Nº 419

 

A LIÇÃO DA PALMEIRA

Não sei porquê, mas a palmeira é como que uma explosão de vida.

Os seus ramos abrigam vida. A vida de muitas dezenas de aves, pequenas, alegres, barulhentas e brincalhonas.

Pela aurora começa a festa com o encanto de alegres chilreios, chamando uns pelos outros para o alvorecer do dia, desfiando para o primeiro voo matinal. De vez em quando lá sai um e volta a poisar como que querendo acordar os mais preguiçosos. Anunciam a chegada do dia a toda a vizinhança.

Durante o dia é um vai e vem à palmeira. Trazem o alimento aos mais novos e aproveitam para um breve descanso.

À tarde é uma festa. Chegam mais barulhentos procurando o melhor lugar para passar a noite e contando uns aos outros as aventuras do dia.

É assim a vida na palmeira e ela lá está sempre pronta e paciente para a todos receber e proteger em seus ramos.

A palmeira dá segurança, abriga na noite,

Lá de cima observam a terra onde esticaram as suas robustas raízes para se levantarem direitas ao céu. Os seus ramos esvoaçam ao vento e desafiam as nuvens. Acolhem de mansinho a necessária chuva para o seu crescimento.

Os ramos mais novos parecem mãos postas a olhar o criador.

Elas são altas e robustas. Testemunham a vida de um povo pela antiguidade que me parecem ter.

Quase todos os dias, pela tarde, gosto de observar a vida nestas palmeiras, ao amanhecer só acontece às vezes. Parece-me que nos conhecemos bem.

Falo assim da palmeira porque tenho por companhia três, que me habituei a contemplar e a seguir a sua alegre vida.

Porque são três, fazem-me lembrar a Família Trinitária. Mistério de vida.

A palmeira abre os seus ramos a toda a vida que a procura. Dá segurança e confiança. Ergue-se ao céu a indicá-lo a todos. É robusta, bem enraizada.

A lição da palmeira é interessante. Abrir a vida a todos para acolher e abraçar. Saber que não sou sozinho mas com os outros. Fundamentar bem a vida com seriedade e confiança pondo de lado o que não edifica e nem dignifica a pessoa humana.

A lição da palmeira é interessante porque diz que não podemos estar só a olhar a terra mas temos de ter a ousadia de olhar e orientar a vida para o alto. Para o céu.

                                             Pe. Manuel António

 

A Palavra de Deus que nos é proposta neste domingo leva-nos a reflectir sobre o protagonismo que Deus e as suas propostas têm na nossa existência.

A primeira leitura põe frente a frente a auto-suficiência daqueles que prescindem de Deus e escolhem viver à margem das suas propostas, com a atitude dos que escolhem confiar em Deus e entregar-se nas suas mãos. O profeta Jeremias avisa que prescindir de Deus é percorrer um caminho de morte e renunciar à felicidade e à vida plenas.

O Evangelho proclama “felizes” esses que constroem a sua vida à luz dos valores propostos por Deus e infelizes os que preferem o egoísmo, o orgulho e a auto-suficiência. Sugere que os preferidos de Deus são os que vivem na simplicidade, na humildade e na debilidade, mesmo que, à luz dos critérios do mundo, eles sejam desgraçados, marginais, incapazes de fazer ouvir a sua voz diante do trono dos poderosos que presidem aos destinos do mundo.

A segunda leitura, falando da nossa ressurreição – consequência da ressurreição de Cristo –, sugere que a nossa vida não pode ser lida exclusivamente à luz dos critérios deste mundo: ela atinge o seu sentido pleno e total quando, pela ressurreição, desabrocharmos para o Homem Novo. Ora, isso só acontecerá se não nos conformarmos com a lógica deste mundo, mas apontarmos a nossa existência para Deus e para a vida plena que Ele tem para nós.

(Dehonianos)

 

NA HORA...

 

E a Humanidade inteira,

de olhos novos e de mãos dadas,

diante da face de Deus sussurrou: "Obrigado por Jesus!"

 

E fez-se um silêncio cheio.

E o Silêncio, inesperadamente, foi rasgado pela voz de Deus

que disse, encantado, à Humanidade que estava diante da Sua face: "Obrigado por Jesus!"

 

E o Silêncio fez-se rumor, e o rumor exaltação,

e o "Obrigado" dos Homens, dançando ainda no ar,

abraçou-se num rodopio ao "Obrigado" de Deus

enquanto Jesus, voando espalhado na brisa do Espírito,

escrevia nos céus de todos os mundos o nome dessa Hora: Aliança.

 Rui Santiago do Blogue Derrotar Montanhas

 

CONTO (290)

 

A ÁRVORE TRISTE

Era uma vez uma bela quinta onde existia toda a espécie de árvores de fruto: macieiras, laranjeiras, pereiras e outras mais. Havia também um jardim com variadas flores, predominando as rosas.

Quando se entrava nessa quinta respirava-se alegria, pois cada árvore procurava dar o que tinha de mais belo: os saborosos frutos. Também as roseiras alegravam o ambiente com a sua cor e o seu perfume.

Contudo, havia uma árvore que vivia muito triste por causa de um problema de identidade: não sabia quem era!

Queixou-se à macieira e esta disse-lhe:

- Se queres viver feliz, faz um esforço de interiorização, convence-te que és uma macieira e poderás ter saborosíssimas maçãs. Verás como é fácil.

A roseira que ouviu a conversa, disse-lhe:

- Não faças caso do que disse a macieira. É mais simples para ti dar rosas. Vês como elas são lindas. Terás rosas e serás feliz.

A árvore triste ouviu ainda o conselho de outras árvores. Todas lhe recomendavam o mesmo: que as imitasse e desse frutos iguais aos seus. Se elas viviam felizes, também ela seria feliz.

Em seguida, experimentou fazer o que lhe diziam mas foi um desastre. Não conseguiu dar maçãs, nem rosas, nem laranjas. Por isso, sentia-se cada vez mais frustrada.

Um dia, passou por ali um mocho, a mais sábia das aves. Ao ver o desespero da árvore triste, exclamou:

- Não te preocupes, porque o teu problema é o problema de muitos seres que habitam sobre a terra.

A árvore triste perguntou:

- E qual a solução para este problema?

O sábio mocho respondeu:

- Não passes a vida a procurar ser o que os outros querem que tu sejas. Conhece cada vez melhor a tua identidade e sê tu própria.

- E que hei-de fazer para conhecer a minha identidade?

- Escuta a voz interior que fala no teu íntimo. Ela te dirá quem és tu.

Dito isto, desapareceu. A árvore, ao cair da tarde, quando o silêncio cobria a quinta, fechou os olhos e os ouvidos. Ouviu então uma voz interior que lhe dizia:

- Tu nunca darás maçãs porque não és uma macieira; nunca florescerás na Primavera porque não és uma roseira. Tu és uma carvalho e o teu destino é cresceres grande e majestoso. Darás abrigo às aves, sombra aos viajantes, beleza à paisagem. Tu tens uma missão própria e deves cumpri-la.

A árvore triste, pouco a pouco, foi assumindo a sua verdadeira identidade de carvalho. Cresceu e, passados alguns anos, era uma árvore admirada e respeitada por todos. Sentia-se feliz.

In  CONTOS+MENSAGENS  de Pedrosa Ferreira

 

 

As pessoas afivelam uma máscara, e ao cabo de alguns anos acreditam piamente que é ela o seu verdadeiro rosto. E quando a gente lha arranca, ficam em carne viva, doridas e desesperadas, incapazes de compreender que o gesto violento foi a melhor prova de respeito que poderíamos dar.

(Miguel Torga)

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 419

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas