Nº 541

 

PRIMEIRA COMUNHÃO

Em todas as comunidades da Ilha, há festas da Primeira Comunhão e profissão de Fé. As crianças mostram-se nervosas, já com a escola a terminar e as férias a começar. Algumas com os exames e tanta coisa ao mesmo tempo a passar pelo menino e pela menina dá muito que fazer. Dá aos pais e dá às crianças.
É a roupinha e as pessoas a convidar para a festa. É a preparação das cerimónias pelos catequistas e pelo padre. Enche-se as cabecinhas das crianças com o que tem de ser feito e o que não se pode fazer. Os pecados e a hóstia. O Jesus escondidinho e tantas coisas mais…
Esta semana apreciava os meus alunos a falar nestas coisas. Lá me fui fazendo distraído, e ouvia: «aquilo é uma coisa branca!»; «sabe a papel, não gosto nada!»; «apega-se ao céu da boca e custa muito a sair»; « senhor professor, pode-se mastigar a hóstia? O Senhor mastiga e nós não podemos?». Até apareceu aquela que perguntava: «Posso tomar a hóstia quando quiser ou só quando não tenho pecados?».
Imagino a preocupação dos pais quando são confrontados com tantas preocupações e interrogações. E todos os que têm de preparar e ajudar nestas festas das crianças. E afinal, estas coisas são tão simples se forem ao jeito de Jesus Cristo. Ele não queria e nem quer nada disto. Ele quer sim fazer Comunhão.
Comunhão é estar unido, estar em união com os outros. Para se estar em união é necessário acabar com egoísmos, indiferenças, ódios, enfim, tudo aquilo que nos impede de criar laços de amor e amizade.
Primeira Comunhão não deve ser só tomar a hóstia, isso é muito pouco e com medo de escandalizar digo mesmo: isso não é nada. Comunhão é tornar-se conscientemente amigo de Jesus Cristo que à volta da mesma mesa com os amigos mostra que só é feliz quem constrói a união e desfaz todos os sinais de egoísmos e grandezas que impedem a seiva do amor de circular entre todos.
Temos de começar nestas idades a perceber que estamos sentados à mesma mesa construindo a fraternidade e o amor. Construindo a comunidade porque nos alimentamos com a mesma Palavra e o mesmo Pão.
Hoje apetece-me perguntar aos pais se estão interessados em construir Comunhão ou se isto é só mais uma festinha?
Pe. Manuel António

XI DOMINGO DO TEMPO COMUM

A liturgia do 11º Domingo do Tempo Comum convida-nos a olhar para a vida e para o mundo com confiança e esperança. Deus, fiel ao seu plano de salvação, continua, hoje como sempre, a conduzir a história humana para uma meta de vida plena e de felicidade sem fim.
Na primeira leitura, o profeta Ezequiel assegura ao Povo de Deus, exilado na Babilónia, que Deus não esqueceu a Aliança, nem as promessas que fez no passado. Apesar das vicissitudes, dos desastres e das crises que as voltas da história comportam, Israel deve continuar a confiar nesse Deus que é fiel e que não desistirá nunca de oferecer ao seu Povo um futuro de tranquilidade, de justiça e de paz sem fim.
O Evangelho apresenta uma catequese sobre o Reino de Deus – essa realidade nova que Jesus veio anunciar e propor. Trata-se de um projeto que, avaliado à luz da lógica humana, pode parecer condenado ao fracasso; mas ele encerra em si o dinamismo de Deus e acabará por chegar a todo o mundo e a todos os corações. Sem alarde, sem pressa, sem publicidade, a semente lançada por Jesus fará com que esta realidade velha que conhecemos vá, aos poucos, dando lugar ao novo céu e à nova terra que Deus quer oferecer a todos.
A segunda leitura recorda-nos que a vida nesta terra, marcada pela finitude e pela transitoriedade, deve ser vivida como uma peregrinação ao encontro de Deus, da vida definitiva. O cristão deve estar consciente de que o Reino de Deus (de que fala o Evangelho de hoje), embora já presente na nossa atual caminhada pela história, só atingirá a sua plena maturação no final dos tempos, quando todos os homens e mulheres se sentarem à mesa de Deus e receberem de Deus a vida que não acaba. É para aí que devemos tender, é essa a visão que deve animar a nossa caminhada.
Dehonianos
 

MEDITAR


DEPOIS DA PRIMEIRA COMUNHÃO

Obrigado, Jesus,
por teres querido fazer do meu coração
a casa onde Tu queres habitar.
Eu gosto de receber-Te, Jesus.
Quero que Tu sejas o meu alimento
para que a Tua Vida em mim
cresça cada dia mais.
Dá-me força para viver como Tu gostas.
Peço-Te que cada vez que eu Te receba
o meu coração seja parecido com o Teu.
Eu quero viver como Tu: fazendo o bem
e amando a todos.
Que eu cresça cada dia mais no perdão,
na generosidade, na partilha e na alegria.
Jesus, ajuda-me cada dia a ser Teu filho
e irmão de todos.
Obrigado, Jesus, porque te fizeste pão
para nos dares forças.
 

CONTO (405)

 

NA FESTA DA CRIAÇÃO

No sétimo dia, terminada a Criação. Deus declarou que era a Sua festa. Todas as criaturas, novas em folha, quiseram oferecer a Deus a coisa mais bela que pudessem encontrar.
Os esquilos trouxeram avelãs. Os coelhos cenouras e raízes doces. As ovelhas, lã. As vacas, leite rico de nata.
O homem esperava pela sua vez e estava preocupado: «Que poderei dar?» As flores têm perfume, as abelhas o mel, até os elefantes podem dar um duche a Deus para o refrescar…
O homem tinha-se colocado no fim da fila e continuava a pensar. Todas as criaturas desfilavam diante de Deus e ofereciam os seus presentes.
Quando ficaram apenas algumas criaturas, o homem ficou em pânico.
Chegou a sua vez. Então o homem fez o que nenhum animal ousara fazer. Correu para Deus, saltou para o Seu colo, abraçou-O e disse-lhe:
- Amo-te!
O rosto de Deus iluminou-se. Toda a criação compreendeu que o homem tinha oferecido a Deus o dom mais belo e entoou um aleluia cósmico.
 In Alegre Manhã de Pedrosa Ferreira

 

Aqueles frutos maduros que teu vizinho colhe às vezes a cantar, na certa custaram-lhe trabalhos penosos de alguém que sabia que nunca em sua vida os colheria, mas que nem por isso os deixou de plantar.
Autor desconhecido

 

INFORMAÇÕES

 

REUNIÃO PARA A PRIMEIRA COMUNHÃO

A reunião para os que vão fazer a festa da Primeira Comunhão, na comunidade da Calheta, é na próxima quinta feira, às 17 horas, na Igreja Matriz.
 

FESTA DO CRUZEIRO

A Festa do Cruzeiro é no dia 25 de junho, no entanto, é costume fazer a sua preparação com um Tríduo preparatório para que a comunidade tenha a possibilidade de confrontar a sua vida com a Palavra de Deus.
O Tríduo será nos dias 20, 21 e 22 de junho às 19 horas.
A festa será no dia 25 de junho, com missa às 20h30 horas seguida de procissão.
 

VENDE-SE

Encontra-se à venda, na freguesia da Ribeira Seca, um pasto situado no monte Formoso, um prédio de pasto e arvoredo na Canada do Torrão e uma terra de semeadura no Barreiro.
Aceitam-se propostas através dos contatos telefónicos: 295416465 ou 292644104.
 

CONFRARIA DO SANTÍSSIMO - URZELINA

Informam-se os Irmãos da Confraria do Santíssimo Sacramento que se encontra afixado à entrada da ermida de Nª. Sª. da Encarnação a lista de presenças referente ao Dia Eucarístico desta ermida, a celebrar no próximo dia 19 de junho, com a exposição do Santíssimo entre as 8:30 e as 19:00 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.
Informam-se os Irmãos da Confraria do Santíssimo Sacramento que no dia 22 de junho, pelas 20h30, na Igreja Paroquial de S. Mateus, haverá uma reunião extraordinária com a seguinte ordem de trabalhos: 1. Apresentação de contas relativas ao Pendão; 2. Correção e atualização dos dados dos irmãos; 3. Aquisição de material; 4. Diplomas; 5. Outros assuntos de interesse geral.

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 541

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 827

Pensamento da Semana

Dá-nos um coração claro que veja o céu aberto
e o mundo como os olhos de uma criança,
olhos de confiança e de descoberta
que nos salvem dos hábitos.

 

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas