Nº 596

 

EMRC, um serviço à comunidade

O presidente da Comissão Episcopal responsável pelo setor diz que a disciplina ajuda a construir uma «escola melhor».
O presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé dirigiu-se aos pais e responsáveis escolares do país, em mensagem, apelando à valorização da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC).
“Que, cada vez mais, os alunos possam encontrar nas aulas de EMRC as respostas a que têm direito e procurar aí os valores onde se respaldem os horizontes do seu futuro”.
O responsável sublinha que nesta época de matrículas é necessário “sensibilizar as famílias, a escola e a comunidade para o bem que a disciplina lhes oferece”.
“Estamos, assim, a construir uma escola melhor e a lançar bases sólidas do futuro de Portugal”.
 “As aulas de EMRC não se mendigam nem se impõem automaticamente. Merecem-se. A escola tem direito de as exigir da comunidade como verdadeiro e insubstituível compromisso em prol do bem comum e da causa da educação”.
 “A EMRC oferece aos alunos e à comunidade escolar um olhar de interdisciplinaridade para a beleza, valor e sentido da vida”.
 “Há muitos alunos que frequentam EMRC independentemente das suas convicções religiosas e do seu credo de fé. Compreendemos todos que EMRC não é catequese nem somente educação cívica”.
Fala da disciplina como “um ato vivo de toda a comunidade” e diz que “ser aluno de EMRC significa aprender caminhos firmados na dignidade humana, sentir o fascínio do transcendente e a lucidez diante do tempo presente”.
Ser aluno de EMRC consiste em moldar a vida pelos valores do evangelho de Jesus e ajuda a descobrir o encanto da fé e a paixão pela missão da Igreja”.
Agência Ecclesia

 

 

XIV DOMINGO DO TEMPO COMUM

Carga leve

A seara é grande mas os trabalhadores são poucos. Porquê? Os trabalhadores são poucos porque a seara é grande? Não! Talvez seja porque nem todos estão dispostos a trabalhar nestas condições: como ovelhas entre os lobos, num total desprendimento, sem bolsa, nem alforge, nem sandálias... e sem demoras. Estas exigências do trabalho serão muito pesadas ou essa bagagem toda seria ainda mais incomodativa e pesada? E desculpamo-nos dizendo que se a vida dos servidores do Evangelho fosse menos exigente haveria mais vocações ou se os padres pudessem casar haveria mais candidatos.
Não é bem assim porque a sabedoria popular diz que quem corre por gosto não cansa. (Por coincidência escapou-se-me uma letra nesta última palavra e em vez de ‘cansa’ apareceu ‘casa’. Pois é, quem responde por gosto não casa).
Lembro-me de um missionário que num descampado, já cansado de tanto andar e longe de todo o conforto alcançou, a meio da caminhada, uma miudinha de dez anos, pobre e franzina. Ela respirava com dificuldade, toda transpirada, descalça mas carregava cuidadosamente um pequenito às costas. O padre prontificou-se para ajudá-la:
- Ó pequena, queres que te ajude pois levas muito peso...
Ela sorriu:
- Isto não é um peso, é o meu irmão.
O Evangelho não é carga pesada mas amor libertador. A sua exigência não é muita, o nosso amor é que pode ser pouco.
Pe. José David Quintal Vieira, scj
 

MEDITAR

 

O ESSENCIAL

«Se abolíssemos o que não é essencial das várias religiões - disse Kahil Gibran -, viveríamos em união e partilharíamos fraternalmente uma grande fé e religião».

E o que é essencial?
Silêncio e fraternidade.
Silêncio para acolher o grande murmúrio que Deus faz ecoar no mundo.
E fraternidade para estender a mão àqueles que vão caindo nas estradas do tempo.

Se ficássemos só com o essencial, perderíamos muito. Mas ganharíamos tudo.
A totalidade não está nas parcelas. Está na alma.

A fé não pode ser rígida como a morte. 
A fé só pode ser leve (e refrescante) como a vida!

A rigidez em nome de Deus acaba por constituir uma enorme malfeitoria ao próprio Deus.

Pretender impor um único caminho para chegar a Deus significa não perceber que Ele mesmo percorre muitos caminhos para chegar até nós.

Kahil Gibran percebeu tudo: «Deus fez a Verdade com muitas portas, para receber todos os que a elas baterem»!

T
heosfera.blogs.sapo.pt
 
 

 

"(...)A maldade turva o olhar, não o dos outros, mas o nosso. 
Não é preciso ter em conta as consequências, é no próprio fazer que a culpa se mede. 
Olha para os teus olhos antes de olhares para os dos outros. 
O que os teus olhos veem vem da luz que tens em ti
(...)

 

 
Pedro Paixão, Vida de Adulto

 

INFORMAÇÕES

 

MISSA NOVA

No sábado, 13 de julho, a ilha vai viver um momento eclesial de profundo significado para o qual estão todos convidados. O Neo-Sacerdote Carlos Espírito Santo Vai celebrar a Missa Nova na Igreja Matriz de São Jorge -Velas. É um momento marcante para a vida deste novo sacerdote e para toda a ilha.
Será uma forma de mostrarmos o apreço para com o sacerdócio, para com o Seminário uma vez que estarão na ilha quase todos os seminaristas, muitos padres de outras ilhas, principalmente os das ilhas do triângulo e espero que o povo de Cristo também participe em grande número.
A Missa Nova é às 15 horas na Igreja Matriz de Velas e depois, estão todos convidados para a refeição no Pavilhão do Clube Marítimo Velense onde serão servidas as tradicionais “Sopas do Divino Espírito Santo”.
 
 

JAMBOREE
 

 

 

Vai realizar-se de 13 a 19 de julho, na Ilha de São Jorge, na paróquia de Velas, o XIII Jamboree Açoriano. O Jamboree é uma atividade do CNE (Corpo Nacional de Escutas)  que se realiza de 4 em 4 anos em diversas ilhas dos Açores. É um momento em que os escuteiros açorianos se reúnem em nome dos ideais de Baden Powell, o seu fundador.

 

 

O tema do Jamboree deste ano é  “Deixa-te cativar!”, baseando-se na história “O principezinho” do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry. Pretende-se assim que os jovens escuteiros se deixem cativar no relacionamento com a natureza, animais, consigo próprios, com os outros e com Deus

 

 

Para esta atividade espera-se a participação de cerca de 1500 escuteiros, entre os 10 e os 18 anos oriundos das várias ilhas dos Açores, Madeira e Continente.

 

 

Sendo o escutismo uma escola de valores e de vida esta atividade pretende oferecer a troca de experiências entre os escuteiros e contribuir para a formação integral dos jovens, desenvolver a amizade, responsabilidade, solidariedade e apelar à dignidade da pessoa humana, como valores universais.

 

 

 

FESTA DE NOSSA SENHORA DO CARMO

A festa de Nossa Senhora do Carmo, na fajã dos Vimes, é no dia 16 de julho.

Está a decorrer o novenário preparatório todos os dias às 20 horas.

No dia 16 de julho haverá uma missa às 9 horas da manhã e a missa de festa será às 18 horas seguida de procissão.

MUSEU FRANCISCO LACERDA

Horário de verão – julho e agosto – segunda a sexta-feira – 10H00/19H00.

Sábado e domingo – 16H00/19H00.

CLÍNICA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DA CALHETA

A Direção da Associação de Bombeiros Voluntários da Calheta informa a vinda dos seguintes médicos: Dr. Carlos Aguilar Oftalmologista a 29 de julho; Dr. ª Paula Pires Neurologista a  2 de agosto; Dr. ª Renata Gomes Cardiologista a 13 de agosto; Dr. ª Maria Graça Almeida Ginecologista e Obstetra em agosto de 2013 (dia a estabelecer); Dr. ª Lourdes Sousa Dermatologista em agosto (dia a estabelecer); Dr. Carlos Sarmento Cirurgia Vascular em data ainda por estabelecer; Dr. ª Alexandra Dias Pediatra a 20 e 21 de setembro. As marcações podem ser feitas através dos números 295 460 110 / 295460111.

 

 

 

 

 


Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 596

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas