popular diz que quem corre por gosto não “casa”. (Por coincidência escapou-se-me uma letra nesta última palavra e em vez de ‘cansa’ apareceu ‘casa’. Pois é, quem responde por gosto não casa).

 

Lembro-me de um missionário que num descampado, já cansado de tanto andar e longe de todo o conforto alcançou, a meio da caminhada, uma miudinha de dez anos, pobre e franzina. Ela respirava com dificuldade, toda transpirada, descalça mas carregava cuidadosamente um pequenito às costas. O padre prontificou-se para ajudá-la:

 

- Ó pequena, queres que te ajude pois levas muito peso…

 

Ela sorriu:

 

- Isto não é um peso, é o meu irmão.

 

O Evangelho não é carga pesada mas amor libertador. A sua exigência não é muita, o nosso amor é que pode ser pouco.

 

Pe. José David Quintal Vieira, scj

 

 
MEDITAR
 

 

SL 30
Eu honro o Teu Nome, Senhor, porque me reergueste
e não permitiste que a minha vida se tornasse motivo de troça.
Senhor meu Deus, virei-me para Ti e Tu curaste-me.
Senhor, livraste a minha vida das cadeias da morte 
e deste-me uma vida nova quando me tiraste do fosso.
 

 

Cantai ao Senhor, vós todos que O amais,
dai-Lhe graças e fazei sempre memória da Sua fidelidade.
A Sua zanga dura apenas um momento, 
mas a Sua ternura é para a vida inteira.
A noite traz as lágrimas, 
mas pela manhã explode a alegria.
 

 

Tranquilo, eu dizia:
“Está tudo controlado. 
Porque o Senhor, na Sua benevolência, 
fortificou a minha montanha!”
 

 

Mas mal escondeste a Tua face eu fiquei apavorado.
Chamei por Ti, Senhor, e supliquei a misericórdia do meu Deus:
“Que vantagem podes tirar da minha morte?! 
O que ganhas com a minha descida ao túmulo?!
O pó não te pode louvar! O barro não Te pode bendizer!
Ouve-me, Senhor, abre para mim as Tuas entranhas de misericórdia. 
Senhor, ajuda-me!”
 

 

E Tu transformaste o meu luto em dança, 
tiraste-me a roupa de choro e vestiste-me de festa.
Por isso o meu coração agora Te canta sem parar.
 

 

Senhor, meu Deus, eu vou agradecer-te para sempre!
Indje
 
CONTO (611)
 
A JOVEM QUE NÃO FALAVA
   Certo dia, um rapaz viu uma jovem muito bonita e apaixonou-se. Como queria casar com ela, foi ter com os pais dela.

 

- Essa nossa filha não fala. Caso consigas fazê-la falar, podes casar com ela.

 

O rapaz foi ter com a jovem. Fez-lhe várias perguntas. Contou coisas engraçadas. Insultou-a. Mas ela não chegou a rir nem pronunciou uma só palavra. Então ele desistiu e foi-se embora.

 

Depois daquele rapaz, seguiram-se outros pretendentes. Contudo, nenhum conseguiu fazê-la falar.

 

O último pretendente era um rapaz sujo, pobre insignificante. Os pais da jovem disseram-lhe:

 

- Se já várias pessoas apresentáveis e com muito dinheiro não conseguiram fazê-la falar, tu é que vais conseguir? Esquece!

 

Todavia, o rapaz insistiu, Pediu à jovem que fosse à sua horta, para ajudar nas culturas. Era uma enorme seara de milho e amendoim. E o rapaz começou a livrar as plantas das ervas que as sufocavam. A jovem observava o rapaz a trabalhar e reparou que estava a arrancar também milho e amendoins. Então perguntou-lhe:

 

- O que estás a fazer?!... Se queres obter frutos, tens de ter cuidado e paciência. E respeitar!

 

O rapaz começou a rir. Depois regressaram a casa dos pais dela e o rapaz contou o que se tinha passado. Os anciãos da aldeia discutiram a questão e organizou-se um grande casamento.

 

Da revista Audácia  de Julho-Agosto de 2016

 

Ter esperança
é acreditar num futuro de redenção,
mesmo no meio das realidades mais tristes.
Ter esperança é não desistir de si próprio.
Ter esperança é confiar
que Deus pode transformar tudo.
Ele há de encher a nossa alma de alegria,
se deixarmos que a Esperança
more no nosso coração.

Anselm Grün
 

 

INFORMAÇÕES
 
MISSA DAS MANADAS
Na próxima quinta-feira não haverá missa nas Manadas.
 
FESTA DE NOSSA SENHORA DO CARMO NA FAJÃ DOS VIMES

 

No dia 7 de julho (quinta-feira) tem início o Novenário de Nossa Senhora do Carmo na Fajã dos Vimes. A Eucaristia será todos os dias às 20 horas.

 

A Missa de festa do dia 16 de julho, virá no próximo Boletim.

 

 
ESCOLA DE VELAS
A EBS de Velas informa que oferece, durante o ano letivo 2016/2017, o curso PROFIJ IV, tipo 6, o qual confere habilitação equivalente ao 12º ano de escolaridade a qualificação profissional de nível IV. Este curso destina-se a todos os alunos com frequência do 12º ano de escolaridade e com o máximo de três disciplinas sem aproveitamento do plano curricular frequentado.
 
REUNIÃO PARA OS CRISMAS
Para a preparação dos Crismas na Ribeira Seca, haverá uma reunião no dia 4 de julho às 19h30, na Igreja, para todas as pessoas e em especial para os crismandos, pais e padrinhos, para preparar a celebração do Crisma que será no dia 11 de julho pelas 20h00.

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 752

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas