Nº 767

 

JOÃO XXIII, o Papa mais engraçado da história
João XXIII não só passa à história como um Papa santo e o pai do Concílio Vaticano II. Ele foi provavelmente o Papa mais engraçado da história. Um humor que nascia da simplicidade que transbordava de sua humildade e íntima relação com Deus.
Ele demonstrou isso desde o momento de sua eleição como Papa, na sala que se encontra junto à Capela Sistina. Após ter aceitado ser Papa, segundo prevê a tradição, ele se retirou para colocar as vestes brancas do bispo de Roma.
Surgiu então o problema. Nenhuma das três batinas previamente preparadas servia para ele. Os encarregados ficaram embaraçados, e o novo Papa disse sorrindo: “está claro que os alfaiates não me queriam como Papa”.
Passou a ser costume João XXIII concluir seus encontros com os peregrinos com a frase: “voltem, voltem, pois infelizmente estamos sempre aqui”.
Em uma ocasião, recebeu um bispo italiano em uma audiência que durou mais do que o previsto. Então o seu secretário, mons. Loris Capovilla (nomeado cardeal por Francisco), foi- lhe recordar que ainda havia uma longa lista de audiências.
João XXIII comentou então com o bispo: “às vezes não sei se o Papa sou eu ou se é ele”.
É famosa a sua resposta a alguém que lhe perguntou quantas pessoas trabalhavam no Vaticano. Com naturalidade, respondeu: “mais ou menos a metade”. 
Uma vez o “Papa bom” saiu do Vaticano sozinho para ir ao Hospital Espírito Santo visitar discretamente um amigo padre que estava internado.
Ao bater à porta, surgiu a madre superiora que, emocionadíssima, disse: “Santo Padre, sou a superiora do Espírito Santo”. O Papa respondeu-lhe: “Que grande carreira fez a senhora, madre!”
Ele costumava confidenciar com os seus colaboradores: “com frequência acordo à noite e começo a pensar numa série de problemas graves e então decido que tenho de falar sobre eles com o Papa. Depois, acordo completamente e lembro-me que eu sou o Papa!”
Com frequência, dizia: “toda a gente pode ser Papa. A prova é que eu sou”.
João XXIII foi o primeiro Papa do século XX que, em certas ocasiões, com discrição, abandonou os muros do Vaticano para visitar pessoas necessitadas. Os romanos, com senso de humor, chamavam-no de São João Extramuros, em referência à famosa basílica de São Paulo Extramuros (ou São Paulo Fora dos Muros).
Aleteia
 
XXIX DOMINGO TEMPO COMUM
 

 

A Palavra que a liturgia de hoje nos apresenta convida-nos a manter com Deus uma relação estreita, uma comunhão íntima, um diálogo insistente: só dessa forma será possível ao crente aceitar os projetos de Deus, compreender os seus silêncios, respeitar os seus ritmos, acreditar no seu amor.

 

O Evangelho sugere que Deus não está ausente nem fica insensível diante do sofrimento do seu Povo… Os crentes devem descobrir que Deus os ama e que tem um projeto de salvação para todos os homens; e essa descoberta só se pode fazer através da oração, de um diálogo contínuo e perseverante com Deus.

 

A primeira leitura dá a entender que Deus intervém no mundo e salva o seu Povo servindo-Se, muitas vezes, da ação do homem; mas, para que o homem possa ganhar as duras batalhas da existência, ele tem que contar com a ajuda e a força de Deus… Ora, essa ajuda e essa força brotam da oração, do diálogo com Deus.

 

A segunda leitura, sem se referir diretamente ao tema da relação do crente com Deus, apresenta uma outra fonte privilegiada de encontro entre Deus e o homem: a Escritura Sagrada… Sendo a Palavra com que Deus indica aos homens o caminho da vida plena, ela deve assumir um lugar preponderante na experiência cristã.

 

Dehonianos

 

 
MEDITAR
 
Saboreio ainda o gosto
de quem se perdeu nas veredas da Tua Grandeza.
 
Como és Grande, Senhor…
Digo-To ainda hoje, como To disse mil vezes ontem…
Como és Grande…
 
És assim, Grande, porque não tens sequer tamanho!
Não estás fora de mim nem fora de nada…
és a interioridade máxima de toda a Vida,
o Coração palpitante da Criação,
o íntimo do meu íntimo…
 
A Tua Grandeza não tem a ver com o Teu tamanho,
mas com a profundidade e a intensidade da Tua presença.
 
Como dizer isto?!
Tu sabes, meu Senhor e meu Dono,
que o dilema é sempre o mesmo:
“Como hei de dizer isto?! Mas… como posso não dizê-lo?!
 
in Salmos para o Terceiro Milénio 2, 2010
 
CONTO (624)
 
CONSERVAR O GARFO
Era uma vez uma mulher a quem diagnosticaram uma doença grave, dando-lhe apenas um mês de vida.
Enquanto punha todas as suas coisas em «ordem», chamou o padre para lhe comunicar os seus últimos desejos.
Disse que cânticos gostaria que fossem cantados no seu funeral, que leituras bíblicas se deveriam ler e como queria ser sepultada.
Disse-lhe:
- Desejo que me coloquem nas mãos frias o Novo Testamento, pois foi a palavra de Jesus que me iluminou durante a vida.
Quando o sacerdote estava para se ir embora, chamou-o e disse ainda:
- Padre, desejo uma outra coisa.
O sacerdote perguntou:
- O que deseja?
- É algo muito especial. Quero ser enterrada com um garfo na mão direita.
O sacerdote ficou surpreendido com tal pedido.
Então a mulher explicou:
- Durante os anos em que participei em refeições de festa, lembro-me que, quando os pratos iam sendo tirados da mesa, alguém se inclinava e dizia baixinho: «Conserve o garfo». Diziam isso porque o melhor estava para vir.
Vinham no fim deliciosos bolos que se comiam com o garfo. Padre, sei que depois da minha morte o melhor está para vir: é o banquete que Deus tem reservado para todos nós, os seus filhos muito amados.
O sacerdote comoveu-se ao ver a fé desta mulher. Despediu-se dela, com a promessa que cumpriria todos os seus desejos.
Durante o funeral, as pessoas interrogavam-se por que é que ela tinha um garfo na mão. O sacerdote, na homilia, contou o que ela tinha dito, dias antes, e acrescentou:
- Esta mulher morreu com a esperança de que o melhor estava para vir. Tinha a certeza de que Deus tem preparado para os seus eleitos o melhor que possamos imaginar. Felizes os convidados para este banquete final.
 
in CONTOS+MENSAGENS  de Pedrosa Ferreira
 

 

É triste constatar como, num mundo altamente competitivo e ávido de sucesso, perdemos o contacto com a alegria de dar. Com frequência vivemos até como se a nossa felicidade dependesse de ter. Mas o que acontece é que eu não conheço ninguém que seja realmente feliz pelo que tem. A alegria autêntica, a felicidade e a paz interior, provêm da capacidade de nos doarmos aos outros. Uma vida feliz é uma vida pelos outros. (...)
 

 

INFORMAÇÕES
ADORAÇÃO DO SANTÍSSIMO
RIBEIRA SECA - Quinta-feira, 20 de outubro, das 18h00 às 19h.
 
Dia Nacional dos Bens Culturais

 

A Diocese de Angra, através da Comissão Diocesana dos Bens Culturais da Igreja convida as paróquias dos Açores a exporem uma peça de arte sacra entre os dias 18 e 24 de outubro, como forma de assinalar o dia Nacional dos Bens Culturais da Igreja, a 18 de outubro, dia de São Lucas.

 

A igreja açoriana adere desta forma à proposta nacional que este ano tem por tema “(Re)ver a Arte Cristã”.

 

Na Ouvidoria de São Jorge será exposta uma escultura de Santa Bárbara do século XVIII na Igreja Matriz da Calheta.

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 767

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas