Nº 832

O verbo de cada ano novo é «reinventar-se».

A cada novo ano, novas oportunidades! O verbo é reinventar-se para criar novos sentidos.

Por isso, deixa para trás pontuação desajustada, 

larga estrangeirismos e linguagem que não é a tua.

Atreve-te a pontuar a vida - a tua vida! 

Mas nada de pontuação excessiva e pesada! 

Tem calma! Aceita que, por vezes, é necessário colocar reticências para vermos o que vai acontecer, para darmos o benefício da dúvida e aguardar por melhores conjugações da verdade...

No entanto, se as palavras te pesam, te oprimem, te agridem, não hesites em usar e abusar de pontos finais!

Escreve a tua história em cima da linha, mas, se ao releres o texto te parecer confuso e sem desfecho possível, muda a página e enfrenta o delicioso desafio da folha em branco.

Não fiques preso entre parênteses, substitui interrogações por afirmações seguras e poderosas, para que a letra não saia tremida. Vais ver que tudo fluirá melhor!

Sei que não queres o melhor de ti nem a tua criatividade sabotada por demasiadas interjeições e exclamações inconvenientes!

Então, põe simplesmente os pontos nos is e segue em frente !

Não coloques a tua verdade e as tuas convicções entre aspas - assume tudo o que pensas, sentes, amas ou repudias.

Não queiras relações presas por hífens; é que por vezes tudo o que nos une é também o que nos separa.

Para quem não entende, talvez seja necessário que nos expressemos em bold e ainda recorrer ao sublinhado...duplo. Mas descomplica, por vezes uma simples nota de rodapé faz milagres!

É fundamental percebermos o sentido que fazemos na vida do outro e o sentido que outro faz na nossa. Mas, se tudo rimar e ainda sentires um arrepio na pele, isso é poesia; então vive-a intensamente.

Usa post-its para não te esqueceres do que é realmente importante, usa e abusa das cores fluorescentes para marcares o que te faz sentir vivo, usa PS para dizeres que amas.

Acerta as margens para que tudo caminhe no alinhamento certo e deixa espaços generosos nos cabeçalhos dos teus dias, para títulos vibrantes e surpreendentes.

Vive em escrita leve e solta e não hesites em citar quem te inspira.

Sê o autor da tua história e, não te esqueças, assina em baixo para que todos saibam e se lembrem de quem tu és!

Sofia Capinha

 

II DOMINGO DO TEMPO COMUM

O dia mais importante

Era por volta das 4 horas da tarde. É surpreendente esta recordação que os discípulos têm do primeiro encontro com Jesus. Foi uma experiência fascinante que nunca mais esqueceram, lembrando-se de pormenores como a hora precisa, o que estavam a fazer, onde, com quem etc.

Perguntei a uma criança:

– E para ti qual é dia mais importante ou mais feliz?

– Foi o dia da primeira comunhão, ou o primeiro dia de escola.

Recordei que até o Imperador Napoleão respondeu assim. Para ele o dia mais feliz não foi quando venceu a maior batalha ou quando foi coroado imperador, mas o da primeira comunhão. E a criança ficou satisfeita com a coincidência.

– És capaz de adivinhar agora qual é o dia mais importante para mim?

A resposta surgiu em avalanche: foi o dia em que entrou no seminário, o dia da ordenação sacerdotal, o dia da primeira missa …

– Nada disso. O dia mais importante para mim é hoje. Por isso não tenho saudades do passado. Hoje é mais importante que ontem e amanhã ainda melhor que hoje.

Que todos possamos viver com toda a intensidade o dia de hoje, como encontro pessoal com Deus, sentindo os seus efeitos e progredindo no seu caminho, tal como os primeiros discípulos experimentaram.

Pe. José David Quintal Vieira, scj

 

MEDITAR

A tesoura e a agulha

«Um dia o rei foi ter com o grande místico Farid. Inclinou-se e ofereceu-lhe um par de tesouras incrustadas de diamantes. Farid admirou-as mas restituiu-as ao visitante: “Obrigado pelo magnífico presente, mas eu não faço uso delas. Dá-me antes uma agulha.”

“Mas se precisas de uma agulha, as tesouras também te serão úteis”, replicou o rei. “Não – explicou Farid –, as tesouras cortam e separam. Uma agulha, ao contrário, coze e une o que estava separado. O meu ensinamento é fundado no amor e na comunhão. Preciso de uma agulha para voltar a cozer a unidade, e não de tesouras para cortar e dividir”.»

Este apólogo da tradução muçulmana sufi, extraído das “Parábolas do Oriente e do Ocidente”, de Jean Vernette, é ao mesmo tempo um desejo e um compromisso.

É, antes de tudo, um desejo para o ano que está a nascer, para que os seres humanos usem menos as tesouras da divisão: já rasgaram suficientemente o tecido da humanidade comum, estilhaçando-o em muitas sobras dispersas. E é também um compromisso a tomar a agulha entre os dedos, inserindo-lhe a linha do diálogo.

As nossas palavras têm procurado precisamente usar o mais possível esta agulha, fazendo encontrar vozes diversas, culturas distantes, experiências variadas. Sabemos que pode estar sempre à espreita o risco do sincretismo, da “homogeneização” espiritual, inofensiva mas insípida.

É por causa deste perigo que nunca escondemos o ângulo de visão onde nos situamos, deixando quase sempre aflorar uma referência à Bíblia, que é a nossa carta de identidade espiritual e cultural.

Todavia consideramos – no rasto do empenho incessante pela paz e pelo diálogo entre os povos promovido por João Paulo II [e Bento XVI e Francisco] – conceder o primado àquilo que “coze” a civilização, o amor e a comunhão, aliás centrais na mensagem evangélica.

O fio a usar nessa agulha é um só: «O início do amor pelo próximo está em aprender a escutar as suas razões» (Dietrich Bonhoeffer).

P. (Card.) Gianfranco Ravasi

 

 

CONTO (635)

 

O BEIJO

O imperador José II da Áustria costumava servir-se dos presos para serviços públicos.

Uma manhã, alguns desses presos varriam uma praça de Viena. Um conselheiro de Estado, favorito do imperador, viu que um jovem estudante, muito bem vestido, se aproximou de um dos presos e beijou-o.

O conselheiro mandou-o chamar e disse-lhe:

- Não é correto beijar publicamente os presos. Espero que não volte a acontecer.

O jovem estudante comoveu-se ao ponto de derramar algumas lágrimas. Depois respondeu:

- Mas, excelência, esse homem é o meu pai!

Esta prova de amor filial impressionou tanto o conselheiro, que a foi contar ao imperador. Este ficou também agradavelmente impressionado com a atitude desse jovem e ordenou ao conselheiro:

- Mandem chamar o pai desse jovem à minha presença.

O pai, acompanhado pelo conselheiro, foi levado à presença do rei. Este perguntou:

- Aquele jovem que o beijou é realmente seu filho?

- É, sim.

- Vejo que educou muito bem o seu filho, pois este não sentiu vergonha de lhe demonstrar o seu amor na praça pública. Quem educa assim um filho, não pode ser um delinquente.

O rei, voltando-se para o conselheiro, disse-lhe:

- Ordeno que este homem seja posto em liberdade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Atreve-te a pontuar a vida!

Se Deus é luz, e tantas religiões usam esta imagem para falar do divino, então Ele é o que não se vê mas faz ver. A luz não é para ser vista, é para iluminar tudo o resto. Se vejo as coisas, e as vejo em profundidade e com o seu verdadeiro sentido, escondido aos olhos comuns, então é porque algo, alguém, me faz ver. Procuras Deus? Olha para o mundo com olhos de ver.

Vasco Pinto de Magalhães, s.j.

 


INFORMAÇÕES

 

ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO

Manadas - quinta-feira, 18 de janeiro, das 16 às 17 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

 

Ribeira Seca - sexta-feira, 19 de janeiro, das 17 às 18 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

MISSA NO SANTUÁRIO DA CALDEIRA DE SANTO CRISTO

No próximo domingo, 21 de janeiro, haverá a habitual missa no Santuário da Caldeira de Santo Cristo às 15:30 horas.

 

 

RECEITAS

Cortejo de Oferendas da Fajã dos Vimes - 1.242,00€

Cortejo de Oferendas do Portal - 630,00€ 

 

CLÍNICA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DA CALHETA

A Direção da Associação de Bombeiros Voluntários da Calheta informa que estará na Clínica da Instituição a Dr.ª Maria Graça Almeida, Ginecologista e Obstetra, a 25 de janeiro; Dr. Brasil Toste, otorrinolaringologista, 29 de janeiro; Dr.ª Renata Gomes, Cardiologista, em finais de janeiro; Dr.ª Alexandra Dias, Pediatra, 3 e 4 de fevereiro; Dr.ª Paula Pires, neurologista e neuro-pediatra, em outubro; Dr. Rui Amaral, imagiologia e radiologia, em outubro; Dr.ª Lourdes Sousa, Dermatologista, em fevereiro; Dr. Carlos Aguilar, oftalmologista, data por estabelecer; Dr. Rui Amaral, Imagiologia e Radiologia, data ainda por estabelecer; Elisabel Barcelos, psicóloga clínica e formadora, nas áreas de avaliação psicológica de condutores (testes psicotécnicos), avaliação psicológica, acompanhamento psicológico e formação em temas ligados à saúde mental e/ou psicologia, às quintas e sextas.

Os interessados podem fazer as suas marcações para os números 295 460 110/ 295460111.

 

 

 

 

Cortejo de Oferendas da Fajã dos Vimes - 1.242,00€

 

 

 

 

 

 

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 832

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 879

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

O mínimo que nos é exigível
é o máximo que somos capazes de fazer.
Nas coisas simples do dia-a-dia.
Ser da maior bondade possível no quotidiano.
A bondade é a maior de todas as qualidades. ...

Inclui a beleza, a justiça e a verdade.

Manuel António Pina

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas