Nº 572

 

DIZER, DEUS PAI…

Na aula dos mais pequeninos, enquanto eu falava sobre Deus Pai, um deles disse:
- Que fixe, tenho um pai que gosta muito de mim.
Achei interessante e a partir dali foi um desenrolar de histórias sobre o pai que se tem cá na terra, tendo eles, depois, atribuído as qualidades do pai da terra ao Pai do Céu, ao Pai de Jesus que, também, é nosso Pai.
Quando afirmamos a nossa fé dizemos: Creio em Deus Pai…
Deus Pai que ama infinitamente todos sem exceção. A Bíblia diz: «Pode a mãe esquecer o filho que amamenta? Mesmo que ela o esqueça Eu nunca o esquecerei». Deus Pai nunca esquece nenhum dos seus filhos e filhas. O amor nunca esquece. Aprofunda-se e enriquece.
Dizer Deus Pai é dizer que Ele está próximo de mim, caminha comigo, não é um pai à divino, distante e que não se importa com a minha alegria e a minha felicidade. Antes, porém, quer que eu O sinta próximo e amigo.
Deus é o Pai que toma a defesa dos pequenos e indefesos, ama e perdoa, ampara o que sofre e caminha com os desanimados.
Deus é Pai porque toma o partido da justiça e da verdade, recompõe a dignidade humana e toma a defesa dos que são privados de ser gente.
Deus é Pai e quem nos ajuda a descobrir é Jesus Cristo, que nos anuncia um Reino do qual fala apaixonadamente e pelo qual entrega a Sua vida.
Deus Pai que faz festa, e tem a mesa posta, que é alegria, amor e felicidade. Não é um Pai isolado, distante e sossegado.
Dizer Deus Pai é dizer Deus Amor.
Pe. Manuel António
 

II DOMINGO DO TEMPO COMUM

A luz da Palavra

As vossas palavras, Senhor, são espírito e vida, são a luz do meu caminho que tudo ilumina e clarifica.
Um dia desafiei seis crianças a fazerem uma fogueira com uma lente, captando os raios do sol. As lentes eram iguais, o sol era o mesmo mas só uma delas conseguiu acender:
A primeira não alinhava a lente com o sol. Olhava para os outros lados menos para cima, em direção do sol.
Outra, alinhava bem a lente, mas esta estava suja e os raios do sol não a podiam atravessar.
Outra não era calma. Estava sempre a mover a lente de modo que o foco não se fixava num só ponto, apesar de bem orientada e limpa.
Outra era calma, tinha a lente impecavelmente limpa, mas era precipitada, tinha pressa e não dava tempo a que o foco aquecesse.
Outra era calma, tinha a lente limpa, era paciente mas não tinha preparado a lenha que estava verde ou húmida.
Finalmente uma conseguiu acender o fogo visto que era muito cuidadosa.
Assim, os raios do sol são a Palavra de Deus e a lente é a nossa vontade ou dedicação.
Para acender a nossa fé são precisas várias condições:
Colocar-se na direção correta, ter o coração puro, incidir a atenção e não vaguear, ser paciente e dar tempo ao tempo e ter o seu terreno bem preparado.
Pe. José David Quintal Vieira, scj

 MEDITAR

 

A Partilha gera Abundância

Deus Santo,
Enviaste-nos Jesus Cristo
para nos ensinar a força libertadora
que está na dinâmica da partilha fraterna.

A Eucaristia ensina-nos que a vida em plenitude encontra a sua perfeição e felicidade na comunhão.
Comungar é partilhar o que temos,
o que somos e também o que sabemos.

A Eucaristia ensina-nos que Cristo está especialmente presente no coração das pessoas que partilham.
Partilhar significa reconhecer que Deus entregou os bens da Terra a todos os homens
e não apenas a alguns.

Deus Santo,
Deste provas de ser um Deus generoso,
partilhando todas as riquezas de amor e vida connosco,
ao ponto de nos enviares Jesus Cristo
que viveu e morreu por nós.

Calmeiro Matias

CONTO (434)

 

A VIDA

O presidente da Câmara mandou podar todas as árvores de um parque da cidade.
Quando os funcionários terminaram, os inspetores municipais foram analisar o trabalho realizado. Para surpresa de todos, algumas árvores tinham apenas sido podadas em parte, dando um aspeto irregular e anti estético.
Choveram as criticas ao presidente por parte da oposição por tão lamentável estado em que tinha ficado o parque.
Um responsável chamou os funcionários que tinham feito a poda, e disse-lhes meio indignado e sem mais explicações:
- A partir deste momento ficam despedidos sem direito a ordenado.
Ao chegar a casa, a adolescente filha do presidente da Câmara deu-lhe um grande abraço e disse-lhe com emoção:
- Pai, és maravilhosos! Obrigado por teres respeitado os ramos das árvores que tinham os ninhos dos passarinhos. As minhas amigas felicitaram-me por ter um pai tão sensível e tão bom.
Não se sabe se o pai voltou a admitir os empregados despedidos. Mas o certo é que recebeu da filha uma lição de como é importante respeitar os passarinhos.
 In Alegre manhã de Pedrosa Ferreira

 

O olhar do amigo é uma âncora. A ela nos seguramos em estações diferentes da vida para receber esse bem inestimável de que temos absoluta necessidade e que, verdadeiramente, só a amizade nos pode dar: a certeza de que somos acompanhados e reconhecidos. Sem isso a vida é uma baça surdina destinada ao esquecimento.
 José Tolentino Mendonça, em Nenhum Caminho será Longo

 

INFORMAÇÕES

RECEITAS

Cortejo de Oferendas da Ermida de Santo António 454,00 €
Liga Portuguesa contra o Cancro. Peditório da Calheta 644,71€; Ribeira Seca 1.528,80€; total do concelho da Calheta 4.708,35€.
 

RETIRO PARA O 4º ANO DE CATEQUESE

No próximo sábado, 26 de janeiro, vamos realizar um retiro para os alunos do 4º ano de catequese de todas as paróquias da ilha. Será na casa do divino Espírito Santo da Ribeira Seca e tem início às 10 horas e termina às 15 horas.
 

FALECEU O “PADRE LIMA”

O Padre José de Lima era muito conhecido nos Açores e muito estimado.
Gostava de ser tratado por “Padre Lima” para que não se ficasse pelos títulos que lhe deram por mérito. Era Cónego da Sé de Angra, Monsenhor e por vários anos Vigário Geral e Vigário para o Clero, para além de distinções a nível social e do Governo Regional.
Era um homem que atraia pela simpatia e humildade. Tinha um coração bom que cativava a todos, crianças, jovens e adultos.
Era um excelente conselheiro, sabia ouvir e ajudar a orientar para a vida. Por isso, era muito procurado por todos, mesmo pelos colegas no sacerdócio.
Homem prestável e serviçal, ajudava tanto para o serviço litúrgico como em retiros e encontros. Quando participava em encontros diocesanos era esperado sempre o seu parecer ponderado que bem sabia dar.
Foi meu professor de Pastoral e admirava a sua forma de ensinar muto orientada para a vida a que dava mais importância. Como professor é recordado com apreço e carinho por muitas gerações que receberam o seu ensino e exemplo de vida.

Faça download desta Carta Familiar em formato PDF: Nº 572

Agenda Pastoral

Destaque

Mais Recente Carta Familiar em PDF!

Nº 819

Pensamento da Semana

 

Um anjo nunca se faz conhecer, nós só sabemos que ele esteve connosco quando ele parte. Porque deixa-nos na vida um perfume, deixa-nos na vida um desassossego.

 

Erri de Luca, in Em nome da mãe

Os nossos Links

Ouvidoria de São Jorge
FAJÃS Grupo de Jovens
Cartas Familiares Anteriores

H2ONews

Visitas


Ver Estatísticas