Nº 903

 

O amor dá-te asas

Se alguém me ama, observará a minha palavra (cf. João 14,23-29). «Se alguém me ama»: é a primeira vez no Evangelho que Jesus pede amor por si, que se coloca a si mesmo como objetivo do sentimento humano mais disruptivo e poderoso. Mas fá-lo com o seu estilo: extrema delicadeza, respeito que se apoia sobre um livro «se quiseres», um fundamento tão humilde, tão frágil, tão puro, tão paciente, tão pessoal.

Se alguém me ama, observará… porque se acende nele o misterioso motor que põe a vida a caminho, em que «os justos andam, os sábios correm, mas os namorados voam» (Santa Batista Camila). O amor é uma escola de voo, desencadeia uma energia, uma luz, um calor, uma alegria que põe asas a tudo o que se faz.

«Observará a minha palavra.» Se chegares a amá-lo, será normal tomares como coisa tua, como sal e fermento da tua vida, rocha e ninho, seiva e asa, plenitude e superação dos limites, cada palavra dele que te despertou a vida. A Palavra de Jesus é Jesus que fala, que entra em contacto, chega até mim e comunica-se a Ele próprio.

Como se faz para amá-lo? Trata-se de dar-lhe tempo e coração, de reservar-lhe espaço. Se não pensas nele, se não lhe falas, se não o escutas no segredo, talvez a tua casa interior esteja vazia. Se não há rito no coração, se não há uma liturgia no coração, todas as outras liturgias são máscaras do vazio.

«E nós [o Pai e o Filho] viremos a ele, e faremos nele a nossa casa.» Viremos. O Misericordiosos sem casa procura casa. E procura-a precisamente em mim. Talvez nunca encontre uma verdadeira morada, só um pobre abrigo, um estábulo, uma barraca. Mas Ele pede-me apenas uma coisa, tornar-me fragmento de cosmo hospitaleiro. Casa para as suas duas promessas: o Espírito e a paz.

O Espírito: tesouro inesgotável, fonte que não se cala, vento que não repousa. Que não envolve só os profetas, as hierarquias da Igreja, as grandes personagens, mas nos convoca a todos, buscadores de tesouros, buscadores de pérolas: «O povo de Deus, por constante ação do Espírito, evangeliza-se continuamente» (“A alegria do Evangelho”, 139). Palavras como um vento que abre travessias, transporta pólenes de primavera. Uma visão de poderosa confiança, na qual cada homem, cada mulher têm dignidade de profetas e pastores, cada um evangelista e anunciador: o povo é evangelizado pelo povo.

Deixo-vos a paz, este milagre frágil continuamente em ruínas. Um dom a procurar pacientemente, a construir «artesanalmente» (papa Francisco), cada um com o seu pequeno ramo de paz no deserto da história, cada um com o seu mínimo oásis dentro das relações do dia a dia. O quase nada, na aparência, mas se os oásis forem milhares e milhares, conquistarão e farão florir o deserto.

Ermes Ronchi 

 

GENTE COM ALMA

SANTA RITA DE CÁSSIA  (1381 – 1457)

Nestes dias em que um “mar de gente” chega à cidade de Ponta Delgada, para tomar parte nas Festas em honra do Senhor Santo Cristo dos Milagres, a Alma do Povo Açoriano é convidada a contemplar esta expressiva imagem de Jesus, no mistério da Sua Paixão.

Rosto ferido pela violência dos homens, mãos amarradas como se de um escravo se tratasse, cabeça coberta pela crueldade dos espinhos e corpo revestido com o manto do escárnio da corte de Pilatos. Assim se apresenta à multidão o Filho de Deus, que soube responder com perdão, com amor e com compaixão a toda a maldade, violência e injustiça de que foi vítima no mistério da Sua Paixão.

De entre os grandes contemplativos da Paixão de Jesus, merece claro destaque Santa Rita de Cássia, cuja gloriosa memória tenho o gosto de apresentar neste Gente com Alma!

Filha única de António Lotti e Amata Ferri, nasceu perto da cidade de Cássia, na Úmbria italiana, no ano de 1381. Desde criança que Rita – diminutivo de Margherita – foi formada na escola do Evangelho, aprendendo o amor sublime para com Deus e a caridade cada vez mais generosa para com o próximo.

Desejava consagrar-se ao Senhor como religiosa da Ordem de Santo Agostinho, mas por obediência aos seus pais aceitou casar-se com Paolo Ferdinando Mancini. Do matrimónio nasceram dois filhos gémeos.

No lar de Santa Rita o ambiente não era dos melhores. O seu marido tinha um espírito colérico, era dado ao vinho e acumulavam-se as dívidas familiares. Os desacatos contínuos, a violência domestica e os efeitos nefastos do alcoolismo, eram os amargos alimentos que se serviam todos os dias na casa dos Mancini.

Mas à imitação de Cristo no mistério da Sua Paixão, Santa Rita foi sempre capaz de responder com ternura, bondade e amor à violência física e psicológica de que era vítima. E – como o amor é mais forte do que a morte – Rita conseguiu que Deus lhe alcançasse a conversão do seu marido e dos seus filhos.

Todavia durou pouco a felicidade da nossa santa. Paolo Ferdinando foi assassinado e os seus gémeos foram vitimados pela peste e morreram na flor da juventude.

Depois de várias tentativas, Santa Rita é admitida no Mosteiro agostiniano de Cássia. Durante 40 anos dedica-se com elevada unção espiritual à meditação do Evangelho de Cristo. Chega mesmo a tomar parte no mistério da Sua Paixão – durante quinze anos teve impresso na sua fronte um espinho da coroa do Senhor crucificado.

Veio a falecer no seu mosteiro a 22 de maio de 1457. Fica para a história da Igreja com a Santa das causas impossíveis!

Santa Rita de Cássia foi canonizada pelo Papa Leão XIII a 24 de maio de 1900.

Padre Alexandre Medeiros

 

MEDITAR

O Pai-Nosso de Deus

Filho meu que estás na Terra,

preocupado, confundido, desorientado, solitário, triste, angustiado...

Eu conheço perfeitamente o teu nome, e o pronuncio, abençoando-te e santificando-te, porque te amo.

Não estás sozinho, porque Eu habito em ti.

Juntos construiremos este Reino, do qual serás o meu herdeiro.

Desejo que faças a minha vontade, porque a minha vontade é ver-te viver feliz.

Deves saber que contas sempre comigo porque nunca te abandonarei e que terás o pão para hoje. Não te preocupes. Só te peço que sempre o partilhes com o teu próximo... com os teus irmãos.

Deves saber que perdoo continuamente todas as tuas ofensas, antes, inclusive, que as cometas, ainda sabendo que as farás,

por isso te peço que faças o mesmo com os que te ofendem.

Desejo que nunca caias em tentação, por isso segura bem forte a minha mão e confia sempre em mim e Eu te libertarei do mal.

Recorda e nunca te esqueças que te amo desde o início dos teus dias, e te amarei até o fim dos mesmos... Eu te amarei sempre porque sou teu Pai!

Que a minha bênção fique contigo e que meu Eterno Amor e Paz te cubram sempre porque no mundo não poderá obtê-las como Eu somente as dou porque... Eu sou o Amor e a Paz.

Autor desconhecido

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

Busco a doçura profunda,
a que nunca ninguém viu,
e cuja existência não pode ser posta em causa,
pois é a ela que devemos a beleza perfumada dos jacintos,
a luz nos olhos espantados dos animais e tudo o que,

sobre a terra e nos livros há de bom.

Christian Bobin, in Ressuscitar

 


 

INFORMAÇÕES

 

ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO

MANADAS - 5ª feira, 30 de maio, das 10 horas  às 11 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

RIBEIRA SECA - 6ª feira, 31 de maio, das 18 horas  às 19 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

Er.da de S.to António  - sábado, 1 de junho, das 17 horas às 18 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

CONFRARIA DO SANTÍSSIMO DA URZELINA

A Confraria do Santíssimo Sacramento da Urzelina convida a população para o Dia do Santíssimo que decorre a 30 de maio. O Santíssimo será exposto às 9 horas e permanecerá em exposição durante o dia até às 18 horas com bênção e encerramento com Eucaristia.

 

FESTA DE NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO - VELAS

Dia 31 de maio, missa às 19h00 seguida de procissão


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 903

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 925

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 A oração faz desaparecer a distância entre o homem e Deus.

Padre Pio

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas