Nº 407

 

SER CATARINA HOJE

 

- Já estamos na festa de Santa Catarina. Parece que foi “ontem” mas já se passou um ano!

Assim vão desabafando as pessoas. Outras dizem: “Isto é que é um tempo para correr”.

Temos a vida numa correria. O tempo não pára.

Quis pôr esta Catarina no meio deste tempo e desta correria.

Pergunto:

- Que tem ela para dizer? Que tem para ensinar?

Ela é aplicada. Aplicada nos estudos. O tempo tem de ser aproveitado. Tem de ser bem usado.

Catarina é alegre, amiga dos colegas. A todos quer ajudar e defender. Fala com todos e a todos ouve. Ensina o que sabe e ajuda nos trabalhos que são pedidos pelos professores. Tem o seu tempo bem aproveitado.

Ela sabe que precisa da ajuda dos outros e procura-os, principalmente os pais que estão sempre prontos a atender às suas necessidades. Reconhece que encontra nesta ajuda a sabedoria da vida e não deixa cair nenhum ensinamento que sabe ser muito útil para a própria vida.

Procura tudo o que acha importante para a vida: amigos para brincar, pais e mais velhos para aprender…

Ela encontrou um outro amigo entre todos os outros que considera muito importante, atreve-se a dizer que é o seu amigo mais importante e nem sempre é compreendida nesta sua amizade. Diz que Ele não faz com que ela seja menos amiga dos outros, pelo contrário, ajuda-a a reforçar ainda mais a sua amizade e amor.

Este amigo é um confidente especial com quem gosta muito de estar. Ela não o vê mas sente que Ele está sempre presente e que a ajuda. Fala com Ele e escuta-O no silêncio do seu coração.

Ela sabe que este amigo vem ao seu encontro de muitas formas e está atenta para não perder nenhum “encontro” porque todos são especiais e dão muita tranquilidade e harmonia, principalmente interior, que depois Catarina vai irradiando na vida.

Todos se perguntam porque Catarina a todos cativa e chama à atenção. Todos se querem parecer um pouco com ela.

Ela diz que é por causa do seu amigo. Diz como se pode encontrar e como se pode ter.

Diz que Ele põe em primeiro lugar o amor e que a ensinou a fazer o mesmo.

Diz que este amor é dedicação sem distinção e está ao alcance de todos.

Diz que tem um nome e que todos O conhecem mas passam por Ele sem O reconhecer mas que Ele continua, ainda hoje, presente no meio da humanidade a dizer que o importante é o amor.

  Pe. Manuel António

SOLENIDADE DE CRISTO REI DO UNIVERSO

Tema:

No 34º Domingo do Tempo Comum, celebramos a Solenidade de Jesus Cristo, Rei e Senhor do Universo. A Palavra de Deus que nos é proposta neste último domingo do ano litúrgico convida-nos a tomar consciência da realeza de Jesus; deixa claro, no entanto, que essa realeza não pode ser entendida à maneira dos reis deste mundo: é uma realeza que se concretiza de acordo com uma lógica própria, a lógica de Deus. O Evangelho, especialmente, explica qual é a lógica da realeza de Jesus.

A primeira leitura anuncia que Deus vai intervir no mundo, a fim de eliminar a crueza, a ambição, a violência, a opressão que marcam a história dos reinos humanos. Através de um “filho de homem” que vai aparecer “sobre as nuvens”, Deus vai devolver à história a sua dimensão de “humanidade”, possibilitando que os homens sejam livres e vivam na paz e na tranquilidade. Os cristãos verão nesse “filho de homem” vitorioso um anúncio da realeza de Jesus.

Na segunda leitura, o autor do Livro do Apocalipse apresenta Jesus como o Senhor do Tempo e da História, o princípio e o fim de todas as coisas, o “príncipe dos reis da terra”, Aquele que há-de vir “por entre as nuvens” cheio de poder, de glória e de majestade para instaurar um reino definitivo de felicidade, de vida e de paz. É, precisamente, a interpretação cristã dessa figura de “filho de homem” de que falava a primeira leitura.

O Evangelho apresenta-nos, num quadro dramático, Jesus a assumir a sua condição de rei diante de Pontius Pilatus. A cena revela, contudo, que a realeza reivindicada por Jesus não assenta em esquemas de ambição, de poder, de autoridade, de violência, como acontece com os reis da terra. A missão “real” de Jesus é dar “testemunho da verdade”; e concretiza-se no amor, no serviço, no perdão, na partilha, no dom da vida.

(Dehonianos)

 

LUSCO FUSCO

Parte de rosto alegre, sereno e confiante

À descoberta de Deus…

Vai pelos atalhos, pelos caminhos solitários,

Pelas ruelas tristes e sombrias

Ou pelas avenidas grandiosas das cidades!

Em tudo quanto encontrares,

Se o teu coração estiver aberto e disponível,

Verás que Deus está presente:

nas pedras que pisas,

Nas árvores que dão sombra aos cansaços,

No pardalito frágil que alegra o dia,

Na flor singela de qualquer canteiro

e, sobretudo, duma maneira viva e interpeladora,

Deus está presente, naquele pobre que pede esmola

por amor d’Ele

E, às vezes, exausto, atira o seu desdém,

Porque se sente irmão de todos os homens…

E há tantos, que passam e se esquecem!

In Mensagens de Teodoro A. Medeiros

 

CONTO (281)

 

O BOLO

Um cristão e um ateu encontraram-se à mesma mesa do restaurante. A conversa passou da meteorologia para o futebol, e parou na religião.

O ateu afirmava categoricamente:

- Eu não acredito em coisas que não entendo. Vós os cristãos, respondeis frequentemente às perguntas acerca de Deus e da religião, dizendo que é um mistério, que não se pode compreender. Eu só aceito o que compreendo, o que entendo.

O cristão disse-lhe:

- Temos ovos fritos no prato. O senhor sabe fritar ovos?

- Já vi a minha mulher a fritar ovos e a fazer muitas outras coisas. Ela é uma boa cozinheira. Mas eu não entendo nada de culinária. Era o que faltava! E também não entendo como é que o ovo, ao sair da casca tão liquido, em poucos instantes se torna sólido.

O cristão continuou:

- Estou a ver que não compreende nem entende de cozinha. Então se não entende de cozinha, como quer entender de religião?

In  TUTTI FRUTTI  de Pedrosa Ferreira

 

 

 

Não sobrecarregues os teus dias com preocupações desnecessárias, a fim de que não percas a oportunidade de viver com alegria.

(Autor desconhecido)

 

A árvore, quando está sendo cortada, observa com tristeza que o cabo do machado é de madeira.

(Provérbio Árabe)

 

A paz do coração é o paraíso dos homens.

(Platão)

 


 

FESTA DE SANTA CATARINA

TRÍDUO - 22, 23 e 24 de Novembro `

                  Dia 22 Eucaristia às 12 horas

                  Dia 23 confissões às 19 horas e Eucaristia a seguir

                  Dia 24 Eucaristia às 19 horas

DIA 25

                  EUCARISTIA DE FESTA às 13 horas

                  Depois da Eucaristia arrematações e procissão.

 

                  Às 21 horas haverá na Igreja Matriz da Calheta um concerto de Acordeão realizado por Gustavo Pescada, um dos melhores acordeonistas de Portugal

 

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 407

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas