Nº 672

 

  SANTO E FELIZ NATAL


 São os Votos dos Padres:

 Manuel António Santos

António Duarte Azevedo

Marcos Miranda

Ruben Pacheco

 O Natal que não podemos deixar que acabe é este acontecimento extraordinário de uma criança a quem chamamos Deus Connosco… por outras palavras: acreditamos num Deus que, para nos salvar, arranja maneiras de ir buscar dentro de nós o que temos de mais humano, mais sensível, mais terno.

Rui santiago

 

IV DOMINGO DO ADVENTO

Deus, esse desconhecido

Certo dia, uma menina de seis anos veio contar-me, toda satisfeita:

- Senhor Padre, eu ontem fui à catequese.

- Muito bem, Marilisa. E com certeza aprendeste muitas coisas. Diz-me, por exemplo, o que é que já sabes.

- Eu aprendi que o Pai do Menino Jesus não é São José...

- Ótimo! És capaz de dizer então quem é o Pai de Jesus?

A Marilisa põe-se a pensar, esforça-se e desiste:

- É um Senhor que já não me lembra o nome...

É verdade, Deus é um Senhor que não conhecemos bem. Tal como nos diz São Paulo neste IV Domingo do Advento, é "um mistério encoberto desde os tempos eternos mas agora manifestado e dado a conhecer a todos os povos".

Somos limitados para compreender o mistério de Deus mas Ele conhece-nos bem, tal como conhecia a Virgem Maria e os desejos do rei David. O Natal vem ensinar-nos algo sobre Deus: Ele é Pai. É ao mesmo tempo um Irmão, que nasceu com um rosto humano para nos lembrar que O podemos encontrar no nosso semelhante.

Obrigado, Marilisa, por me teres lembrado que se sabemos pouco de Deus, Ele revela– Se como Alguém próximo, a caminhar connosco. Ele entrou na nossa história para nos ajudar a conhecer melhor, a Ele e a nós mesmos.

José David Quintal Vieira, scj

 

MEDITAR

 

HINO DE LAUDES

 

Nasceu o Verbo eterno sem começo,

O Criador do homem fez-se homem,

À terra de que Deus é Senhor

O Altíssimo desceu feito Menino.

Em nossa carne veio o Poderoso

Na fraqueza mostrar a sua força.

 

Misterioso sinal do amor divino:

O Criador do mundo é criatura,

Como escravo nasceu o grande Rei,

Em figura mortal o Autor da Vida.

Servindo o homem, vem o nosso Deus

Trazer aos homens vida em plenitude.

 

Ó Virgem gloriosa, Mãe de Deus,

Ó filha predileta do Altíssimo.

Habitou em teu seio virginal

Aquele que o mundo todo não contém,

Ó Virgem, que à luz destes a luz ao mundo,

Senhora, Mãe de Cristo e nossa Mãe!

Da Liturgia das Horas

 CONTO (531)

 A Lenda da Vela de Natal

 Era uma vez um pobre sapateiro que vivia numa cabana, na encruzilhada de um caminho, perto de um pequeno e humilde povoado. Como era um homem bom e queria ajudar os viajantes, que à noite por ali passavam, deixava na janela da sua casa, uma vela acesa todas as noites, de modo a guiá-los. E apesar da doença e a fome, nunca deixou de acender a sua vela. Veio então uma grande guerra, e todos os jovens partiram, deixando a cidade ainda mais pobre e triste. As pessoas do povoado ao verem a persistência daquele pobre sapateiro, que continuava a viver a sua vida cheio de esperança e bondade, decidiram imitá-lo e, naquela noite, que era a véspera de Natal, todos acederam uma vela em suas casas, iluminando todo o povoado. À meia-noite, os sinos da igreja começaram a tocar, anunciando a boa notícia: a guerra tinha acabado e os jovens regressavam às suas casas!

Todos gritaram: “É um milagre! É o milagre das velas!”. A partir daquele dia, acender uma vela tornou-se tradição em quase todos os povos, na véspera de Natal.

 

A Lenda da Rosa de Natal

 Na noite em que o menino Jesus nasceu, uma pequena pastora, que no monte guardava o seu rebanho, viu passar alguns pastores e três Reis Magos, que se dirigiam para o estábulo onde Jesus estava, em palhas deitado, junto de Maria e José. Os pastores levavam presentes e, os três Reis Magos, levavam ricas ofertas de ouro, incenso e mirra!

A pequena pastora ficou triste, pois não tinha nada para oferecer ao menino Jesus, e começou a chorar. Um anjo, que por ali passava, ao ver tamanha tristeza, passou junto da menina e, quando as suas lágrimas caíram na terra gelada, transformou-as em lindas rosas brancas, que a menina com o coração carregado de felicidade, rapidamente apanhou e levou como oferta ao menino Jesus.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 Dizei-me: quando pelo Natal visitais um presépio, não vos enternece aquela pobreza, aquela humildade, aquele desamparo?

 Pe. António Vieira

 


INFORMAÇÕES

CORTEJOS DE OFERENDAS

Dia 25 de dezembro - Fajã dos Vimes

Dia 28 de dezembro - Portal

Dia 1 de janeiro - Biscoitos - Loural - Ribeira Seca

Dia 4 de janeiro - Manadas - Calheta - Urzelina

Dia 11 de janeiro - Er.da de S.to António

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 672

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas