Nº 673

DA MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO PARA O DIA MUNDIAL DA PAZ.

Na segunda mensagem para esta celebração anual, assinalada a 1 de janeiro, o Papa escolheu como tema ‘Já não escravos, mas irmãos’, condenando a “rejeição do outro, maus-tratos às pessoas, violação da dignidade e dos direitos fundamentais, institucionalização de desigualdades”.

Francisco fala sobre as “múltiplas faces da escravatura”, recordando trabalhadores e trabalhadoras, incluindo menores, “escravizados nos mais diversos setores”; os imigrantes remetidos para a clandestinidade ou para “condições indignas” de vida e trabalho.

“Sim! Penso no «trabalho escravo»”, alerta o Papa, desafiando as empresas a “garantir aos seus empregados condições de trabalho dignas e salários adequados” e a “vigiar para que não tenham lugar, nas cadeias de distribuição, formas de servidão ou tráfico de pessoas humanas”.

A mensagem alude ainda às redes de prostituição, aos casamentos forçados, ao tráfico e comercialização de órgãos, às crianças-soldados, aos pedintes, ao recrutamento para produção ou venda de drogas e a formas disfarçadas de adoção internacional.

O Papa chama a atenção para “aqueles que são raptados e mantidos em cativeiro por grupos terroristas”, servindo como “combatentes” ou como “escravas sexuais”.

“O flagelo generalizado da exploração do homem pelo homem fere gravemente a vida de comunhão e a vocação a tecer relações interpessoais marcadas pelo respeito, a justiça e a caridade”.

Face à dimensão atual do problema, Francisco propõe um compromisso global de “prevenção, proteção das vítimas e ação judicial contra os responsáveis” pelas formas de escravatura e tráfico humanos.

“Tal como as organizações criminosas usam redes globais para alcançar os seus objetivos, assim também a ação para vencer este fenómeno requer um esforço comum e igualmente global por parte dos diferentes atores que compõem a sociedade”

O Papa espera uma “mobilização de dimensões comparáveis às do próprio fenómeno” para combater o “flagelo da escravidão contemporânea”, pedindo às instituições e a cada um que “não se tornem cúmplices deste mal, não afastem o olhar à vista dos sofrimentos de seus irmãos e irmãs em humanidade, privados de liberdade e dignidade”.

 “Na raiz da escravatura, está uma conceção da pessoa humana que admite a possibilidade de a tratar como um objeto”.

 

FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA

A liturgia deste domingo propõe-nos a família de Jesus como exemplo e modelo das nossas comunidades familiares… Como a família de Jesus – diz-nos a liturgia deste dia – as nossas famílias devem viver numa atenção constante aos desafios de Deus e às necessidades dos irmãos.

O Evangelho põe-nos diante da Sagrada Família de Nazaré apresentando Jesus no Templo de Jerusalém. A cena mostra uma família que escuta a Palavra de Deus, que procura concretizá-la na vida e que consagra a Deus a vida dos seus membros. Nas figuras de Ana e Simeão, Lucas propõe-nos também o exemplo de dois anciãos de olhos postos no futuro, capazes de perceber os sinais de Deus e de testemunhar a presença libertadora de Deus no meio dos homens.

A segunda leitura sublinha a dimensão do amor que deve brotar dos gestos dos que vivem “em Cristo” e aceitaram ser “Homem Novo”. Esse amor deve atingir, de forma muito especial, todos os que connosco partilham o espaço familiar e deve traduzir-se em determinadas atitudes de compreensão, de bondade, de respeito, de partilha, de serviço.

A primeira leitura apresenta, de forma muito prática, algumas atitudes que os filhos devem ter para com os pais… É uma forma de concretizar esse amor de que fala a segunda leitura.

Dehonianos

 

MEDITAR

 

SALMO

 

Senhor de todas as manhãs,

Amor que precede os meus começos,

 

quero colocar a minha Vida suspensa dos teus lábios, Mestre,

para que se torne uma só coisa com a tua PALAVRA

no exato momento em que a digas…

 

 

Porque havemos de esperar, Senhor?

Quero o que tu queres, não tenho medo das tuas surpresas…

Procuro-as, isso sim,

às vezes ainda como uma pequena criança

encantada e sôfrega

que a meio das correrias vai pôr a boca no repuxo do jardim…

 

Onde estão, ó Mestre,

todas as máscaras que os homens te forjaram?

Dá-mas a mim… Deixa-me parti-las,

juntamente com os tronos em que quiseram sentar-te

e as roupas que quiseram vestir-te

para afastar-te dos mais pobres!

 

Tu que és o encanto…

Tu que constróis comigo uma história

feita de alvoradas como esta,

em que o Fascínio que me provocas

se torna numa fonte inesgotável

de Alegria, Esperança e Fortaleza!

 

 in Salmos para o Terceiro Milénio

 CONTO (532)

QUANDO DEUS CRIOU  AS MÃES

Diz uma lenda que quando Deus criou as mães, um mensageiro se aproximou-se dele e perguntou-lhe porque tinha tanto cuidado. Em que é que ela era tão especial para ser criada assim.

Deus explicou que ela teria o papel de mãe de forma que merecia uma especial atenção. Deus disse que ela deveria ter:

-Um beijo que tivesse o dom de curar qualquer coisa, desde pequenas ofensas até família destroçada e separada. Deveria ser dotada de mãos hábeis e ligeiras que agissem depressa para fazerem o lanche do filho, enquanto fizesse a refeição para toda a família. 

Deveria ter  noções básicas de enfermagem e fosse catedrática em medicina da alma. Que aplicasse curativos nos ferimentos do corpo e colocasse bálsamo nas chagas da alma ferida e magoada. Mãos que soubessem acarinhar, mas que fossem seguras  para transmitir segurança ao filho nos passos vacilantes.

Mãos que soubessem transformar um pedaço de tecido quase insignificante numa roupa especial para a festa da escola.

Por ser mãe deveria ser dotada de muitos pares de olhos. Um par para ver através de portas fechadas, para aqueles momentos em que se perguntasse o que é que as crianças estão a fazer no quarto fechado. Outro par para ver o que não deveria, mas precisa saber e, naturalmente, olhos normais para fitar com doçura uma criança em apuros e dizer-lhe: "eu  compreendo-te. Não tenhas medo. Eu amo-te, mesmo sem dizer nenhuma palavra.

Por ser mãe deve resistir às adversidades e conseguir proteger os filhos. Ser capaz de esquecer as própras dores e doenças para tratar dos seus filhos. Ser capaz de alimentar os filhos com pão e amor.

Por ser mãe deve ter a capacidade de chorar de saudade e dor e mesmo assim insistir para que o filho procure a felicidade e consiga ser alguém.

Por ser mãe deve ter capacidade de ter lágrimas especiais para os dias de alegria e os dias de tristeza, para as horas de desilusão e para as horas de solidão.

Por ser mãe deve ter lábios ternos que sabem cantar canções de embalar para as crianças e tivesse sempre as palavras certas para o filho arrependido pelas tolices feitas. Lábios que soubessem falar de Deus, do universo e do amor. Que cantassem poemas de exaltação à beleza da paisagem e aos encantos da vida.

 

 

 

 “Ainda hoje milhões de pessoas – crianças, homens e mulheres de todas as idades – são privadas da liberdade e constrangidas a viver em condições semelhantes às da escravatura”.

PENSAMENTO DA SEMANA

 

Todo o menino quer ser homem.
Todo o homem quer ser rei.
Todo o rei quer ser Deus.
Só Deus quis ser menino
.

 


INFORMAÇÕES

CONCERTO DE ANO NOVO

No próximo dia 3 de janeiro de 2015, promovido pela Sociedade União Popular da Ribeira Seca, pelas 21 horas, na Igreja de São Tiago da Ribeira Seca, Concerto de Ano Novo para o qual convida toda a população da ilha.

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 673

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas