Nº 541

 

PRIMEIRA COMUNHÃO

Em todas as comunidades da Ilha, há festas da Primeira Comunhão e profissão de Fé. As crianças mostram-se nervosas, já com a escola a terminar e as férias a começar. Algumas com os exames e tanta coisa ao mesmo tempo a passar pelo menino e pela menina dá muito que fazer. Dá aos pais e dá às crianças.
É a roupinha e as pessoas a convidar para a festa. É a preparação das cerimónias pelos catequistas e pelo padre. Enche-se as cabecinhas das crianças com o que tem de ser feito e o que não se pode fazer. Os pecados e a hóstia. O Jesus escondidinho e tantas coisas mais…
Esta semana apreciava os meus alunos a falar nestas coisas. Lá me fui fazendo distraído, e ouvia: «aquilo é uma coisa branca!»; «sabe a papel, não gosto nada!»; «apega-se ao céu da boca e custa muito a sair»; « senhor professor, pode-se mastigar a hóstia? O Senhor mastiga e nós não podemos?». Até apareceu aquela que perguntava: «Posso tomar a hóstia quando quiser ou só quando não tenho pecados?».
Imagino a preocupação dos pais quando são confrontados com tantas preocupações e interrogações. E todos os que têm de preparar e ajudar nestas festas das crianças. E afinal, estas coisas são tão simples se forem ao jeito de Jesus Cristo. Ele não queria e nem quer nada disto. Ele quer sim fazer Comunhão.
Comunhão é estar unido, estar em união com os outros. Para se estar em união é necessário acabar com egoísmos, indiferenças, ódios, enfim, tudo aquilo que nos impede de criar laços de amor e amizade.
Primeira Comunhão não deve ser só tomar a hóstia, isso é muito pouco e com medo de escandalizar digo mesmo: isso não é nada. Comunhão é tornar-se conscientemente amigo de Jesus Cristo que à volta da mesma mesa com os amigos mostra que só é feliz quem constrói a união e desfaz todos os sinais de egoísmos e grandezas que impedem a seiva do amor de circular entre todos.
Temos de começar nestas idades a perceber que estamos sentados à mesma mesa construindo a fraternidade e o amor. Construindo a comunidade porque nos alimentamos com a mesma Palavra e o mesmo Pão.
Hoje apetece-me perguntar aos pais se estão interessados em construir Comunhão ou se isto é só mais uma festinha?
Pe. Manuel António

XI DOMINGO DO TEMPO COMUM

A liturgia do 11º Domingo do Tempo Comum convida-nos a olhar para a vida e para o mundo com confiança e esperança. Deus, fiel ao seu plano de salvação, continua, hoje como sempre, a conduzir a história humana para uma meta de vida plena e de felicidade sem fim.
Na primeira leitura, o profeta Ezequiel assegura ao Povo de Deus, exilado na Babilónia, que Deus não esqueceu a Aliança, nem as promessas que fez no passado. Apesar das vicissitudes, dos desastres e das crises que as voltas da história comportam, Israel deve continuar a confiar nesse Deus que é fiel e que não desistirá nunca de oferecer ao seu Povo um futuro de tranquilidade, de justiça e de paz sem fim.
O Evangelho apresenta uma catequese sobre o Reino de Deus – essa realidade nova que Jesus veio anunciar e propor. Trata-se de um projeto que, avaliado à luz da lógica humana, pode parecer condenado ao fracasso; mas ele encerra em si o dinamismo de Deus e acabará por chegar a todo o mundo e a todos os corações. Sem alarde, sem pressa, sem publicidade, a semente lançada por Jesus fará com que esta realidade velha que conhecemos vá, aos poucos, dando lugar ao novo céu e à nova terra que Deus quer oferecer a todos.
A segunda leitura recorda-nos que a vida nesta terra, marcada pela finitude e pela transitoriedade, deve ser vivida como uma peregrinação ao encontro de Deus, da vida definitiva. O cristão deve estar consciente de que o Reino de Deus (de que fala o Evangelho de hoje), embora já presente na nossa atual caminhada pela história, só atingirá a sua plena maturação no final dos tempos, quando todos os homens e mulheres se sentarem à mesa de Deus e receberem de Deus a vida que não acaba. É para aí que devemos tender, é essa a visão que deve animar a nossa caminhada.
Dehonianos
 

MEDITAR


DEPOIS DA PRIMEIRA COMUNHÃO

Obrigado, Jesus,
por teres querido fazer do meu coração
a casa onde Tu queres habitar.
Eu gosto de receber-Te, Jesus.
Quero que Tu sejas o meu alimento
para que a Tua Vida em mim
cresça cada dia mais.
Dá-me força para viver como Tu gostas.
Peço-Te que cada vez que eu Te receba
o meu coração seja parecido com o Teu.
Eu quero viver como Tu: fazendo o bem
e amando a todos.
Que eu cresça cada dia mais no perdão,
na generosidade, na partilha e na alegria.
Jesus, ajuda-me cada dia a ser Teu filho
e irmão de todos.
Obrigado, Jesus, porque te fizeste pão
para nos dares forças.
 

CONTO (405)

 

NA FESTA DA CRIAÇÃO

No sétimo dia, terminada a Criação. Deus declarou que era a Sua festa. Todas as criaturas, novas em folha, quiseram oferecer a Deus a coisa mais bela que pudessem encontrar.
Os esquilos trouxeram avelãs. Os coelhos cenouras e raízes doces. As ovelhas, lã. As vacas, leite rico de nata.
O homem esperava pela sua vez e estava preocupado: «Que poderei dar?» As flores têm perfume, as abelhas o mel, até os elefantes podem dar um duche a Deus para o refrescar…
O homem tinha-se colocado no fim da fila e continuava a pensar. Todas as criaturas desfilavam diante de Deus e ofereciam os seus presentes.
Quando ficaram apenas algumas criaturas, o homem ficou em pânico.
Chegou a sua vez. Então o homem fez o que nenhum animal ousara fazer. Correu para Deus, saltou para o Seu colo, abraçou-O e disse-lhe:
- Amo-te!
O rosto de Deus iluminou-se. Toda a criação compreendeu que o homem tinha oferecido a Deus o dom mais belo e entoou um aleluia cósmico.
 In Alegre Manhã de Pedrosa Ferreira

 

Aqueles frutos maduros que teu vizinho colhe às vezes a cantar, na certa custaram-lhe trabalhos penosos de alguém que sabia que nunca em sua vida os colheria, mas que nem por isso os deixou de plantar.
Autor desconhecido

 

INFORMAÇÕES

 

REUNIÃO PARA A PRIMEIRA COMUNHÃO

A reunião para os que vão fazer a festa da Primeira Comunhão, na comunidade da Calheta, é na próxima quinta feira, às 17 horas, na Igreja Matriz.
 

FESTA DO CRUZEIRO

A Festa do Cruzeiro é no dia 25 de junho, no entanto, é costume fazer a sua preparação com um Tríduo preparatório para que a comunidade tenha a possibilidade de confrontar a sua vida com a Palavra de Deus.
O Tríduo será nos dias 20, 21 e 22 de junho às 19 horas.
A festa será no dia 25 de junho, com missa às 20h30 horas seguida de procissão.
 

VENDE-SE

Encontra-se à venda, na freguesia da Ribeira Seca, um pasto situado no monte Formoso, um prédio de pasto e arvoredo na Canada do Torrão e uma terra de semeadura no Barreiro.
Aceitam-se propostas através dos contatos telefónicos: 295416465 ou 292644104.
 

CONFRARIA DO SANTÍSSIMO - URZELINA

Informam-se os Irmãos da Confraria do Santíssimo Sacramento que se encontra afixado à entrada da ermida de Nª. Sª. da Encarnação a lista de presenças referente ao Dia Eucarístico desta ermida, a celebrar no próximo dia 19 de junho, com a exposição do Santíssimo entre as 8:30 e as 19:00 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.
Informam-se os Irmãos da Confraria do Santíssimo Sacramento que no dia 22 de junho, pelas 20h30, na Igreja Paroquial de S. Mateus, haverá uma reunião extraordinária com a seguinte ordem de trabalhos: 1. Apresentação de contas relativas ao Pendão; 2. Correção e atualização dos dados dos irmãos; 3. Aquisição de material; 4. Diplomas; 5. Outros assuntos de interesse geral.

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 541

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas