Nº 470

 

RECORDAR

Hoje, está a ser difícil iniciar esta primeira página. Há dias em que é assim... Não há tema para se escrever.
Veio-me à ideia partilhar outros tempos, lá para o início da minha vida e andanças nestas coisas do Reino. Não me parece que tenha algo de extraordinário, mas a vida não é feita só de coisas fora de série e, às vezes, as que são simples ficam mais caladas dentro de nós.
Num lugar onde havia a Partilha do Pão Eucarístico, que não era paróquia e nem reconhecido nos mapas de alguma relevância. Não havia centro de culto de arquitectura que fosse procurada por turistas e gente habituada a obras de arte. Um lugar que era apenas para a celebração festiva. Alegre pelas muitas crianças que ali vinham ouvir a Novidade do Evangelho. Vinham fazer rodas cheias de alegria, cantigas cheias de vida e entusiasmo. Crianças que pareciam colher cada palavra e cada gesto dos catequistas como uma novidade sempre nova.
Adultos que pareciam não ter pressa porque viam naquele momento o encontro da partilha de vida de uma semana de trabalho. Altura de se recordar tempos já passados com o mesmo entusiasmo e alegria da gente nova que por ali enchia de vida toda aquela terra.
Via a simplicidade das coisas. As flores do jardim e do campo que alegravam o altar e a cruz simples de madeira, sem Cristo. Convite a colocar tantas necessidades daquela gente que esperava palavras consoladoras e amigas.
Era assim um lugar aberto, acolhedor, à espera de um encontro que era mais do que isso, porque era festa alegre, não só pelos que ali estavam mas pela partilha da Palavra e do Pão da Eucaristia.
Ainda recordo que aquele momento era especial para todos, pela atenção, pelos cânticos, pelo silêncio…
Hoje partilhava com gente daquela terra e daquele tempo que, num momento de celebração festiva da Eucaristia, passou um carro que, na sua forma de chamar, anunciava a venda de chicharros e logo saiu uma senhora que queria aproveitar o sustento da casa e da família e logo outros ficaram inquietos para o proveito de suas casas. Então disse: «os que quiserem podem sair que espero até que estejam de novo na Igreja». Na Ermida houve grande movimentação e lá recomecei a Eucaristia como se se tivesse tratado de coisa normal. E sim, acho que o era por ser a vida daquele gente.
À distância do tempo, vejo que hoje há outras formas de partilha e de vida que não são menos belas que aquelas daquele tempo. O olhar de cada um tem de descobrir a beleza em cada gesto de amor e de partilha. O nosso Deus também faz festa nestas ocasiões.
Pe. Manuel António

V DOMINGO DO TEMPO COMUM

Tema:

A Palavra de Deus deste 5º Domingo do Tempo Comum convida-nos a reflectir sobre o compromisso cristão. Aqueles que foram interpelados pelo desafio do “Reino” não podem remeter-se a uma vida cómoda e instalada, nem refugiar-se numa religião ritual e feita de gestos vazios; mas têm de viver de tal forma comprometidos com a transformação do mundo que se tornem uma luz que brilha na noite do mundo e que aponta no sentido desse mundo de plenitude que Deus prometeu aos homens – o mundo do “Reino”.
No Evangelho, Jesus exorta os seus discípulos a não se instalarem na mediocridade, no comodismo, no “deixa andar”; e pede-lhes que sejam o sal que dá sabor ao mundo e que testemunha a perenidade e a eternidade do projecto salvador de Deus; também os exorta a serem uma luz que aponta no sentido das realidades eternas, que vence a escuridão do sofrimento, do egoísmo, do medo e que conduz ao encontro de um “Reino” de liberdade e de esperança.
A primeira leitura apresenta as condições necessárias para “ser luz”: é uma “luz” que ilumina o mundo, não quem cumpre ritos religiosos estéreis e vazios, mas quem se compromete verdadeiramente com a justiça, com a paz, com a partilha, com a fraternidade. A verdadeira religião não se fundamenta numa relação “platónica” com Deus, mas num compromisso concreto que leva o homem a ser um sinal vivo do amor de Deus no meio dos seus irmãos.
A segunda leitura avisa que ser “luz” não é colocar a sua esperança de salvação em esquemas humanos de sabedoria, mas é identificar-se com Cristo e interiorizar a “loucura da cruz” que é dom da vida. Pode-se esperar uma revelação da salvação no escândalo de um Deus que morre na cruz? Sim. É na fragilidade e na debilidade que Deus se manifesta: o exemplo de Paulo – um homem frágil e pouco brilhante – demonstra-o.
(Dehonianos)
 

MEDITAR

 

TEMPO E DINHEIRO
Um homem reza a Deus:
- Senhor, gostaria de Te fazer uma pergunta.
- Podes perguntar o que quiseres, responde Deus.
- Senhor, é verdade que para Ti um milhão de anos é apenas um segundo?
- Sim, é verdade. Até vem nos Salmos. Mil anos são como o dia de ontem que passou.

Bem, nesse caso também podemos dizer que um milhão de euros, para Ti, são uns meros trocos, não é?
- Sim, um milhão de euros não passa de um cêntimo.
- Então, nesse caso, Senhor, podes dar-me uns cêntimos?
- Claro - responde Deus - espera uns segundos.
In CV
 

CONTO (338)

 

O BANQUETE DOS FORTES

Os animais mais fortes da floresta decidiram organizar um banquete só para eles. Encarregaram o elefante de preparar os alimentos e de fazer os convites.
Quando chegou o dia, o primeiro a apresentar-se foi o leão, o rei da floresta. Sem grandes cerimónias, sentou-se no lugar de honra e, pousando as patas na mesa, deu um rugido para recordar a todos que ele era o rei.
Junto do leão, sentaram-se o tigre, a pantera, o leopardo, o urso, o rinoceronte, o crocodilo e, por fim, o elefante.
A notícia do banquete para alguns escolhidos, apesar dos esforços feitos para se guardar segredo, espalhou-se por toda a floresta. Por isso, apareceram também outros animais famintos. Entre eles estava o macaco, que saltava de ramo em ramo a observar tudo, e a zebra a queixar-se por ter sido marginalizada. O que fazia mais barulho era o javali que, com toda a sua numerosa família, incitava os outros a gritar: «Todos os animais nascem livres e iguais em dignidade e direitos!»
O leão, inicialmente, não fez caso. Mas depois começou a irritar-se com tanta confusão e disse ao elefante:
- Quem te autorizou a convidar todos os animais da floresta?
O paquiderme explicou que convidara apenas os animais mais fortes e poderosos, mas que tinha havido certamente uma fuga de informação.
O leão perguntou:
- E agora que havemos de fazer?
O elefante, apesar de ser grande, era sensível ao sofrimento e à miséria dos outros. Por isso, propôs que se aumentasse a mesa e se arranjasse lugar para todos. Mas o leão, prepotente e egoísta, não concordou. Decidiu usar a força e, rugindo, começou a afugentar os animais, agredindo os mais débeis. Todos fugiram aterrorizados.
No final, disse ao elefante:
- Viste como eu resolvi a questão? Esses animais têm ideias estranhas: não sabem que o bem-estar é só para poucos privilegiados? Agora podemos comer tranquilamente.
Mas o macaco decidiu dar-lhes uma lição. Tendo reparado que numa árvore próxima havia um ninho de vespas, subiu, arrancou o ninho e atirou-o para cima dos comensais. As vespas, furiosas, atacavam todo o animal que encontrassem e foi assim que os ricos comensais tiveram de fugir a grande velocidade.
A mesa ficou sem ninguém. Os pequenos regressaram e fizeram eles a festa.
in, Bom dia, alegria de Pedrosa Ferreira

 

O sábio não escarnece do ignorante, esclarece-o com amor.
Autor desconhecido
 
“A vida é uma ponte, atravesse-a, mas não fixe nela sua morada.”
Santa Catarina de Siena
 
“Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, pois cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra.”
 
Saint-Exupéry

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 470

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas