Nº 706

O POBRE E O PRÓXIMO

Onde e quando um homem sofre, aí mesmo surge a necessidade de um próximo. O sofrimento maior é o da dor que se sente não havendo com quem a partilhar. A solidão é uma deficiência no ser, não há eu sem nós. Não há individualidade sem comunidade. O fim de cada ser humano é o amor, um compromisso em que se realiza o eu em nós.

O outro não deve nunca ser um instrumento que eu utilizo com vista a alcançar um qualquer outro fim. Ninguém é uma coisa. O outro nunca é meu.

Só a partilha combate a pobreza.

São os gestos que nos definem… mas também o silêncio entre eles.

A nossa sociedade tem-se construído em torno do egoísmo. Consome-se no sentido de comprar, usar e deitar fora. A maior miséria do nosso mundo é que algumas pessoas são, para nós, insignificantes. Estão fora do nosso mundo. Descartados. Excluídos.

Se, em alguns casos, a riqueza é justa e a pobreza é fruto de desleixo, é também verdade que onde abundam a riqueza e a pobreza, aí falhou a comunidade. Há uma razão simples para que os pobres sejam pobres. A miséria de uns é um sinal concreto de que a riqueza de outros pode ser uma violência. Porque têm o que não usam. Porque possuem como supérfluo o que para outros seria essencial.

Isolam-se, excluem o outro. Atiram-no para longe, onde não o possam ver nem ouvir. Chegam a temer um contágio qualquer. Desconhecem que onde os ricos têm a ansiedade, têm os pobres a esperança. Não sabem que há na pobreza uma alegria autêntica, que deriva de uma liberdade imensa. Mas este é um mistério absoluto para quem nunca esteve privado de quase tudo. Hoje, onde escasseiam o dinheiro, a tecnologia e as armas, abundam a humanidade, a entreajuda e a espiritualidade. Muitas vezes o ter encobre o ser.

A grandeza de cada um de nós só se descobre quando somos capazes de dar o que temos ao que somos.

Ser pobre é, ainda assim, ter alguma coisa, mas ter falta do que é essencial.

É da maior importância que consigamos trazer os que estão à margem para perto do centro. Para junto de todos. Onde sejamos capazes de ser quem somos, todos.

Quantas vezes foi o outro que se aproximou de mim quando eu estava abandonado ao sofrimento?

Amar o outro como a mim mesmo é colocar no centro o amor que me atrai a mim e ao outro. Amar é criar algo maior do que eu. Um nós. Amar não é andar atrás de Deus. É tê-lO atrás de nós, contente comigo, contente com outro, feliz connosco.

José Luís Nunes Martins

XX DOMINGO DO TEMPO COMUM

A liturgia do 20º Domingo do Tempo Comum repete o tema dos últimos domingos: Deus quer oferecer aos homens, em todos os momentos da sua caminhada pela terra, o “pão” da vida plena e definitiva. Naturalmente, os homens têm de fazer a sua escolha e de acolher esse dom.

No Evangelho, Jesus reafirma que o objetivo final da sua missão é dar aos homens o “pão da vida”. Para receber essa vida, os discípulos são convidados a “comer a carne” e a “beber o sangue” de Jesus – isto é, a aderir à sua pessoa, a assimilar o seu projeto, a interiorizar a sua proposta. A Eucaristia cristã (o “comer a carne” e “beber o sangue” de Jesus) é um momento privilegiado de encontro com essa vida que Jesus veio oferecer.

A primeira leitura oferece-nos uma parábola sobre um banquete preparado pela “senhora sabedoria” para os “simples” e para os que querem vencer a insensatez. Convida-nos à abertura aos dons de Deus e à disponibilidade para acolher a vida de Deus (o “pão de Deus que desce do céu”).

A segunda leitura lembra aos cristãos a sua opção por Cristo (aquele Cristo que o Evangelho de hoje chama “o pão de Deus que desceu do céu para a vida do mundo”). Convida-os a não adormecerem, a repensarem continuamente as suas opções e os seus compromissos, a não se deixarem escorregar pelo caminho da facilidade e do comodismo, a viverem com empenho e entusiasmo o seguimento de Cristo, a empenharem-se no testemunho dos valores em que acreditam.

Dehonianos

 

MEDITAR

 

SALMO  167

Deus de todas as manhãs, da Vida e da Paz, meu Senhor e meu Dono,
Jesus ensinou-nos a chamar-te Abba e abriu-nos a porta…

Depois, ensinou-nos a pedir-Te o Pão Nosso de cada dia,
a olharmos ao fim do dia as cores do horizonte
para discernirmos como vai ser o dia seguinte
e…
a deixarmos o resto para a Confiança.

Como um filho…

Que os dias que ficaram para trás repousem agora nas Tuas mãos
para serem curados
e os que ainda não existem nasçam também nas Tuas mãos
para nos poderem ser oferecidos,
para vivermos o melhor da vida como um dom.

Porque, Bom Deus, tenho dúvidas se o melhor da vida
também se ganha com o suor do rosto…

Como um filho…

É mais importante ter um Coração maleável
à brisa do Espírito e às curvas da vida,
do que uma ideia fixa que esmague os obstáculos e perfure todos os montes.
Porque o fim, ainda que se lá chegue, é sempre triste e solitário…
... e não se celebra bem sozinho.

Rui Santiago

 

CONTO (566)

 

O LEÃO E O PASTOR

 

Um leão enganou-se no caminho e teve de passar por um matagal. Um espinho espetou-se numa pata e era tal a dor que não podia andar. Quase a arrastar-se encontrou um pastor, que lhe quis dar de comer. Mas o leão disse-lhe:

- Não tenho fome. Preciso é que me tires o espinho.

O pobre animal ajoelhou-se e o pastor, com todos os cuidados, conseguiu arrancar-lhe o espinho.

Como sinal de agradecimento, o leão lambeu a mão ao pastor e seguiu viagem.

Passados alguns anos, o leão foi levado para Roma a fim de dar espetáculo no Coliseu como devorador de prisioneiros. Aconteceu também que o pastor foi preso e sentenciado para ser devorado pelas feras.

Chegado o momento da execução da sentença, o leão entrou furioso na arena. Imediatamente depois, levaram o prisioneiro.

Aconteceu então algo nunca visto até então. O leão, ao ver o pastor, sentou-se diante dele e como que lhe fazia carícias com uma das suas grandes patas. O pastor reconheceu que era aquele o leão a quem ele um dia tinha tirado um espinho.

Vieram outras feras para o devorar, mas o leão defendia-o com unhas e dentes.

In Tutti Frutti  de Pedrosa Ferreira

 

 

 

Pássaros nascidos em uma gaiola pensam que voar é uma doença.

Yasmin Mogahed

 

Este céu passará e então teu riso descerá dos montes pelos rios até desaguar no nosso coração.

 Ruy Belo

 

Uma pessoa chamada “Caminho” é alguém por onde andar, é existência a percorrer, é território a descobrir com os sentidos.

Rui Santiago

 

 


 

INFORMAÇÕES

CLÍNICA DOS BOMBEIROS VOLUNT´RIOS DA CALHETAa Rute Couto, cardiologista, nos dias 4 e 5 de setembro; a Dr.a Alexandra Dias, pediatra, nos dias 18 e 19 de setembro e o Dr. Brasil Toste, otorrinolaringologista, em setembro em data ainda por determinar.
Os interessados podem fazer a sua marcação para os números 295 460 110/ 295 460 111.

A Associação de Bombeiros Voluntários da Calheta informa que estará na Clínica da Instituição a Dr.

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 706

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas