Nº 998

 

Sopro de Vida

 Quanto aos discípulos,

estavam cheios de alegria e do Espírito Santo.

(Act. 14, 52).

 Neste versículo que hoje me dás, apercebo-me que continuas a contar comigo. Não sei ainda para quê, pois não sou capaz de discernir sozinha a tua vontade para mim, mas confio que também a teu tempo a revelar-me-ás.

 

Ainda nesta minha indefinição consagras-me na tua alegria Pascal através do teu Santo Espírito, dom com o qual me agracias apesar das minhas resistências, hesitações, desconfianças e receios.  

 

Das trevas arrancas-me com a tua luz, da noite das minhas angústias fazes despontar a esperança do dia que fizeste e da morte do meu pecado ressuscitas-me à graça da tua infinita misericórdia.

 

Estabeleces hoje também a mim como luz para levar a salvação, que pelo teu sacrifício de amor recebemos, até aos confins da terra (Cf. Act 14, 47).

 

Pagã que fui e que muitas vezes ainda sou, também eu glorifico a tua palavra e te bendigo porque “quando ainda estava no ventre materno, chamaste-me, quando ainda estava no seio da minha mãe pronunciaste o meu nome” (Is 49, 6). Bendigo-te porque, ainda sem tudo perceber, consigo hoje ver todas as maravilhas que vais fazendo em mim. 

 

Nas marés tumultuosas da vida, escondes-me na concha da tua mão  e guardas-me na tua aljava (Cf. Is 49, 2). Escreves o meu nome no céu (Cf. Lc 10, 20), tu que me formaste desde o ventre materno para ser tua serva (Cf. Is 49, 5). Em ti está o meu direito e a minha recompensa (Cf. Is 49, 4), tu que és a minha força (Cf. Is 49, 5).

 

Só em ti encontro repouso para os cansaços da vida e só tu tornas leve o meu fardo, dando-me a experimentar a mansidão e humildade do teu coração, lugar onde albergas a inesgotável fonte do teu amor (Cf. Mt 11, 28-30).

 

Que toda a minha vida seja, pois, um salmo de ação de graças e de louvor em nome do Pai que a todos criou, em nome do Filho que a todos salvou e em nome do Espírito Santo que, no amor do Pai e do Filho, nos consagrou!  

 

Aleluia! Aleluia!

Raquel Dias

 

MEDITAR

A humanidade precisa que o Espírito a sacuda

Quando vier o Espírito, orientar-vos-á para toda a verdade (cf. João 15,26-27; 16,12-15). É a humildade de Jesus, que não pretende dizer tudo, de ter a última palavra sobre tudo, mas fala da nossa história com Deus com verbos conjugados no futuro: o Espírito virá, anunciará, guiará, falará. Um sentido de vitalidade, de energia, de espaços abertos!

O Espírito como uma corrente que arrasta a História para o futuro, abre veredas, faz avançar. Rezar-lhe é como assomar à varanda do futuro. Que é a terra fértil e por cultivar da esperança.

O Espírito provoca como um curto-circuito na História e no tempo: restitui-nos ao coração, acende em nós, como uma pederneira que cria centelhas, a beleza de então, de gestos e palavras daqueles três anos de Galileia.

Enamorados da beleza espiritual, tornamo-nos «buscadores verdadeiros de Deus, que tropeçam numa estrela e, tentando caminhos novos, se perdem na poeira mágica do deserto» (D.M. Montagna).

Somos como peregrinos sem estrada, mas tenazmente a caminho (João da Cruz), ou no meio de um mar plano, sobre uma casca de nós, onde tudo é maior que nós. Nesse momento, é preciso saber a todo o custo/ fazer levantar uma vela/ sobre o vazio do mar (Julian Gracq).

Uma vela, e o mar muda, já não é um vazio no qual nos perdemos ou afundamos; basta que se levante uma vela e nos deixemos investir pelo sopro vigoroso do Espírito (eu a vela, Deus o vento) para iniciar uma aventura apaixonante, esquecendo o vazio, seguindo uma rota.

O que é o Espírito Santo? É Deus em liberdade. Que inventa, abre, sacode, faz coisas que não esperas. Que dá a Maria um filho fora-da-lei e a Isabel um filho profeta, e que em nós cumpre incansavelmente a mesma obra de então: torna-nos ventres do Espírito, que dão carne e sangue e história à Palavra.

Deus em liberdade, um vento nómada, que leva pólenes aonde quer, leva primaveras e dispersa as neblinas, e a todos nos faz vento no seu Vento. Deus em liberdade, que não suporta estatísticas.

Os estudiosos procuram recorrências e esquemas constantes; dizem: na Bíblia Deus age assim. Não acredites. Na vida e na Bíblia, Deus nunca segue esquemas.

Precisamos do Espírito, dele precisa o nosso mundo estagnado, sem impulsos. Para esta Igreja que tem dificuldade em sonhar. O Espírito com os seus dons dá a cada cristão uma genialidade que lhe é própria. E a humanidade tem necessidade extrema de discípulos geniais.

Precisamos que cada um acredite no seu dom, na sua unicidade, e assim possa manter elevada a vida com a inventiva, a coragem, a criatividade, que são dons do Espírito. Então nunca faltará o vento ao meu veleiro, ou àquela pequena vela que se agita alta no vazio do mar.

Ermes Ronchi

 

Precisamos tanto de um abraço, não precisamos?

 

Um abraço bom. Um abraço forte.

 

Um abraço que nos chama. Que nos espera. Que nos envolve.

Um abraço que nos é casa. Que nos é lugar.

Um abraço que nos demora. Que nos faz (de)morar.

Um abraço que nos segura, por dentro e por fora.

Um abraço que nos guarda e nos abriga do mundo.

Um abraço que nos sossega e nos faz (re)pousar.

Um abraço que nos sente, de olhos fechados.

Um abraço que nos fala, em silêncio.

Um abraço que nos escuta o coração. Que nos compassa o coração com o seu.

Um abraço que nos toca diretamente na alma.

Um abraço que nos funde em si. Que nos inunda de si.

Um abraço que nos faz ser abraço.

Um abraço que nos cura tudo.

Um abraço que nos salva de tudo.

Um abraço que nos muda o dia. Que nos muda a vida.

Um abraço que nos abraça para sempre e, para sempre, nos abraça tanto.

Um abraço que nos é amor. Que nos faz ser amor.

 

Precisamos tanto de um abraço, não precisamos?

Daniela barreira

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

Vinde, ó Santo Espírito

Dos céus ajudai-nos

E da Vossa Luz

Um raio mandai-nos

 

Vinde ó Pai dos pobres

Que os dons repartis

Luz dos corações

Que aos cegos luzis

 

Sois Consolador

Benigno, excelente

Sois de nossas almas

Hóspede decente.

 

Doce refrigério

Que abrandais a calma

Com que o apetite

Nos abrasa a alma.


 

INFORMAÇÕES

 

TERÇO AO ESPÍRITO SANTO

Será cantado o Terço, em louvor do Divino Espírito Santo, nos dias 26, 27 e 28, na Igreja Matriz da Calheta, às 20h00.

 

ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS - CALHETA

Ajude a Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Calheta - São Jorge com 0,5% do seu IRS, sem alterar em nada os seus impostos e sem qualquer custo.

Basta preencher 9 algarismos e colocar uma cruz no Modelo 3 da Declaração do IRS.

Ao preencher o  quadro 11 do Modelo 3, campo 1101 com o NIF 512 015 449, está a destinar a Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Calheta 0,5% do valor do seu imposto liquidado que pertenceria ao Estado.


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 998

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

nº 1015

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

Educar é produzir um homem feliz e sábio. Educar é produzir um homem que ama o espetáculo da vida. Desse amor, emana a fonte da inteligência. Educar é produzir uma sinfonia em que rimam dois mundos: o das ideias e o das emoções.

 

Há dois tipos de educação: a que informa e a que forma. A educação que informa ensina o homem a conhecer o mundo em que habita; a educação que forma vai além, ensina-o também a conhecer o mundo que ele é.

Augusto Cury

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

Visitas


Ver Estatísticas