Nº 596

 

EMRC, um serviço à comunidade

O presidente da Comissão Episcopal responsável pelo setor diz que a disciplina ajuda a construir uma «escola melhor».
O presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé dirigiu-se aos pais e responsáveis escolares do país, em mensagem, apelando à valorização da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC).
“Que, cada vez mais, os alunos possam encontrar nas aulas de EMRC as respostas a que têm direito e procurar aí os valores onde se respaldem os horizontes do seu futuro”.
O responsável sublinha que nesta época de matrículas é necessário “sensibilizar as famílias, a escola e a comunidade para o bem que a disciplina lhes oferece”.
“Estamos, assim, a construir uma escola melhor e a lançar bases sólidas do futuro de Portugal”.
 “As aulas de EMRC não se mendigam nem se impõem automaticamente. Merecem-se. A escola tem direito de as exigir da comunidade como verdadeiro e insubstituível compromisso em prol do bem comum e da causa da educação”.
 “A EMRC oferece aos alunos e à comunidade escolar um olhar de interdisciplinaridade para a beleza, valor e sentido da vida”.
 “Há muitos alunos que frequentam EMRC independentemente das suas convicções religiosas e do seu credo de fé. Compreendemos todos que EMRC não é catequese nem somente educação cívica”.
Fala da disciplina como “um ato vivo de toda a comunidade” e diz que “ser aluno de EMRC significa aprender caminhos firmados na dignidade humana, sentir o fascínio do transcendente e a lucidez diante do tempo presente”.
Ser aluno de EMRC consiste em moldar a vida pelos valores do evangelho de Jesus e ajuda a descobrir o encanto da fé e a paixão pela missão da Igreja”.
Agência Ecclesia

 

 

XIV DOMINGO DO TEMPO COMUM

Carga leve

A seara é grande mas os trabalhadores são poucos. Porquê? Os trabalhadores são poucos porque a seara é grande? Não! Talvez seja porque nem todos estão dispostos a trabalhar nestas condições: como ovelhas entre os lobos, num total desprendimento, sem bolsa, nem alforge, nem sandálias... e sem demoras. Estas exigências do trabalho serão muito pesadas ou essa bagagem toda seria ainda mais incomodativa e pesada? E desculpamo-nos dizendo que se a vida dos servidores do Evangelho fosse menos exigente haveria mais vocações ou se os padres pudessem casar haveria mais candidatos.
Não é bem assim porque a sabedoria popular diz que quem corre por gosto não cansa. (Por coincidência escapou-se-me uma letra nesta última palavra e em vez de ‘cansa’ apareceu ‘casa’. Pois é, quem responde por gosto não casa).
Lembro-me de um missionário que num descampado, já cansado de tanto andar e longe de todo o conforto alcançou, a meio da caminhada, uma miudinha de dez anos, pobre e franzina. Ela respirava com dificuldade, toda transpirada, descalça mas carregava cuidadosamente um pequenito às costas. O padre prontificou-se para ajudá-la:
- Ó pequena, queres que te ajude pois levas muito peso...
Ela sorriu:
- Isto não é um peso, é o meu irmão.
O Evangelho não é carga pesada mas amor libertador. A sua exigência não é muita, o nosso amor é que pode ser pouco.
Pe. José David Quintal Vieira, scj
 

MEDITAR

 

O ESSENCIAL

«Se abolíssemos o que não é essencial das várias religiões - disse Kahil Gibran -, viveríamos em união e partilharíamos fraternalmente uma grande fé e religião».

E o que é essencial?
Silêncio e fraternidade.
Silêncio para acolher o grande murmúrio que Deus faz ecoar no mundo.
E fraternidade para estender a mão àqueles que vão caindo nas estradas do tempo.

Se ficássemos só com o essencial, perderíamos muito. Mas ganharíamos tudo.
A totalidade não está nas parcelas. Está na alma.

A fé não pode ser rígida como a morte. 
A fé só pode ser leve (e refrescante) como a vida!

A rigidez em nome de Deus acaba por constituir uma enorme malfeitoria ao próprio Deus.

Pretender impor um único caminho para chegar a Deus significa não perceber que Ele mesmo percorre muitos caminhos para chegar até nós.

Kahil Gibran percebeu tudo: «Deus fez a Verdade com muitas portas, para receber todos os que a elas baterem»!

T
heosfera.blogs.sapo.pt
 
 

 

"(...)A maldade turva o olhar, não o dos outros, mas o nosso. 
Não é preciso ter em conta as consequências, é no próprio fazer que a culpa se mede. 
Olha para os teus olhos antes de olhares para os dos outros. 
O que os teus olhos veem vem da luz que tens em ti
(...)

 

 
Pedro Paixão, Vida de Adulto

 

INFORMAÇÕES

 

MISSA NOVA

No sábado, 13 de julho, a ilha vai viver um momento eclesial de profundo significado para o qual estão todos convidados. O Neo-Sacerdote Carlos Espírito Santo Vai celebrar a Missa Nova na Igreja Matriz de São Jorge -Velas. É um momento marcante para a vida deste novo sacerdote e para toda a ilha.
Será uma forma de mostrarmos o apreço para com o sacerdócio, para com o Seminário uma vez que estarão na ilha quase todos os seminaristas, muitos padres de outras ilhas, principalmente os das ilhas do triângulo e espero que o povo de Cristo também participe em grande número.
A Missa Nova é às 15 horas na Igreja Matriz de Velas e depois, estão todos convidados para a refeição no Pavilhão do Clube Marítimo Velense onde serão servidas as tradicionais “Sopas do Divino Espírito Santo”.
 
 

JAMBOREE
 

 

 

Vai realizar-se de 13 a 19 de julho, na Ilha de São Jorge, na paróquia de Velas, o XIII Jamboree Açoriano. O Jamboree é uma atividade do CNE (Corpo Nacional de Escutas)  que se realiza de 4 em 4 anos em diversas ilhas dos Açores. É um momento em que os escuteiros açorianos se reúnem em nome dos ideais de Baden Powell, o seu fundador.

 

 

O tema do Jamboree deste ano é  “Deixa-te cativar!”, baseando-se na história “O principezinho” do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry. Pretende-se assim que os jovens escuteiros se deixem cativar no relacionamento com a natureza, animais, consigo próprios, com os outros e com Deus

 

 

Para esta atividade espera-se a participação de cerca de 1500 escuteiros, entre os 10 e os 18 anos oriundos das várias ilhas dos Açores, Madeira e Continente.

 

 

Sendo o escutismo uma escola de valores e de vida esta atividade pretende oferecer a troca de experiências entre os escuteiros e contribuir para a formação integral dos jovens, desenvolver a amizade, responsabilidade, solidariedade e apelar à dignidade da pessoa humana, como valores universais.

 

 

 

FESTA DE NOSSA SENHORA DO CARMO

A festa de Nossa Senhora do Carmo, na fajã dos Vimes, é no dia 16 de julho.

Está a decorrer o novenário preparatório todos os dias às 20 horas.

No dia 16 de julho haverá uma missa às 9 horas da manhã e a missa de festa será às 18 horas seguida de procissão.

MUSEU FRANCISCO LACERDA

Horário de verão – julho e agosto – segunda a sexta-feira – 10H00/19H00.

Sábado e domingo – 16H00/19H00.

CLÍNICA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DA CALHETA

A Direção da Associação de Bombeiros Voluntários da Calheta informa a vinda dos seguintes médicos: Dr. Carlos Aguilar Oftalmologista a 29 de julho; Dr. ª Paula Pires Neurologista a  2 de agosto; Dr. ª Renata Gomes Cardiologista a 13 de agosto; Dr. ª Maria Graça Almeida Ginecologista e Obstetra em agosto de 2013 (dia a estabelecer); Dr. ª Lourdes Sousa Dermatologista em agosto (dia a estabelecer); Dr. Carlos Sarmento Cirurgia Vascular em data ainda por estabelecer; Dr. ª Alexandra Dias Pediatra a 20 e 21 de setembro. As marcações podem ser feitas através dos números 295 460 110 / 295460111.

 

 

 

 

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 596

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 879

Pensamento da Semana

 

PENSAMENTO DA SEMANA

 

O mínimo que nos é exigível
é o máximo que somos capazes de fazer.
Nas coisas simples do dia-a-dia.
Ser da maior bondade possível no quotidiano.
A bondade é a maior de todas as qualidades. ...

Inclui a beleza, a justiça e a verdade.

Manuel António Pina

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas