Nº 504

 

UM CORAÇÃO AO JEITO DE JESUS

 
Para moldarmos um coração semelhante ao de Jesus devemos ter a sabedoria necessária para reconhecer os momentos próprios para falar e aqueles em que é melhor guardar silêncio.
 
A nossa oração deve ser feita em forma de um diálogo familiar com Deus. Era assim que Jesus orava. Quando oramos em forma de diálogo familiar com Deus, estamos a dar condições ao Espírito Santo para poder moldar o nosso coração de modo parecido ao de Jesus que falava com o Pai do Céu chamando-lhe Abba, isto é, Papá.
 
Quando orava, Jesus falava com Deus como um filho fala com o seu pai ou a sua mãe. Jesus sabia que o seu coração era agradável a Deus. Foi esta a razão pela qual Ele disse: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração” (Mt 11, 29).
 
Para ter um coração semelhante ao de Jesus é muito importante ser atento aos outros, procurando compreendê-los na sua realidade mais profunda.
 
Para termos um coração acolhedor e humilde devemos ser capazes de aceitar o jeito de ser dos outros, mesmo que eles sejam diferentes de nós. De facto, realizar-se é nascer de novo como pessoa única, original e irrepetível. Quanto mais facilitamos a felicidade dos outros mais nos realizamos como pessoas e mais felizes seremos.
 
Para que o nosso coração seja parecido com o de Jesus é importante sermos leais e sinceros e saber guardar segredo sobre o que elas nos comunicam. Só assim merecemos que eles nos comuniquem o melhor e o mais íntimo de si.
 
É muito importante dar valor às coisas boas que os outros fazem e não pensar que essas coisas não prestam só porque não foram feitas só por nós.
 
Para termos um coração como o de Jesus é importante tomarmos a sério as amizades. Deus também nos toma a sério e aceita-nos assim como somos.  É importante compreender, aceitar e olhar com respeito a história das outras pessoas, a fim de as podermos aceitar e melhor compreendermos as suas atitudes e comportamentos.
 
É importante olhar com as lentes da fé para as pessoas. Lembremo-nos de proceder de modo a que os outros dêem graças a Deus por nos terem encontrado na vida.
 
Na verdade os outros são um dom de Deus para nós, pois ninguém se pode realizar sozinho.  Lembremo-nos com frequência de que os outros são irmãos que Deus nos dá, a fim de construirmos a família de Deus.
Calmeiro Matias
 

XXVII DOMINGO COMUM

Meditando
Virtudes gémeas
Um dia o Senhor Todo-Poderoso convidou para uma festa no Paraíso, todas as Virtudes. Cheias de alegria, rodearam o Trono de Deus, louvando o Senhor, como se se encontrassem na sua própria casa: todas as Virtudes se conheciam...excepto duas. Uma disse à outra:
- Estou contente por te conhecer. Nunca te vi antes. Deves ser uma virtude bastante nova.
- Também eu estou satisfeita por te cumprimentar pela primeira vez. Tu é que deves ser novata nesta família.
Deus, a quem nada escapa, mostrou um rosto pensativo e declarou:
- Como é que vós as duas, as mais belas Virtudes, não se conheciam ainda? Daqui para a frente deveis andar sempre de mãos dadas, para que ninguém fique privado da alegria da vossa companhia.
Sabeis de que Virtudes se tratava? Uma era a Beneficência e a outra o Reconhecimento!
O eco do profeta Isaías ainda se faz ouvir hoje: "Que mais Deus podia fazer à sua vinha que não tenha feito? E quando esperava que viesse a dar uvas, apenas produziu agraços."
E Jesus concluiu: "Ser-vos-á tirado o reino de Deus e dado a um povo que produza os seus frutos."
Pe. José David Quintal Vieira, scj
 

MEDITAR

 
À PROCURA DA PERFEIÇÃO
 
«No tempo em que vivemos, o sucesso imperioso tornou-se a nossa cruz, passou a determinar o nosso encontro com os outros. Junto com uma insaciável necessidade de louvores e confirmação da nossa superioridade em relação ao comum dos mortais, carregamos o medo aflitivo de falhar.

Que importam os nossos sentimentos? Que importa a nossa capacidade de rir, de brincar, de termos um gesto de ternura, de nos emocionarmos? Que importa a nossa vontade de afagar um animal ou de cuidar de uma planta? Que importa a satisfação que nos dá apanhar amoras num silvado ou uma pena que voou ao nosso encontro?
 
Nada disso conta para a nossa avaliação.
 
Só pelo sucesso somos medidos, ainda que muitas vezes ele assente no esforço ou, pior ainda, no fracasso alheio.

E se voltássemos ao princípio de nós? E se nos atrevêssemos a ser o que verdadeiramente somos, acreditando que pode haver quem nos ame mesmo assim?
 
Se Deus nos quisesse perfeitos, tinha-nos feito perfeitos, mas preferiu criar seres em movimento, à procura da perfeição. Da nossa e da alheia.»
 
Henrique Manuel, em Mas Há Sinais...
 

CONTO (371)

 
 

AS BANANAS

Um viajante decidiu passar algumas semanas num mosteiro do Nepal.
Certa tarde, entrou num dos muitos templos do mosteiro e encontrou um monge sorridente, sentado junto do altar. Perguntou ao monge:
- Por que é que está a sorrir?
O monge abriu uma bolsa que trazia consigo e disse:
- Porque descobri o significado das bananas.
O viajante, admirado, perguntou:
- Não estou a perceber?
O monge tirou então de dentro do saco uma banana podre por dentro e disse:
- Esta é a vida que passou e não foi aproveitada no momento certo. Agora é tarde demais.
Em seguida, tirou uma banana ainda verde. Mostrou-a, tornou a guardá-la e disse:
- Esta é a vida que ainda não aconteceu. É preciso esperar pelo momento certo.
Finalmente, tirou uma banana madura. Descascou-a e repartiu-a com o viajante, dizendo:
- Este é o momento presente. Procuremos saboreá-lo com alegria.
 
 In TUTTI FRUTTI  de Pedrosa Ferreira
 
 

 

"A Grande doença é a doença da alma. Nós, os índios, só pedimos uma coisa: Lembre sempre quem você é, lembre sempre da sua essência. Essa lembrança, por si só, pode te curar."
Kaká Werá Jecupé - Índio Guarani 

 

INFORMAÇÕES

 

REUNIÃO DE CATEQUISTAS

A Semana da Educação Cristã é de 2 a 7 de Outubro.
O Secretariado Nacional escolheu como tema para esta semana: “ Família, transmissão e educação da fé”.
A família é a primeira escola das virtudes sociais de que as sociedades têm necessidade… A família é a primeira, mas não a única e exclusiva comunidade educativa” (João Paulo II, FC ns 36 e 40).
“A família, como a Igreja, tem por dever ser um espaço onde o Evangelho é transmitido e de onde o Evangelho irradia… Os pais não somente comunicam aos filhos o Evangelho, mas podem receber deles o mesmo Evangelho profundamente vivido” (Paulo VI, EN n.71).
 
Durante esta semana devemos preparar as catequeses paroquiais para que possam começar em pleno no dia 9 de Outubro.
 
Quarta feira - Reunião de catequistas no Norte Grande às 19 horas e no Norte Pequeno às 19h30.
Quinta feira - Reunião de catequista nos Biscoitos às 19h30.
Sexta feira - Reunião de catequistas na Calheta às 19 horas e na Ribeira Seca às 19h30.
 
 

FESTA DE SÃO MIGUEL

RIBEIRA DA AREIA.

Festa de São Miguel Arcanjo - dia 9 de Outubro com Eucaristia às 13 horas seguida de procissão.

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 504

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas