Nº 666

CONSTRUIREMOS O QUE SONHARMOS JUNTOS

 Apaixona-me a ousadia de todos os que se confiam a causas maiores que eles próprios… Sim, acredito que aí reside o segredo da mais profunda Liberdade!

A Liberdade tem a ver sempre com a descoberta enamorada da Verdade! Jesus disse “A Verdade vos fará Livres!” E Paulo gritava aos quatro ventos: “Fomos libertados para a Liberdade!”

Esta Liberdade que nos torna servos dos “pequenos” e acusadores dos “grandes”…

Sorrio de alegria ao pensar a missão da Igreja como prolongamento da missão de Jesus, num ritmo comunitário em que o Espírito Santo faz acontecer a Palavra no Coração dos irmãos, ilumina a consciência para discernir os Sinais dos Tempos e fortifica os laços fraternos de modo a que cada Comunidade se torne “Frente de Fraternidade” capaz de derrotar tantas “Frentes de Iniquidade” que esmagam os pequenos que lhes aparecem pelo caminho e se alimentam dos seus despojos…

Apaixona-me a Igreja de Jesus que entende qual é o seu lugar próprio na história, e não cai nos mesmos erros da Antiga Aliança, quando tantos confundiam a esperança da chegada do Reino de Deus com a Restauração do Reino de David!

Assim também tantos nos últimos séculos confundiram o Reino de Deus anunciado e inaugurado por Jesus com a Igreja! Mas o Reino de Deus é maior que a Igreja, ultrapassa as suas fronteiras…

O Reino de Deus é uma Nova Humanidade, não uma nova religião!

O lugar da Igreja no mundo é o do Serviço! Ao serviço de Deus e ao serviço do Mundo, sem fronteiras nem preconceitos.

Já reparaste que à porta de um farol está escuro?! Assim como um farol não existe para se iluminar a si próprio, assim também a Igreja não existe em função de si própria, mas em função da difusão do Reino de Deus!

Por isso é que Jesus dizia aos seus: “Vós sois a LUZ do mundo, vós sois o SAL da terra, vós sois o FERMENTO que leveda a massa…”

SHALOM

 

FESTA DA DEDICAÇÃO DA BASÍLICA DE LATRÃO

A Basílica de S. João de Latrão, cuja “dedicação” ou consagração aconteceu no ano de 320, é a catedral do Papa, enquanto Bispo de Roma. Ela é a “mãe de todas as igrejas”, o símbolo das Igrejas de todo o mundo, unidas à volta do sucessor de Pedro. A Festa da Dedicação da Basílica de Latrão convida-nos a tomar consciência de que a Igreja de Deus (que a Basílica de Latrão simboliza e representa) é hoje, no meio do mundo, a “morada de Deus”, o testemunho vivo da presença de Deus na caminhada histórica dos homens.

Na primeira leitura, o profeta Ezequiel, dirigindo-se ao Povo de Deus exilado na Babilónia, anuncia a chegada de um tempo de salvação e de graça, em que Deus vai estabelecer a sua morada no meio dos homens e vai derramar sobre a humanidade sofredora vida em abundância.

No Evangelho, Jesus apresenta-Se como o Novo Templo, o “lugar” onde Deus reside no mundo e onde os homens podem fazer a experiência do encontro com Deus. É através de Jesus que o Pai oferece aos homens o seu amor e a sua vida. Aquilo que a antiga Lei já não conseguia fazer – estabelecer relação entre Deus e os homens – é Jesus que, a partir de agora, o faz.

Na segunda leitura, Paulo recorda aos cristãos de Corinto (e aos cristãos de todos os tempos e lugares) que são, no mundo, o Templo de Deus onde reside o Espírito. Animados pelo Espírito, os cristãos são chamados a viver numa dinâmica nova, seguindo Jesus no caminho do amor, da partilha, do serviço, da obediência a Deus e da entrega aos irmãos; vivendo dessa forma, eles tornam Deus presente e atuante no meio da cidade dos homens.

 

MEDITAR

 

ORA VÊ

Só é verdadeiramente nosso o que partilhamos.

Só nos pertence o que somos capazes de dar.

 

Nós habituámo-nos a falar de Ti, Deus da Vida e da Bondade, como o Criador e Senhor de Tudo; mas, muitas vezes, esquecemo-nos que isso significa que Tu nada reténs, nada guardas, nada possuis. Tudo em Ti é Dádiva e Generosidade, tudo é Liberdade e Graça.

 

És capaz de Criar, porque não és capaz de reter.

És capaz de tomar conta, porque não és capaz de tomar posse.

 

Quando queremos guardar e reter, tonamo-nos como buracos negros, que são o contrário de qualquer dinamismo criador.

 

Uma vez o Teu Jesus contou aquela parábola das moedas que um Senhor entregou aos seus servos antes de partir. O primeiro foi pôr a render as moedas que tinha recebido. O segundo fez igual. Mas o terceiro, cheio de medo, guardou num paninho e enterrou a moeda que tinha recebido. Quando chegou o seu Senhor, ele devolveu-lha assim mesmo, e o Senhor irritou-se. Porquê? Porque guardar daquela maneira significa que não recebeu desde o princípio! Não recebeu o Dom do Senhor… A prova é que não tratou aquela moeda como sua, mas a guardou como algo a devolver. A vida também é assim, não é, meu Senhor e meu Dono? Ou a gente a investe na partilha e na doação ou perceberemos - talvez tarde demais - que não é coisa que se possa devolver embrulhada na palma da mão.

Grão de Mostarda

 

CONTO (525)

 

SONS INAUDÍVEIS

- Mestre, pude ouvir o canto dos pássaros, o barulho das folhas, o alvoroço dos beija-flores, a brisa batendo na erva, o zumbido das abelhas, o barulho do vento cortando os céus…

E ao terminar o seu relato, o Mestre pediu que o príncipe voltasse à floresta, para ouvir tudo o mais que fosse possível. Apesar de intrigado, o príncipe obedeceu à ordem do Mestre, pensando:

- Não entendo, eu já distingui todos os sons da floresta…

Durante dias e noites ficou sozinho ouvindo, ouvindo, ouvindo... mas não conseguiu distinguir nada de novo além daquilo que havia dito ao Mestre. Porém, certa manhã, começou a distinguir sons vagos, diferentes de tudo o que ouvira antes. E quanto mais prestava atenção, mais claros os sons se tornavam. Uma sensação de encantamento tomou conta do rapaz. Pensou:

- Esses devem ser os sons que o Mestre queria que eu ouvisse…

E sem pressa, ficou ali ouvindo e ouvindo, pacientemente. Queria ter a certeza de que estava no caminho certo. Quando voltou ao templo, o Mestre  perguntou-lhe o que mais conseguira ouvir.

Paciente e respeitosamente o príncipe disse:

- Mestre, quando prestei atenção pude ouvir o inaudível som das flores abrindo-se , o som do sol nascendo e aquecendo a terra e da erva bebendo o orvalho da noite…

O Mestre sorrindo, acenou com a cabeça em sinal de aprovação, e disse:

- Ouvir o inaudível é ter a calma necessária para se tornar uma grande pessoa. Apenas quando se aprende a ouvir o coração das pessoas, seus sentimentos mudos, seus medos não confessados e suas queixas silenciosas, uma pessoa pode inspirar confiança ao seu redor; entender o que está errado e atender às reais necessidades de cada um.

 

 Um rei mandou o seu filho estudar no templo de um grande Mestre, com o objetivo de prepará-lo para ser uma grande pessoa. Quando o príncipe chegou ao templo, o Mestre mandou-o sozinho para uma floresta. Ele deveria voltar um ano depois, com a tarefa de descrever todos os sons da floresta. Quando o príncipe retornou ao templo, após um ano, o Mestre pediu-lhe  para descrever todos os sons que conseguira ouvir. Então  o príncipe disse:

Repudio todas as formas de ser igreja que não proclamam nem constroem a Igreja de Cristo, a dinâmica comunitária por Ele sonhada e iniciada com aqueles Doze pobres que não viriam nunca a ter outra autoridade senão a de dar o próprio sangue pelo Mestre Ressuscitado!

 

É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão.
O importante é aproveitar o momento e aprender a sua duração, pois a vida está nos olhos de quem saber ver.
Gabriel Garcia Márquez

 

INFORMAÇÕES

 

FEIRA DO LIVRO

O Departamento de Língua Portuguesa da Escola Básica e Secundária da Calheta informa que vai realizar a Feira do Livro nesta escola entre os dias 10 e 14 de novembro, das 9h às 12h45 e das 13h45 às 17h. Haverá livros para todas as idades e para todos os gostos! A preço de feira! Neste Natal, ofereça um livro.

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 666

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas