Nº 643

«Uma história, por favor!» (Adaptado)

Comemoramos o Dia Mundial da Criança  com um texto de Maria Teresa Maia Gonzalez escrito para este dia.

Um destes dias, ia sentada no autocarro atrás de uma menina e da sua mãe, que tinha ido buscá-la à escola. Como a menina não fazia questão de falar baixo e o autocarro ia silencioso, não pude deixar de ouvir a conversa…

- Mãe, logo contas-me uma história antes de eu dormir?

A mãe não respondeu, mantendo-se virada para a paisagem que via pela janela. Assim, a filha voltou a pedir, desta feita com mais delicadeza:

- Mãe, logo à noite contas-me uma história, por favor?

 A jovem mãe da criança deu-lhe, então atenção:

- Ó Ana, tu sabes que eu não tenho cabeça para te contar histórias! Ando estafada, não vês?

- Mas era só uma história pequenina… - tornou a Ana, fazendo uma voz irresistível.

- Tu agora até já sabes ler! – atalhou a mãe.

- Pois, mas não é a mesma coisa – refilou a menina.

- Ora! Quando fores passar um fim de semana a casa do teu pai, pede-lhe que te conte uma história, que ele deve andar mais folgado do que eu – replicou a mãe, já a impacientar-se.

A criança ficou algum tempo calada. Por fim, voltou à carga:

- É que o pai não tem tempo. Ele chega a casa quando eu já estou a dormir…

- Pedes-lhe que te conte a história de manhã – sugeriu a mãe, agora mais sensibilizada.

- Oh… De manhã o pai vai logo para o computador e, além disso tem de ser à noite!

A mãe não entendeu aquela lógica e, desviando novamente o olhar da janela, interessou-se:

- Mas, afinal, tem de ser à noite porquê?

- É que a minha professora disse que, quando ela era pequenina, o pai ou a mãe dela contavam-lhe uma história à noite e que isso a fazia sonhar!

- Ah, já estou a perceber… - disse, então, a mãe da Ana. – Tu queres é sonhar… E queres sonhar com quê, posso saber?

A menina voltou a ficar em silêncio. Depois, respondeu, como se falasse para si mesma:

 - Eu queria sonhar que o pai e tu tinham um bebé… E eu tinha um mano pequenino…

A mãe exasperou-se:

- Mas que coisa! Então tu não sabes que o teu pai escolheu a família dele, Ana?! Não falámos já tantas vezes sobre isso?!

- Sim… - respondeu a menina, em voz mais baixa, encolhendo-se no banco. – Mas o que eu queria saber é porque é que ele não me escolheu a mim…

 

SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR

A Festa da Ascensão de Jesus, que hoje celebramos, sugere que, no final do caminho percorrido no amor e na doação, está a vida definitiva, a comunhão com Deus. Sugere também que Jesus nos deixou o testemunho e que somos nós, seus seguidores, que devemos continuar a realizar o projeto libertador de Deus para os homens e para o mundo.

O Evangelho apresenta o encontro final de Jesus ressuscitado com os seus discípulos, num monte da Galileia. A comunidade dos discípulos, reunida à volta de Jesus ressuscitado, reconhece-O como o seu Senhor, adora-O e recebe d’Ele a missão de continuar no mundo o testemunho do “Reino”.

Na primeira leitura, repete-se a mensagem essencial desta festa: Jesus, depois de ter apresentado ao mundo o projeto do Pai, entrou na vida definitiva da comunhão com Deus – a mesma vida que espera todos os que percorrem o mesmo “caminho” que Jesus percorreu. Quanto aos discípulos: eles não podem ficar a olhar para o céu, numa passividade alienante; mas têm de ir para o meio dos homens, continuar o projeto de Jesus.

A segunda leitura convida os discípulos a terem consciência da esperança a que foram chamados (a vida plena de comunhão com Deus). Devem caminhar ao encontro dessa “esperança” de mãos dadas com os irmãos – membros do mesmo “corpo” – e em comunhão com Cristo, a “cabeça” desse “corpo”. Cristo reside no seu “corpo” que é a Igreja; e é nela que Se torna, hoje, presente no meio dos homens.

Dehonianos

 

MEDITAR

HINO À CRIANÇA

A criança?... Sim!

A criança é alívio dos nossos pesares, o nascer dum coração novo, a vontade de prosseguir, o júbilo duma nova canção…

A criança é a leveza do nosso fardo, a certeza de que não ficamos pesarosos por afinal sermos crianças em tantas das nossas ações, quando elas nos falam e nos querem ensinar.

Os seus olhos puros e ávidos duma canção que nos querem ensinar, a sua inteligência que nos querem transmitir até que a ponhamos em prática, os passos da internet que querem que aprendamos, para nos colocarem em pé de igualdade com elas, são amores da criança que nos encantam e nos tornam crianças também, não tanto pela riqueza do conteúdo mas pelo amor transparente.

Crianças!... crianças!... Pureza!... Simplicidade!...Altruísmo!...Realeza do AMOR!...

Por isso, Senhor, disseste: "Deixai vir a mim as criancinhas que delas é o reino dos céus"

Por isso, Senhor, afirmaste "Quem não se fizer criança não entrará no Reino dos céus".

Que paz me trouxeste com a simplicidade daquela criança que me telefonou, com uma mansidão que só ela teria comigo naquela hora... Parece que tudo esqueci e as lágrimas de PAZ caíram-me pela face.

Obrigada, Senhor, porque afinal sou capaz de esquecer a dureza como a simplicidade duma criança. Deixa que a reta intenção seja também aclamada com a razão duma criança e ponha de lado as objeções pérfidas de tantos adultos.

Maria do Rosário Guerra

 

CONTO (503)

 

O GUARDA-CHUVA À PORTA

Certa vez, um Mestre mandou chamar um dos seus discípulos, que se encontrava isolado numa cabana, nos arredores de um mosteiro Zen. Esse discípulo já estava sob a direção do seu mestre há muitos anos.

 Como o Mestre tinha muitos discípulos, era difícil de se conseguir uma entrevista particular com ele. O discípulo achou estranho o facto do Mestre estar a chamá-lo para ter uma conversa. Começou a ficar preocupado e a pensar: “o que será que o Mestre deseja de mim?”, “será que ele me vai perguntar alguma coisa sobre o Dharma, para me experimentar?”, “será que ele deseja dar-me algum cargo ou tarefa?”. Com a mente cheia de  pensamentos, pôs-se a andar. Como estava a chover, levou o seu guarda-chuva.

Ao chegar à casa do Mestre, ele fechou o guarda-chuva e colocou-o num canto. Pôs as suas sandálias molhadas ao lado do guarda-chuva. Em frente do Mestre, fez as cerimónias que mandam a etiqueta monástica e sentou-se.

O Mestre perguntou-lhe:

- Quando entraste aqui, de que lado do guarda-chuva puseste as tuas sandálias?

O discípulo não conseguiu lembrar-se. O Mestre então disse-lhe:

- Volta para a tua cabana e medita!

Desta maneira, o Mestre quis dizer que meditação e vida quotidiana são uma única realidade. Não podemos separar a nossa vida diária do ato de atenção com que devemos fazer todas as coisas…

 

Aquele que vive no amor, mesmo tendo poucas coisas, vive na abundância.

 

Amado, é livre.

Por isso, não teme.

E, não temendo, não precisa de acumular coisas,

nem de fingir ser o que não é,

nem de recear o amanhã.

Não se incha, querendo ser o que não é.

Não se diminui, deixando de ser o que é.

Esvaziado de «coisas incertas», vive de graça.

Na verdade, vive a graça.»

 

Pe. José Frazão Correia, in Entre-tanto

 


INFORMAÇÕES

 

CLÍNICA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DA CALHETA

A Direção da Associação de Bombeiros Voluntários da Calheta informa que estarão na sua Clínica os seguintes especialistas:

Dr. ª Renata Gomes, Cardiologista no dia 28 de maio de 2014.

Dr. ª Maria Graça Almeida, Ginecologista e Obstetra, a 12 junho de 2014.

Dr. Carlos Aguiar, Oftalmologista, de 16 a 20 de junho de 2014.

Dr. ª Paula Pires, Neurologista, a 27 junho de 2014.

Dr. ª Alexandra Dias, Pediatra, nos dias 20 e 21 de junho de 2014.

Dr. José Abreu Freire, Imagiologia, entre os dias 25 a 28 de junho de 2014.

Dr. ª Lourdes Sousa Especialidade: Dermatologista, nos dias 12 e 13 agosto de 2014.

Os interessados podem fazer as suas marcações para os números 295 460 110 / 295460111.

 

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS

Informam-se todos os Encarregados de Educação, que pretendam matricular os seus educandos no 1º ano de escolaridade, sem os mesmos terem frequentado nesta Unidade Orgânica, a Educação Pré – Escolar que deverão dirigir-se aos Serviços de Administração Escolar para proceder à referida matrícula, entre os dias 3 e 14 de junho de 2013, devendo fazerem-se acompanhar dos seguintes documentos: fotocópia obrigatória do Cartão de Cidadão; boletim de vacinas devidamente atualizado, de acordo com o Plano Regional de Vacinação ou documento comprovativo emitido pelo Centro de Saúde, fotocópia do documento do subsistema de saúde que abrange o aluno (ADSE, SSP, …).

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 643

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas