Nº 630

 

Quaresma: história e espiritualidade

A Quaresma é o tempo do ano litúrgico preparatório da Páscoa, a grande celebração da salvação operada pela morte e ressurreição de Jesus Cristo. Começa na Quarta-Feira de Cinzas e termina na Quinta-Feira Santa, excluindo a Missa da Ceia do Senhor, que já pertence ao Tríduo Pascal.

A Quaresma surgiu no séc. IV, a seguir à paz do imperador romano Constantino, quando multidões de pagãos quiseram entrar na Igreja. Duas venerandas instituições a ela estão ligadas, a penitência pública e o catecumenado, preparação para o Batismo, o primeiro dos sete sacramentos. Daí o seu duplo caráter penitencial e batismal.

Inicialmente durava três semanas, mas depois, em Roma, foi alargada a seis semanas (40 dias), com início no atual I Domingo da Quaresma (na altura denominado Quadragesima die, entenda-se 40.º dia anterior à Páscoa). O termo Quadragesima (que deu a nossa “Quaresma”) passou depois a designar a duração dos 40 dias evocativos do jejum de Jesus Cristo no deserto, segundo a Bíblia, a preparar-se para a vida pública. Como, tradicionalmente, aos domingos nunca se jejuou, foi necessário acrescentar alguns dias para se perfazerem os 40. Daí a antecipação do início da Quaresma para a Quarta-Feira de Cinzas, que em 2012 começa a 22 de fevereiro.

 

Penitência

A Quaresma é um tempo forte de penitência. A atitude espiritual expressa por esta palavra, é suscitada pela consciência do pecado.

 

Começa por ser arrependimento pelo mal praticado e sincera dor do pecado; logicamente leva ao desejo de expiação e de reparação, para repor a justiça lesada, e de reconciliação com Deus e com os irmãos ofendidos; chega finalmente à emenda de vida e mais ainda à conversão cristã, que é muito mais que uma conversão moral, para ser uma passagem à fé e à caridade sobrenaturais, com tudo o que implica de mudança de mentalidade, sensibilidade e maneira de amar.

 

Jejum e esmola

Para assegurar expressão comunitária à prática penitencial, sobretudo no tempo da Quaresma, a Igreja mantém o jejum e a abstinência tradicionais. Embora estas duas práticas digam hoje pouco à sensibilidade dos fiéis, mantêm-se em vigor, com variantes de país para país.

 

Entre nós são dias de jejum para os fiéis dos 18 aos 59 anos (a menos de dispensa, por doença ou outra causa) a Quarta-Feira de Cinzas e a Sexta-Feira Santa (convidando a liturgia a prolongar o jejum deste dia ao longo de Sábado Santo). E são dias de abstinência de alimentos ricos, para os fiéis depois dos 14 anos, as sextas-feiras do ano (a menos que cesse a obrigação pela coincidência com festa de preceito ou solenidade litúrgica), com possibilidade de substituição por outras práticas de ascese, esmola (caridade) ou piedade, embora seja aconselhado manter a prática tradicional nas sextas-feiras da Quaresma.

 

No que respeita à esmola, ela deve ser proporcional às posses de cada um e significar verdadeira renúncia, podendo revestir-se da forma de “contributo penitencial”.

 

 

VIII DOMINGO DO TEMPO COMUM

A liturgia deste 8º Domingo do Tempo Comum propõe-nos uma reflexão sobre as nossas prioridades. Recomenda que dirijamos o nosso olhar para o que é verdadeiramente importante e que libertemos o nosso coração da tirania dos bens materiais. De resto, o cristão não vive obcecado com os bens mais primários, pois tem absoluta confiança nesse Deus que cuida dos seus filhos com a solicitude de um pai e o amor gratuito e incondicional de uma mãe.

 

O Evangelho convida-nos a buscar o essencial (o “Reino”) por entre a enorme bateria de coisas secundárias que, dia a dia, ocupam o nosso interesse. Garante-nos, igualmente, que escolher o essencial não é negligenciar o resto: o nosso Deus é um pai cheio de solicitude pelos seus filhos, que provê com amor às suas necessidades.

 

A primeira leitura sublinha a solicitude e o amor de Deus, desta vez recorrendo à imagem da maternidade: a mãe ama o filho, com um amor instintivo, avassalador, eterno, gratuito, incondicional; e o amor de Deus mantém as características do amor da mãe pelo filho, mas em grau infinito. Por isso, temos a certeza de que Ele nunca abandonará os homens e manterá para sempre a aliança que fez com o seu Povo.

 

Na segunda leitura, Paulo convida os cristãos de Corinto a fixarem o seu olhar no essencial (a proposta de salvação/libertação que, em Jesus, Deus fez aos homens) e não no acessório (os veículos da mensagem).

 

Dehonianos

 

MEDITAR

 

A QUE SABE A POESIA?

 

 

 

E, por fim, Deus regressa

 

carregado de intimidade e de imprevisto

 

já olhado de cima pelos séculos

 

humilde medida de um oral silêncio

 

que pensámos destinado a perder

 

 

 

Eis que Deus sobe a escada íngreme

 

mil vezes por nós repetida

 

e se detém à espera sem nenhuma impaciência

 

com a brandura de um cordeiro doente

 

 

 

Qual de nós dois é a sombra do outro?

 

Mesmo se piedade alguma conservar os mapas

 

desceremos quase a seguir

 

desmedidos e vazios

 

como o tronco de uma árvore

 

 

 

O mistério está todo na infância:

 

é preciso que o Homem siga

 

o que há de mais luminoso

 

à maneira da criança futura

 

 

 

 José Tolentino Mendonça

 

 

CONTO (489)

 

TRANSFORMAR AS FRAQUEZAS EM FORÇAS

Certa vez um rapaz de dez anos, decidiu aprender e praticar judo, apesar de ter perdido o seu braço esquerdo num terrível acidente de carro.

Disposto a enfrentar as dificuldades e as suas limitações, começou as lições com um velho mestre oriental.

O rapaz ia bem, nos seus treinos. Mas, sem entender o porquê, após três meses de treino, o mestre tinha-lhe ensinado apenas um movimento. O rapaz perguntou ao mestre:

- Mestre! Não devo aprender mais movimentos?

O Mestre respondeu-lhe, calmamente e com convicção:

- Este é realmente o único movimento que tu sabes, mas este é o único que tu precisarás saber.

Sem entender, mas acreditando no seu mestre, o menino continuou a treinar. Meses mais tarde, o mestre inscreveu o rapaz no seu primeiro torneio.

Surpreendido, o rapaz ganhou com facilidade os seus primeiros dois combates. O terceiro combate foi o mais difícil, mas, depois de algum tempo, o seu adversário tornou-se impaciente e agitado. Foi, então, que o rapaz usou o seu único movimento para ganhar a luta.

Espantado ainda com o seu sucesso, o rapaz chegou ao final do torneio. Desta vez o adversário era bem maior, mais forte e mais experiente.

Preocupado com a possibilidade do  rapaz se magoar, pensaram em cancelar a luta, quando o mestre interveio:

- De forma nenhuma! Deixem-no continuar.

Da mesma maneira, o rapaz usando os ensinamentos do mestre, entrou para a luta e, quanto teve oportunidade, usou o seu movimento para prender o adversário.

Foi assim que o rapaz ganhou a luta e o torneio.

Era o Campeão!

Mais tarde em casa, o rapaz e o mestre reviram cada movimento, em cada luta. Então, o rapaz criou coragem para perguntar o que estava na sua mente:

- Mestre, como eu consegui ganhar o torneio com apenas um movimento?

- Ganhas-te o torneio por duas razões – respondeu o mestre. – Em primeiro lugar, aprendeste  um dos golpes mais difíceis do judo; em segundo lugar a única defesa conhecida para esse golpe é o adversário agarrar teu braço esquerdo.

Assim, a maior fraqueza do rapaz tinha-se transformado na sua maior força.Com esta lição, percebemos que nós também podemos usar as nossas “fraquezas” para que se transformem em nossa força.

Quando contemplamos a beleza de uma árvore nem sempre nos lembramos que o seu segredo está guardado nas suas raízes. Tem uma história que a fez erguer-se, que a tornou majestosa, mas se permaneceu, se cresceu, se resistiu às intempéries da vida, é porque as suas raízes se foram aprofundando. Cresceu em altura, mas também cresceu em profundidade. Há um mistério oculto que acompanha a sua vida, e todas as vidas.

Carlos Maria Antunes

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 630

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas