Nº 826

 

Perguntei ao Advento que palavras diria a um coração abandonado e ferido…
 

 

Perguntei ao Advento que palavras diria a um coração abandonado e ferido… 

 

e ele falou-me de esperança. De uma esperança que resiste a todos os malfeitores e devolve à vida o encantamento e a liberdade.

 

Perguntei ao Advento por um remédio para os olhares cinzentos, por um elixir para os ritmos apressados e as vítimas do “sem-tempo”…

 

e ele falou-me de uma espera. 

 

Uma espera para não mutilar a vida e serenar as ousadias sem fecundidade e todas as pressas e incapacidades de silêncio.

 

Perguntei ao Advento onde encontraria um menino para deitar nas palhas de um presépio feliz… 

 

e ele sussurrou-me o nome de tantos inocentes que não viram a luz; de tantos olhares pequenos, escondidos em trincheiras e valas de guerra; o nome de tantos rostos vencidos pela procura de pão.

 

Perguntei ao Advento onde encontraria uma árvore de Natal para iluminar… 

 

e ele mostrou-me uma floresta de corações sem luz à espera do rosto da fé.

 

Perguntei ao Advento pelo sentido do sonho, pelo toque do vento no rosto dos sem-voz, pelas lágrimas derramadas em chão de desespero… e ele fez-me ouvir o choro de uma criança nascida em Belém.

 

Perguntei ao Advento como poderia ajudar a sustentar um mundo à beira do abismo e do sem-sentido… 

 

e ele falou-me da oração e de um coração atento no meio de tantos dramas.

 

Perguntei ao Advento se deveria perder-me no encanto das ruas iluminadas e descer às galerias das lojas onde se compram presentes e rivalidades…

 

e ele falou-me da frugalidade de João que tecia no deserto palavras de sentido para oferecer a todos os buscadores.

 

Perguntei ao Advento se era possível viver sem todas as respostas, sem entender todos os mistérios da vida, sem a ousadia de pronunciar todos os porquês…

 

e ele sugeriu-me contemplar o rosto de um justo sonhador, um carpinteiro silencioso chamado José.

 

Perguntei ao Advento por promessas escutadas, por horizontes ainda não vistos, por caminhos apenas começados… 

 

e ele falou-me de Maria, agraciada, visitada e grávida.

 

Perguntei ao Advento por mim…

 

e ele deu-me um beijo com sabor a Infinito e um abraço com a ternura de um Filho.

 

Pe. Manuel Afonso de Sousa CSh

 

 
I DOMINGO DO ADVENTO
Saber esperar
Contaram-me, há tempos, um episódio que pode ilustrar este tempo de Advento, de espera ou de preparação.

 

Numa aldeia indígena, algures em África, um missionário pediu à população local que o ajudasse a transportar um carregamento de material até ao cimo da montanha. Com o fardo às costas, partiram todos cheios de entusiasmo. A meia encosta o pessoal parou, pousou o material no chão e sentou-se. O missionário esforçou-se para os pôr outra vez em marcha mas foi em vão:

 

– Porque parastes? Estais cansados?

 

– Não.

 

– Quereis comer ou beber?

 

– Não.

 

– Quereis uma gratificação maior? A carga é muito pesada? Quereis voltar para trás? Então o que é que se passa?

 

Após um silêncio geral, um dos indígenas explicou:

 

– É que nós viemos depressa demais. A nossa alma ficou para trás. Ficaremos à espera que ela chegue.

 

Às vezes parece que somos um corpo sem alma. Sentimo-nos vazios ou a dormir. É preciso aguardar que o espírito nos encha, que a alma nos desperte para continuarmos a caminhar. Eis que Cristo está à porta e bate. Estaremos cheios por dentro?

 

Vivemos numa azáfama contínua. É preciso parar e zelar pela nossa interioridade. Afinal Cristo é a alma da nossa vida, só Ele nos pode encher por dentro.

 

Pe. José David Quintal Vieira, scj
 
MEDITAR
Oração de Raoul Follereau a Deus para que nos ensine a amar
«Senhor,

 

Ensina-nos a não nos amarmos a nós próprios,

 

A não nos contentarmos em amar os nossos,

 

E em amar aqueles a quem amamos.
 

 

Ensina-nos a não pensar senão nos outros,

 

A amar primeiramente os que não são amados.

 

Inquieta-nos com o sofrimento dos outros.
 

 

Senhor,

 

Dá-nos a graça de sentir que

 

Em cada minuto da nossa vida,

 

Da nossa vida feliz por ti protegida,

 

Há milhões de seres humanos que são Teus filhos,

 

Que são nossos irmãos,

 

Que morrem de fome e não merecem morrer de fome,

 

Que morrem de frio e não merecem morrer de frio.
 

 

Senhor,

 

Tem piedade de todos os pobres do mundo

 

E perdoa-nos por os termos abandonado tanto tempo.
 

 

Senhor,

 

Não permitas que sejamos felizes sozinhos.

 

Dá-nos a angústia da miséria universal

 

E livra-nos de nós próprios, se for essa a Tua vontade.»

 

Raoul Follereau, apóstolo dos leprosos

 

 
CONTO (675)
 
ORAÇÃO
Um camponês, durante um dia de mercado, entrou num restaurante para almoçar. Estava quase cheio de ricos comerciantes. O empregado indicou-lhe uma mesa a um canto onde estava um único talher.
Ele, antes de se sentar, fez uma breve oração seguida do sinal da cruz.
Os seus vizinhos observaram-no com uma curiosidade cheia de ironia e um deles perguntou-lhe:
- Na sua terra as pessoas rezam antes de comer?
Os outros sorriram de ironia ao ver esse homem sem medo de manifestar publicamente a sua fé.
O camponês, que tinha começado tranquilamente a comer, respondeu:
- Não, há quem não reze antes de comer nem depois.
Um dos vizinhos de mesa, escarneceu:
- Ah, sim? E quem é que não reza?
O camponês respondeu tranquilamente:
- Por exemplo, as minhas vacas, o meu burro e os meus porcos…

 

 

Nada neste mundo se compara ao conforto e segurança de ter alguém apenas para segurar a nossa mão.
Richelle E. Goodrich

 


 

INFORMAÇÕES
 

 

Biscoitos - terça-feira, 5 de dezembro, das 17 às 18 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

- sábado, 9 de dezembro, das 16 às 17 horas, seguindo-se a celebração da Eucaristia.

 

FESTA DA "AVÉ-MARIA"

 

Na Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora - sexta-feira, 8 de dezembro:

 

Para a Catequese do 1º Ano, 2º Ano e 3º Ano das Comunidades das Manadas, dos Biscoitos e da Ribeira Seca.

 

 

 

SACRAMENTO DA PENITÊNCIA - CONFISSÕES

 

Ermida de Santo António - Sábado, 9 de dezembro, das 16 horas às 17 horas.

 

Portal - Sábado, 9 de dezembro, após a Missa das 18 horas.

 

Urzelina - Domingo, 10 de dezembro, às 17 horas.

 

 

 

CAMPANHA

 

A Juventude Socialista de São Jorge está a preparar mais uma campanha de Natal que tem como objetivo angariar bens para os mais necessitados. Tendo em conta o verão que se viveu em várias regiões do país, no qual as famílias perderam todos os seus bens nos incêndios, consideramos que este Natal temos de pensar nas crianças dessas famílias e contribuir para que elas tenham uma época festiva com mais um sorriso. Para tal, vamos angariar brinquedos usados e novos e vamos fazer com que cheguem a estas famílias com crianças através da campanha regional “Renascer Sorrisos”. Esta campanha vai até ao dia 10 de dezembro e os donativos podem ser entregues nas Juntas de Freguesia da Ilha.

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 826

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 879

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

O mínimo que nos é exigível
é o máximo que somos capazes de fazer.
Nas coisas simples do dia-a-dia.
Ser da maior bondade possível no quotidiano.
A bondade é a maior de todas as qualidades. ...

Inclui a beleza, a justiça e a verdade.

Manuel António Pina

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas