Nº 656

Cartas de e a Deus

 

Quero que saibas que cada vez que Me convidas, Eu venho sempre sem falta.
Venho em silêncio e de forma invisível, mas com um poder e um amor que não acabam.
Não há nada na tua vida que não tenha importância para Mim.
Sei o que existe no teu coração, conheço a tua solidão
e todas as tuas feridas, as tuas rejeições e humilhações.
Eu suportei tudo isso por causa de ti,
para que pudesses partilhar a minha força e a minha vitória.
Conheço, sobretudo, a tua necessidade de amor.
Nunca duvides da Minha misericórdia, do Meu desejo de te perdoar,
do Meu desejo de te bendizer e viver a Minha vida em ti
e que te aceito sem Me importar o que tenhas feito.
Se te sentes com pouco valor aos olhos do mundo, não importa.
Não há ninguém que Me interesse mais no mundo do que tu.
Confia em Mim. Pede-me todos os dias que entre
e que me encarregue da tua vida que Eu o farei.
A única coisa que te peço é que confies plenamente em Mim. Eu farei o resto.
Tudo o que procuras-te fora de Mim só te deixou mais vazio.
Portanto, não te prendas às coisas passageiras.
Mas, sobretudo, não te afastes de Mim quando caíres.
Vem a Mim sem demora, porque quando me dás os teus pecados,
dás-me a alegria de ser teu Salvador.
Não há nada que Eu não possa perdoar.
Não importa o quanto tenhas andado sem rumo.
Não importa quantas vezes te esqueceste de Mim.
Não importa quantas cruzes levas na tua vida.
Tu já experimentaste muitas coisas, no teu desejo de ser feliz.
Porque é que não experimentas abrir-Me o teu coração,
agora mesmo, mais do que nunca?

Teu Deus 

Madre Teresa de Calcutá

 

XXII DOMINGO DO TEMPO COMUM

A liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum convida-nos a descobrir a “loucura da cruz”: o acesso a essa vida verdadeira e plena que Deus nos quer oferecer passa pelo caminho do amor e do dom da vida (cruz).

Na primeira leitura, um profeta de Israel (Jeremias) descreve a sua experiência de “cruz”. Seduzido por Jahwéh,

Jeremias colocou toda a sua vida ao serviço de Deus e dos seus projetos. Nesse “caminho”, ele teve que enfrentar os poderosos e pôr em causa a lógica do mundo; por isso, conheceu o sofrimento, a solidão, a perseguição… É essa a experiência de todos aqueles que acolhem a Palavra de Jahwéh no seu coração e vivem em coerência com os valores de Deus.

A segunda leitura convida os cristãos a oferecerem toda a sua existência de cada dia a Deus. Paulo garante que é esse o sacrifício que Deus prefere. O que é que significa oferecer a Deus toda a existência? Significa, de acordo com Paulo, não nos conformarmos com a lógica do mundo, aprendermos a discernir os planos de Deus e a viver em consequência.

No Evangelho, Jesus avisa os discípulos de que o caminho da vida verdadeira não passa pelos triunfos e êxitos humanos, mas passa pelo amor e pelo dom da vida (até à morte, se for necessário). Jesus vai percorrer esse caminho;   quem quiser ser seu discípulo tem de aceitar percorrer um caminho semelhante.

Dehonianos

 

MEDITAR

 

Quero a fome de calar-me

Quero a fome de calar-me. O silêncio. Único

Recado que repito para que não me esqueça. Pedra

Que trago para sentar-me no banquete

 

A única glória do mundo - ouvir-te. Ver

Quando plantas a vinha, como abres

A fonte, o curso caudaloso

Da vergôntea - a sombra com que jorras do rochedo

 

Quero o jorro da escrita verdadeira, a dolorosa

Chaga do pastor

Que abriu o redil no próprio corpo e sai

Ao encontro da ovelha separada. Cerco

 

Os sentidos que dispersam o rebanho. Estendo as direções, estudo-lhes

A flor - várias árvores cortadas

Continuam a altear os pássaros. Os caminhos

Seguem a linha do canivete nos troncos

 

As mãos acima da cabeça adornam

As águas noturnas - pequenos

Nenúfares celestes. As estrelas como pinhas fechadas

 

Caem - quero fechar-me e cair. O silêncio

Alveolar expira - e eu

Estendo-as sobre a mesa da aliança.

 

Daniel Faria

 

CONTO (516)

 

DEUS CONTA CONNOSCO

 

Certa dia, um Doutor, pediu a um motorista que o levasse urgentemente a casa de um doente num determinado bairro da cidade para atender ao doente.

O motorista respondeu-lhe que não podia, que queria deitar-se, porque era muito tarde.

O médico insistiu, dizendo que precisava atender a esta chamada muito urgente…

O motorista disse insatisfeito:

- Estou cansado! Arranje outro carro porque há muitos por ai.

O doutor insistiu um pouco mais.

- Mas é tarde. Estamos a perder tempo enquanto um doente pode morrer. Leve-me por favor…

Irritado, o motorista arrancou foi-se embora a resmungar:

- Ora essa. Era só o que me faltava aparecer. Não levo ninguém. Vou é dormir.

Ao chegar a casa, o motorista encontrou-a em alaridos, o seu filho de 5 anos estava com muitas convulsões e quase asfixiado.

Sem saber o que fazer, propôs colocá-lo no seu próprio carro e levá-lo à urgência do hospital, quando outro carro parou à porta e um médico saiu apressado.

O médico examinou a criança e identificou o grande mal asmático. Aplicou imediatamente uma adrenalina à criança e aguardava que tivesse alguma reação que lhe permitisse levar a criança ao hospital para a poder atender melhor e salvar.

O motorista olhou para o doutor e baixou os olhos, envergonhado. Era o médico que ele se negara a levar de urgência a um pedido de atendimento havia pouco tempo.

O doente a quem o médico precisava atender, com urgência, era o seu próprio filho.

Tantas vezes nos negamos a atender a um pedido que nos é feito porque achamos que não tem nada a ver connosco.

Esquecemo-nos da recomendação de Jesus de que devemos fazer aos outros o que gostaríamos que os outros nos fizessem.

Diz-nos o bom senso que devemos fazer o bem sem olhar a quem, e para o praticarmos uma única condição é necessária: a de que alguém precise do nosso auxílio.

Costumamos dizer com frequência: “Que Deus te ajude!”

E temos também que perguntar:

Como é que Deus pode  ajudar as pessoas, senão através das próprias pessoas?

É importante que pensemos nisto. Deus conta connosco, e cada vez que alguém precisar de ajuda, questionemo-nos: E se fosse um familiar meu? Como é que eu gostaria que o tratassem?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Só podemos vencer o adversário com o amor, nunca com o ódio.

 

O método da não-violência pode parecer demorado, muito demorado, mas eu estou convencido de que é o mais rápido.

 

Mahatma Gandhi

 


FESTA DE SANTO CRISTO

CALDEIRA

De 2 a 6 de setembro - Missa às 20h antecedida de confissões.

Dia 7 de setembro:            09h00 - Eucaristia
                                               11h00 - Eucaristia de Festa seguida de arrematações e procissão.

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 656

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 827

Pensamento da Semana

Dá-nos um coração claro que veja o céu aberto
e o mundo como os olhos de uma criança,
olhos de confiança e de descoberta
que nos salvem dos hábitos.

 

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas