Nº 652

SE FOR TUA VONTADE

Amanhã, se for da Tua vontade, que eu acorde curada da minha cegueira para que os meus olhos, cheios da Tua luz, possam ver no amanhecer a beleza da Tua criação. Que eu saiba ver as pessoas à luz da Tua compaixão e assim veja espelhado, em cada uma delas, o reflexo do Teu amor.

 

Amanhã

Amanhã, se for da Tua vontade, que eu desperte da minha surdez para que possa ouvir nos sons que me rodeiam a doçura da Tua voz e, compreendendo as Tuas palavras, saiba tocar o mundo como Tu tocaste a minha vida.  Que a minha língua seja sempre instrumento da Tua paz oferecendo palavras de amizade, conselho e consolo a todos os que cruzarem o meu caminho. Que a minha boca cante sempre os Teus louvores reconhecendo, com gratidão e alegria, as maravilhas que fazes em nós.

 

Amanhã

Amanhã, se for da Tua vontade, transforma o meu coração de pedra num coração de carne capaz de amar o próximo como Tu nos amaste. Que eu saiba amar os meus inimigos e orar por aqueles que me perseguem sendo capaz de dar a outra face àqueles que me ofendem, oferecer também o meu manto a quem me pedir a túnica e caminhar duas milhas com quem me obrigar a caminhar uma. 

 

Amanhã

Amanhã, se for da Tua vontade, que eu saiba renunciar-me a mim mesma, tomar a minha cruz e seguir-Te confiante que, ao perder a minha vida por causa de Ti, salvá-la-ei. Que eu saiba deixar que se cumpra em mim a Tua vontade para ser, como me pedes, sal da terra e luz do mundo.

 

Amanhã

Amanhã, se for da Tua vontade, que eu acredite. Curada da minha incredulidade e revestida de fé, que eu acredite por saber, enfim, ver para além do olhar, escutar para além do ouvir, amar para além do sentir e compreender que, se for da Tua vontade, manterás acesa em mim a chama do Teu amor que arde hoje em meu coração.

 

Amanhã 

Amanhã, ao fim do dia, se for da Tua vontade, que a noite venha embalar o meu cansaço para que eu possa adormecer serena e feliz no Teu abraço. E, se for da Tua vontade, que no dia seguinte eu volte a acordar para de novo recomeçar. 

 

Raquel Dias

 

XVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM

Dar-se

Ainda hoje nós teimamos em dar coisas às pessoas em vez de nos darmos. Isto vai contra aquilo que Jesus fez e continua a fazer. Sempre que celebramos a Eucaristia, no ofertório apresentamos no altar de Deus coisas: pão e vinho, frutos da terra e do nosso trabalho. Em troca recebemos não coisas mas o próprio Jesus, o Seu Corpo e Sangue. Ele não dá coisas, dá-se a si próprio.

Recordo um episódio ocorrido num grande Centro Comercial. Mãe e filho passeavam por entre a multidão. O miúdo vinha carregado de prendas. A mãe oferecera-lhe um livro, uma cassete, um jogo, um gelado etc. A certa altura mostrou-se insatisfeito, nevoso até. A mãe perguntou-lhe:

- E agora o que é que queres que eu te dê?

- Eu quero que me dês a tua mão.

E assim de mãos dadas, foram passeando felizes, indiferentes a tantas prendas e a tantas maravilhas. Quando as pessoas se dão a si próprias, nada faltará a ninguém, porque tudo o mais virá por acréscimo.

Pe. José David Quintal Vieira, scj

 

MEDITAR

Cântico de Francisco apóstata nos braços de Clara

Louvado sejas, Senhor,
pelo irmão muçulmano que me quer morto,
pelo irmão capitalista que me quer escravo,
pelo irmão comunista que me quer fantoche,
pelo irmão patrão que me quer até não servir,
pelo irmão governante que me quer calado,
pelo irmão colega que me quer pelas costas,
pelo irmão discípulo que me quer ultrapassado,
pelo irmão amigo que me quer quando dá jeito,
pelo irmão camarada que me quer alinhado,
pelo irmão sacerdote que me quer reverente,
pelo irmão lobo que me quer extinto,
pela irmã cobra que me quer mordido,
pelo irmão católico que me quer alienado,
pelo irmão protestante que me quer outro,
pelo irmão ateu que me quer ateu,
pelo irmão desconhecido que me quer incógnito,
pelo irmão idealista que me quer teoria,
pelo irmão marxista que quer peça descartável,
pelo irmão Sol que não sabe que existo,
pelo irmão Senhor que em mim resiste quando o nego.
Louvado sejas, Senhor, pelas tuas criaturas que não aturas
nas tuas inalcançáveis transcendentes alturas.
Obrigado, Senhor, pelo amor fraternal. Menos mal, Senhor,
Obrigado pelo irmão Eu, entre o agnóstico e o ateu, que te agradece porque não és meu
Nem eu sou teu. Graças a ti, Senhor,
Dei-me a uma criatura que me atura, apesar da sua inalcançável transcendente altura.
Obrigado, Senhor, por me teres dado ao paciente irmão verdugo que se chama Amor,
antes de retornar irmãmente aos braços do Criador.

 Meu irmão Manuel Anástacio, o Venturoso.

 

CONTO (512)

 

A ALEGRIA DO TRABALHO

Um grande pesquisador da alma humana, interessado em estudar os sentimentos alimentados no íntimo de cada ser, resolveu iniciar sua busca junto àqueles que estavam em pleno exercício de suas profissões.

Dirigiu-se, então, a um edifício em construção e ali permaneceu por algum tempo a observar cada um daqueles que, de uma forma ou de outra, faziam com que um amontoado de materiais fossem tomando a forma de um arranha-céu.

Depois de observar cuidadosamente, aproximou-se de um dos pedreiros que empurrava um carrinho de mão, cheio de pedras e  perguntou-lhe:

- Pode dizer-me o que está a fazer?

O pedreiro, com acentuada irritação, devolveu-lhe outra pergunta:

- O senhor não está a ver que estou a transportar pedras?

O pesquisador andou mais alguns metros e perguntou a outro trabalhador que, como o anterior, também empurrava um carrinho cheio de pedras:

- Posso saber o que está a fazer?

O homem respondeu:

- Estou a trabalhar, porque preciso cuidar do meu sustento e da minha família.

Mais alguns passos e o estudioso aproximou-se de outro trabalhador e fez-lhe a mesma pergunta.

O trabalhador tirou cuidadosamente o carrinho de pedras, levantou os olhos para contemplar o edifício que já contava com vários pisos e, com brilho no olhar, que refletia o seu entusiasmo, disse:

- Ah, meu amigo! eu estou a ajudar a construir este majestoso edifício!

 

Ao proclamar a frase de Jesus no Evangelho: Dai-lhes vós de comer - sempre tive a sensação de que Jesus pedia aos seus discípulos que se dessem às pessoas. O que elas precisavam não era só de pão para comer mas sobretudo de alguém que lhes falasse, lhes desse atenção, que as escutasse e acolhesse. Por isso os discípulos deviam oferecer-se às pessoas, antes de lhes servir o pão.

Amanhã

As pessoas, geralmente, têm uma visão plana, pegada à terra, de duas dimensões.

Quando a tua vida for sobrenatural, obterás de Deus a terceira dimensão: a altura.

E, com ela, o relevo, o peso e o volume.

Josemaría Escrivá

 


INFORMAÇÕES

 

 

CLÍNICA DENTÁRIA DA RIBEIRA SECA

A Clínica Dentária da Ribeira Seca, informa que a partir do dia 25 de julho de 2014, a Dr.ª Cátia Reis – Médica Dentista – estará a fazer consultas todos os dias.

 

FESTA DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM

PORTAL

Tríduo - Dia 6 Eucaristia à 20h, dia 7 Eucaristia  às 20h.

                  - Dia 8 confissões às 19 horas, a seguir Eucaristia

Festa dia 10 de agosto - Missa às 11h  e procissão às 19h30.

 

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 652

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 827

Pensamento da Semana

Dá-nos um coração claro que veja o céu aberto
e o mundo como os olhos de uma criança,
olhos de confiança e de descoberta
que nos salvem dos hábitos.

 

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas