Nº 613

A MORTE E O SENTIDO DA VIDA (incompleto)

Morrer…

Eis a derradeira possibilidade de voltar a nascer.

 

A consciência da nossa morte ilumina o sentido mais profundo que a vida tem.

Por outras palavras, os sentidos da vida e da morte caminham a passo igual.

Eis a razão pela qual o sentido máximo da vida acontece na fase terminal.

 

Há causas que valem para morrer que são exatamente as mesmas que valem para viver: o amor.

Na verdade, quem morre por amor gera comunhão amorosa e nasce para a vida plena.

No evangelho de São João, Jesus tem um ensinamento importante sobre esta verdade fundamental:

“É este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como eu vos amei.

Ninguém tem mais amor do que quem dá a vida pelos seus amigos” (Jo 15, 12-13).

 

Felizes os que fazem do amor a razão primeira da sua vida, pois a morte surge-lhes como o nascimento que conduz à plenitude.

Felizes dos que sabem ir morrendo para dar vida, pois podem estar seguros de que participarão de modo pleno na ressurreição com Cristo.

 

A vida dos que se foram gastando ao serviço do amor deixa de ser só deles, pois é uma vida partilhada e assumida na Comunhão Universal da Família de Deus.

Na verdade, os que gastaram a vida dando-se às causas do amor encontram-na e possuem-na de modo pleno na comunhão com Deus.

 

A Vida Nova está a emergir no interior da pessoa à medida que esta se vai relacionando amorosamente com os outros.

 

Esta certeza é um convite a descobrir razões mais profundas para viver.

Felizes dos que descobrem que a grande razão para viver e morrer é o amor.

Na verdade, dançaremos eternamente o ritmo do amor com o jeito que tivermos treinado agora na História.

Calmeiro Matias

 

XXXI DOMINGO DO TEMPO COMUM

A liturgia deste domingo convida-nos a contemplar o quadro do amor de Deus. Apresenta-nos um Deus que ama todos os seus filhos sem excluir ninguém, nem sequer os pecadores, os maus, os marginais, os “impuros”; e mostra como só o amor é transformador e revivificador.

Na primeira leitura um “sábio” de Israel explica a “moderação” com que Deus tratou os opressores egípcios. Essa moderação explica-se por uma lógica de amor: esse Deus omnipotente, que criou tudo, ama com amor de Pai cada ser que saiu das suas mãos – mesmo os opressores, mesmo os egípcios – porque todos são seus filhos.

O Evangelho apresenta a história de um homem pecador, marginalizado e desprezado pelos seus concidadãos, que se encontrou com Jesus e descobriu n’Ele o rosto do Deus que ama… Convidado a sentar-se à mesa do “Reino”, esse homem egoísta e mau deixou-se transformar pelo amor de Deus e tornou-se um homem generoso, capaz de partilhar os seus bens e de se comover com a sorte dos pobres.

A segunda leitura faz referência ao amor de Deus, pondo em relevo o seu papel na salvação do homem (é d’Ele que parte o chamamento inicial à salvação; Ele acompanha com amor a caminhada diária do homem; Ele dá-lhe, no final da caminhada, a vida plena)… Além disso, avisa os crentes para que não se deixem manipular por fantasias de fanáticos que aparecem, por vezes, a perturbar o caminho normal do cristão.

Dehonianos

 

MEDITAR

FOME DE DEUS

A fome de Deus anda lado a lado

com a fome de pão…

 

Um homem bem apresentado

interroga-me, numa livraria,

sobre um livro acerca da existência

de Deus.

Expliquei-lhe o conteúdo

e ouvi da boca daquele homem,

em tom nostálgico, esta palavra:

«Eu já tive fé… Agora sou ateu…»

 

Recomendei-lhe a leitura do referido livro

despedi-me dele, com um olhar triste,

como olho os mendigos famintos

que se cruzam comigo…

 

Aquele homem, torturado,

recomeçava a procurar Deus.

Tinha perdido a fé,

sei lá por culpa de quem!...

Talvez porque lhe deram,

na infância ou na juventude,

um Deus capaz de morrer,

porque não era o Deus verdadeiro,

o Deus-Amor…

Mário Salgueirinho

 

CONTO (473)

 

OS SOBERBOS E OS HUMILDES

Era uma vez um mosquito que, estando a dormir junto a um ribeiro, acordou com o rugido de um poderoso leão que vinha da floresta.

Assustou-se e gritou indignado:

- Para quê esse barulho? Não me podias deixar dormir em paz?

O leão respondeu:

- Eu sou o rei da floresta e faço o que me apetece!

O mosquito disse então:

- Dizes que és o rei mas eu sou mais forte do que tu. Sou capaz de te vencer.

Nesse instante, porém, o mosquito aproveitou o momento de distração do leão para se meter dentro do seu nariz. E esta presença do mosquito dentro das narinas era tão incómoda para o leão, que este batia com a cabeça nas árvores e rugia fortemente:

- Oh, o meu nariz! Sai daí, mosquito malandro que me incomodas muito.

O mosquito, rindo-se saiu do nariz do leão e começou a dançar de alegria, dizendo:

- Sou eu o rei da floresta. Sou mais forte e esperto que o leão.

Ao dançar, o mosquito caiu sem querer numa teia de aranha, feita de fios brancos e quase invisíveis.

A aranha, escondida a um canto, veio logo a corre e disse:

- Que belo petisco para o meu jantar!

 In  Bom dia, alegria de Pedrosa Ferreira

 

 

Se amamos alguém, não podemos compará-lo.

A pessoa amada é incomparável.

Milan Kundera

 

A Vida é muito mais que uma série de acontecimentos, é sobretudo a qualidade e a luz pessoal que pomos em todas as coisas.

António Valério s. j

 


 

INFORMAÇÕES
MÊS DAS ALMAS NA RIBEIRA SECA
Durante o mês de novembro, também chamado “mês das almas”, haverá missa na Ribeira Seca, de segunda- feira a sexta- feira, às 8 horas.
O peditório para as “missas das almas” será feito nos moldes dos anos anteriores.
 
NÚCLEO DA CRUZ VERMELHA - CALHETA
O Núcleo da Cruz Vermelha da Calheta recebe donativos em roupas, géneros alimentares e algum tipo de mobiliário. Quem quiser e tenha alguns destes donativos pode entregá-los à Presidente do Núcleo
De igual forma, os que quiserem receber donativos devem dirigir-se ao Núcleo da Cruz Vermelha. O contato do telemóvel é: 916710289.
 
RETIRO
Irá realizar-se nos dias 22, 23 e 24 de novembro o retiro Esquema Dois, para os jovens que efetuaram a caminhada do Esquema Zero e Um ao longo dos dois últimos anos. O retiro tem início na sexta-feira pelas 19h 30m e terminará no domingo com a Eucaristia pelas 15 horas. Decorrerá, como habitualmente, na Pousada da Juventude de Calheta.

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 613

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas