Nº 597

 

A MISSA NOVA DO CARLITOS
Hoje é a Missa Nova do Carlitos… Hoje chamam de Missa Nova, quando foi a minha, dizíamos Missa de Ação de Graças. O que interessa é esta entrega pela causa do Reino de Deus.
Lembro-me muito bem que há alguns anos a Irmã Filomena me disse:
- Ó Padre Manuel, eu acho que aquele rapaz dava um bom padre.
E lá me foi descrevendo as qualidades do Carlos, ao mesmo tempo que os seus olhos brilhavam de uma alegria por ter ajudado aquele rapaz a procurar esta entrega pelo Reino.
Sei que naquele tempo lhe respondi:
- Se é assim, o rapaz que vá para o Seminário e logo se vê.
Mas a Irmã Filomena disse:
- Mas ele tem muitas dificuldades, até arranjou um trabalhinho para ver se consegue ir para o Seminário.
Eu disse-lhe:
- O principal é ele querer, o resto há de se resolver.
Esta vida de sacerdote é feita destas histórias simples, vida comuns com os seus quase nada de importante, descobertas que se vão fazendo, caminhos que se vão transformando e tornando mais “ordenados” pelo amor e critérios de Deus.
É bom olhar a vida desta forma. Não pensar que o sacerdote tem um rasgo especial de Deus, como uma criatura diferente, alguém sem os pés na terra.
Sentir-se muito amado de Deus é coisa de todos, porque “Deus é Amor” lá diz o escritor, e este Amor só pode ser percebido com amor e quem o percebe “rebenta” para o deixar transparecer na vida e ser proclamado com a palavra.
É por isso que a Missa Nova é de toda a família de Deus. É de nós todos. Porque todos somos amados por Deus e todos valemos muito para Ele.
Pe. Manuel António
XV DOMINGO DO TEMPO COMUM
Fazer o mesmo
Quem é o nosso próximo? Em geral dizemos que é aquele que precisa de nós mas na Parábola de Jesus, próximo é aquele de quem nós precisamos.
- Quem foi o próximo daquele infeliz?
- Aquele que usou de misericórdia para com ele.
- Então, vai e faz o mesmo, isto é, vai e ama quem usou de misericórdia para contigo. Ama quem te ajudou.
Com quem nos devemos identificar? Com o samaritano ou com o necessitado? Jesus sugere-nos a identificação com o segundo:
- Não fiques retido por quem te socorreu mas age como ele. Lembra-te que deves a tua sobrevivência a outrem. Ama-o no teu coração e quando tiveres oportunidade, faz por outro o que ele fez por ti.
Todos nós somos necessitados mas há sempre alguém que nos socorre. Amar o próximo é ser gratos com quem nos ajuda.
Recordo a canção de um amigo meu a propósito desta Parábola:
Na longa estrada de Jericó
um homem sofre e eu vou passar,
vou apressado, vou em missão
mas bate triste meu coração.
Se eu penso em mim tu ficas só,
se eu penso em ti seremos nós.
E a tua dor vai acabar
e eu mais seguro vou caminhar!
Seremos dois a enfrentar
a longa estrada de Jericó.
Não temerei, não temerás
os salteadores que espreitam lá.
E na cidade de Jericó
vamos cear Amor e Pão.
E quem nos vir, há de pensar:
Vale sempre a pena estender a mão.
Pe. José David Quintal Vieira, scj
 
MEDITAR
 
Ó MEU MESTRE!
Não sei como cantas, ó mestre!
Escuto sempre em silencioso deslumbramento.
A luz da tua música ilumina o mundo.
O sopro de vida da tua música voa de céu em céu.
A torrente santa da tua música rompe qualquer obstáculo de pedra - e jorra.
 
O meu coração anseia por juntar-se ao teu cântico, mas em vão se esforça por ter voz.
Eu poderia falar, mas a linguagem não se transforma em cântico, e, confundindo, choro em voz alta.
Ah! Tu fizeste o meu coração prisioneiro nas malhas sem fim da tua música, ó meu mestre!
Rabindranath Tagore
 
CONTO (457)
 
O RIO E O DESERTO
Um rio, durante a sua tranquila corrida para o mar, chegou a um deserto e ali parou. Diante dele tinha apenas rochas e dunas de areia a perder-se no horizonte. O rio ficou cheio de medo.
Desesperado disse:
- É o meu fim. Não conseguirei atravessar este deserto. A areia absorverá a minha água e desaparecerei. Não chegarei ao mar.
Lentamente, as suas águas começaram a enfraquecer-se. O rio estava a tornar- -se num pântano e a desaparecer.
Mas o vento tinha escutado estes lamentos e sugeriu-lhe:
- Deixa-te aquecer pelo sol. Subirás ao céu em forma de vapor de água. No resto pensarei eu.
O rio ainda teve medo:
- Eu fui feito para correr entre duas margens e não para voar.
O vento respondeu:
- Não tenhas medo. Quando subires ao céu em forma de vapor de água, tornar-te-ás numa nuvem. Eu levar-te-ei nos ares através do deserto e poderás cair de novo sobre a terra em forma de chuva. Tornarás a ser rio e chegarás ao mar.
Mas o rio tinha muito medo e foi devorado pelo deserto.

 In Alegre Manhã de Pedrosa Ferreira

 

Amar é conjugar a vida. 
Conjugar como um verbo: nos seus tantos tempos, nas suas tantas ações, nos seus tantos estilos, nas suas tantas condições.

Amar é conjugar a vida, e não amar é o presente do indicativo da morte.
 Rui Santiago  

 

INFORMAÇÕES
FESTA DE NOSSA SENHORA DO CARMO
A festa de Nossa Senhora do Carmo, no dia 16 de julho, terá uma Eucaristia às 9 horas e a Eucaristia de festa será pelas 19h00 seguida de procissão.
 
FESTA DE Nª Sr.ª de FÁTIMA
A festa de Nª Sr.ª de Fátima na Fajã das Almas - Manadas é no próximo domingo, 21 de julho, pelas 11 horas.
 
FESTA DE SÃO TIAGO
A festa de São Tiago na Ribeira Seca é no próximo domingo dia 21 de julho, com Eucaristia às 11 horas seguida de procissão.
 
MANHÃ INFANTIL
No âmbito do Festival de Julho, a Câmara Municipal da Calheta, relembra todos os pais, que se realiza no dia 19 de julho, pelas 10h00 no Campo de Futebol Municipal a manhã dedicada às crianças.
Informa, que poderão ainda inscrever-se até dia 16 de julho (terça-feira).
Contato: 295 416 446/324

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 597

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas